A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

17/02/2019 07:09

Por que mulheres ainda precisam de idade diferenciada para se aposentar?

Por Diana Vaz Lima (*)

Após retornar às suas atividades depois de um período de convalescença, o presidente Jair Bolsonaro já teve de tomar uma decisão que vai afetar milhões de brasileiros. Definir a idade mínima de aposentadoria para homens e mulheres no projeto de reforma da previdência que será apreciado no Congresso Nacional brasileiro.

Pressionado pela sua equipe econômica e tendo de guardar coerência com o discurso político que sempre defendeu, o presidente optou por uma alternativa salomônica: a equipe econômica venceu apresentando um projeto mais duro do que o que estava tramitando no Congresso Nacional até o momento, mas o presidente manteve a idade mínima diferenciada em três para as mulheres (elas teriam direito a se aposentar aos 62 anos).

O mercado financeiro reagiu bem logo após o anúncio, mas certamente essa posição receberá muitas críticas. Afinal, por que as mulheres ainda precisam de uma idade mínima diferenciada para se aposentarem?

É difícil para uma mulher defender qualquer opinião sem ser chamada de feminista. Convenhamos, no quesito duração de vida, as mulheres nascem em qualquer parte do mundo com a perspectiva de viver, em média, 4,8 anos a mais do que os homens; e em 186 países de todos os continentes, de diferentes níveis de desenvolvimento e riqueza, pode-se observar que as mulheres vivem mais do que os homens.

Relatório elaborado pelo Department of Economic and Social Affairs da ONU mostra que a idade de aposentadoria para as trabalhadoras era menor de 61 anos em 167 países com dados disponíveis. Em face disso, entre 2006 e 2014, muitos países aumentaram a idade de aposentadoria para as mulheres a fim de prolongar a participação destas no mercado e fortalecer a sustentabilidade financeira dos seus sistemas previdenciários.

Diante desse cenário, precisamos recuperar alguns dados para defender porque a decisão do presidente é coerente. Em 2015, segundo dados do Anuário Estatístico da Previdência Social (AEPS) do Brasil, dos mais de 64 milhões de trabalhadores na faixa de 16 a 59 anos protegidos, as mulheres representavam apenas 44% dos trabalhadores com cobertura previdenciária.

Outro dado relevante é que, neste mesmo ano, entre as pessoas com 10 anos ou mais de idade, as mulheres representavam aproximadamente 65% da população não economicamente ativa; portanto, fora do sistema de proteção social.

Há que se atentar, também, que, em 2014, no Brasil, o valor médio dos benefícios ativos para o trabalhador homem foi 32% maior do que para a trabalhadora mulher, e, ainda, que há predominância dos benefícios de aposentadoria por idade para o sexo feminino (mais de 56% do total), concedido aos trabalhadores acima de 65 anos de idade, o que por si só já eleva a idade média de aposentadoria concedida para a trabalhadora brasileira.

Registre-se, ainda, que ao realizar, em 2009, uma série de estudos para analisar as diferenças salariais em vários países da América Latina, estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) constatou que mulheres e minorias étnicas ainda estão em clara desvantagem, levantando a discussão sobre se é socialmente justo equiparar a idade mínima e o tempo de contribuição entre homens e mulheres.

Dados apresentados no relatório The Global Gender Gap Index 2015, elaborado pelo World Economic Forum, que analisa diversos aspectos relacionados à equidade de gênero, fornece ranking que permite a comparação entre diferentes países e dentro do próprio país. Nesse ranking, entre 145 países, o Brasil é o 85º colocado, com 0,686 ponto, onde 1 significa igualdade entre sexos e 0, desigualdade.

No assunto igualdade salarial por um mesmo serviço, o Brasil fica em 133º, atrás de todos os países da América do Sul analisados no relatório do Fórum. Quando a atenção é voltada para o cenário mundial, nenhum dos países atingiu a pontuação máxima (1) nos quesitos participação econômica e oportunidade ou empoderamento político, ou seja, nenhum país atingiu a igualdade entre homens e mulheres nessas áreas.

Além disso, no cenário mundial, a cobertura para aposentadorias foi menos extensiva para as mulheres, fato que, de acordo com a International Labour Organization, se deve à baixa inserção das mesmas no mercado de trabalho formal e, consequentemente, significativa participação no setor informal.

Como se pode observar, o Estado brasileiro ainda tem um longo caminho para avançar em termos de cobertura previdenciária para as mulheres. As novas regras da previdência não podem ignorar esse fato.

(*) Diana Vaz Lima é professora de contabilidade pública e de contabilidade do setor previdenciário do Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais (CCA/UnB) e pesquisadora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/UnB) da Universidade de Brasília.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions