A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

01/10/2012 09:12

Por conta do desmatamento,ventos já ressecam solo de MS

Por Laerte Tetila (*)

Sim, é verdadeiro que, nos espaços agrários de Mato Grosso do Sul, os ventos vêm retirando  umidade dos solos – e, cada vez mais, causando-lhes o ressecamento. Esse é um problema  ambiental que vem chamando a atenção dos agroclimatologistas no mundo todo. Em função dos ventos, os solos ressecam na medida de sua velocidade. E isso preocupa. Porque os ventos de superfície , os de baixa troposfera, por causa dos desmatamentos, vêm ganhando velocidade.

Áreas cada vez maiores, afetadas por esses desmatamentos, vêm sendo expostas a essa ação eólica. Em nosso Estado, áreas geográficas imensas, originalmente recobertas pelo cerrado e pela mata da região de Dourados, foram desmatadas muito além dos 80% previstos no Código Florestal Brasileiro, a fim de cederem espaços aos plantios e às pastagens.

Tivessem mantido as reservas legais de 20% em todas as propriedades, por certo teríamos, hoje, um verdadeiro mosaico de vegetação sobre a paisagem que, dentre tantos benefícios, serviria de anteparo, de barreira, algo importante para amortecer a velocidade dos ventos e, assim, melhorar a disponibilidade hídrica dos solos.

O desmatamento foi e continua sendo um fenômeno assustador. No município de Dourados, por exemplo, 98% do revestimento florestal já veio abaixo, sendo essa a tônica de toda a Grande Dourados e do Vale do Ivinhema, onde a Mata Atlântica de Dourados reinava imponente. E nem é preciso sobrevoar essas áreas, bem como as áreas do cerrado para perceber a amplitude do problema.

Ainda não cessou, nessas regiões, o desmatamento acelerado, apesar da proximidade de sua fase terminal. E não é ilusão de ótica. A escalada brutal do desmatamento está explicita na paisagem e todos nós estamos assistindo às últimas nesgas de mata e cerrado, com raríssimas exceções, sendo queimadas e destruídas. Dessa forma, o desmatamento generalizado resultou no que aí está – os chamados “descampados”.

Essas áreas, embora ocupadas por um autêntico celeiro agropastoril, expõem, a sumir de vista, a monotonia de uma paisagem totalmente desabrigada dos ventos de superfície. Ventos que, além dos descampados, contam, a seu favor, com outra grande aliada, qual seja, a topografia.

Assim, áreas descampadas, com topografia das mais suaves do mundo, compõem o binômio que só agrava o problema, pois, atuando livremente, esses ventos (de superfície) passaram a retirar o máximo que podem da umidade dos solos, como que cobrando a fatura de um desmatamento que foi muito além do que a natureza pode suportar. Com efeito, o incremento da velocidade dos ventos nessas antigas áreas sul-mato-grossenses de matas e cerrados nada mais é do que a manifestação de um sério desequilíbrio que, sem medidas restaurativas, só tende a ampliar os impactos negativos, como o das secas e dos veranicos.

Em vista da amplitude do desmatamento em que se encontram as regiões do cerrado e da Mata de Dourados e dos problemas ambientais que comprometem o futuro, o que se espera é o surgimento de iniciativas, medidas mitigatórias, que, paulatinamente, venham a amenizar o problema. A prática do plantio direto já é uma iniciativa importante.

A recomposição, com espécies nativas, dos 20% das reservas legais criaria os mosaicos de vegetação, mosaicos fundamentais como anteparo aos ventos. A implantação, também, dos “quebra-ventos”, formados por fileiras de árvores e arbustos, dispostos perpendicularmente aos ventos predominantes, igualmente seria uma medida importante. Uma medida que vem de tempos antigos, mas que pouca atenção vem recebendo, apesar das boas pesquisas da EMBRAPA sobre o assunto. Por reconhecerem a sua importância, países como os Estados Unidos, a Dinamarca e a Rússia chegaram a implantar quebra-ventos até em escala nacional. Por que nós não implantemos os nossos?

 (*) Laerte Tetila é mestre em geografia física pela USP e deputado estadual (PT/MS).

As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
Biologia do solo e a qualidade do sistema produtivo
Entender o sistema solo como um ambiente extremamente complexo, dinâmico e vivo, é algo que faz a diferença no manejo agrícola. O solo é basicamente ...
A virtude da temperança
Não haverá Paz duradoura enquanto prevalecerem privilégios injustificáveis, que desonram a condição humana, pela ausência de Solidariedade, que deve ...


Quem desmata esta esquecendo que vive neste planeta e tem filhos, netos e até bisnetos para usufluir dele, dinheiro não compra ar puro, não traz chuva na hora certa e em quantidade certa, cuidado com nosso planeta a natureza esta respondendo com este calor e com as chuvas que destroem. Não desmate nossas terras somente por dinheiro.
 
José Caetano em 01/10/2012 10:35:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions