A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

06/08/2012 08:45

Pesquisa eleitoral, por Ruy Sant’Anna

Por Ruy Sant’Anna (*)

É interessante se observar que muita gente nega-se a responder pesquisa eleitoral. Algumas situações levam tais pessoas à omissão. A primeira, provocada pela má informação, leva a isso por achar-se que a (o) pesquisadora queira convencer o pesquisado de algo que ele não queira admitir. Ora, a pesquisa eleitoral é fundamentada e tem de seguir bases científicas até por força de lei. Nenhum Instituto de Pesquisa quer correr o risco da pesquisa tendenciosa ou deturpada. Seria o seu fim.

Outra “motivação” errônea é a neurose do ocupado. Negando-se à entrevista o pretenso pesquisado sai com a desculpa esfarrapada de que está “muito ocupado” e apressado...

Mais uma é a da pessoa que tem o espírito de superioridade e não admite que lhe façam a cabeça. No que em tese tem razão. Só que na pesquisa eleitoral de Instituto de Pesquisa, não pode ocorrer essa espécie de ameaça ou risco, porque qualquer pessoa pode denunciar à Justiça Eleitoral ou Partido Político e o Instituto estaria ferrado.

Em fim todo procedimento de qualquer pesquisa eleitoral, antes de sair às ruas e residências elas são rigorosamente registradas na Justiça Eleitoral, e seus resultados ficam à disposição para confrontação de sua veracidade ou de algum deslize, erro ou má fé.

Resumindo o eleitor precisa se conscientizar que, se ele quiser uma boa administração em seu município ou se pretende vereador capaz e eficaz, o melhor a fazer é responder à pesquisa. E votar na sua convicção.

Por seu lado o candidato a prefeito e vereador, principalmente do interior do Estado, tem de admitir que o mais produtivo para sua campanha e possível eleição é se definir por um Instituto de Pesquisa. Ele precisa conhecer a variedade e oscilação de interesses dos eleitores, em suas várias classificações: nível de estudo, profissão, idade, sexo, zona residencial, e entre as aspirações quais as que mais desejam realizadas, em grau de importância.

Precisa definir-se pela pesquisa qualitativa, pois é através desta que o candidato terá montada sua estratégia para alcançar a satisfação do eleitor. Sem desprezar, evidentemente, a pesquisa quantitativa que lhe mostrará sua evolução eleitoral.

Os candidatos têm de receber as pesquisas para orientação de rumo do marketing eleitoral. As pesquisas são pistas seguras sobre o rumo que segue o eleitorado, em determinados momentos, locais etc.: quais seus interesses e tendências.

Se em alguns municípios as pesquisas nãosão feitas na frequência normal, todos acabam saindo com prejuízos, os partidos, os candidatos e principalmente o povo.

Não se admite o achômetro na descoberta dos sonhos do povo. Essa é uma área muito importante para a vida humana: a decisão eleitoral. Se os candidatos não aspiram às pesquisas como têm de ser, desconsideram àqueles que eles buscam para elegê-los.

Se o povo não acredita em pesquisas, por qualquer motivo, perde grande oportunidade de poder realizar suas aspirações. E caso seu candidato eleito não corresponda às suas expectativas. Temos que considerar que a vida é feita de acertos e erros, Nunca devemos desistir de nossos sonhos. Muito menos desacreditar da política. Afinal até na família existe política. Em todo lugar.

Um dos maus conselheiros na pesquisa é a falsa economia no custo. Contratar pesquisa de pequeno número de eleitores dá uma falsa resposta de resultado, principalmente se o município é de densidade eleitoral média para grande. Em tais casos a precisão da realidade distancia-se.

Assim, acredito que o povo nem o candidato quer chegar à triste e desastrosa conclusão das imprecisões exageradas como: “o que povo mais quer”; “tudo é possível”; “qualquer resultado”; “quem é o primeiro”, num desfocado salve-se quem puder.

Fora essas hipóteses, só a manipulação de resultados explicaria falhas tão gritantes. Mas esse não é o objetivo deste artigo. Para isso a Justiça Eleitoral que, entre suas atribuições, existe para punir os fatos criminais.

O que uma eleição quer apoiada em pesquisa, é se basear nas informações obtidas para planejar as futuras ações de melhoria de vida do povo, lançando-se novos programas e serviços que atendam as maiores aspirações populares. O candidato ouvindo o povo e informado cientificamente, ao ser eleito terá junto à população a abertura de novos horizontes. Para prefeito só um é eleito, quanto aos vereadores dependem do número de vagas em cada Câmara municipal. Quantos perderam mais de duas ou três eleições? Vários. Não desistiram e afinal elegeram-se. Aos atuais candidatos, futuros eleitos e eleitores sul-mato-grossenses, o meu bom dia, o meu bom dia pra vocês.

(*)Ruy Sant’Anna é advogado e jornalista.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions