A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Outubro de 2017

24/11/2016 16:00

Reforma política ampla ou nova frustração nas urnas?

Por Marcones Santos (*)

Há tempos vem ganhando corpo a mensagem de que o sistema político brasileiro precisa de reforma, ampla e estrutural. Não apenas de natureza formal e ritual, mas uma profunda reforma que aproxime o cidadão de seus representantes ou que proporcione a inserção deste na carreira política, hoje tão marginalizada.

Na cidade de São Paulo, viu-se a mensagem clara do brasileiro, diante das ausências que alcançaram 21,84% do eleitorado daquela Capital, dos 5,29% de votos em branco e dos 11,35% de eleitores que anularam o voto. No Rio de Janeiro, no segundo turno, o número de ausentes às urnas foi de 26,85% e 4,18% votaram em branco, além dos 15,90% que anularam o voto. Em Belo Horizonte as ausências alcançaram o percentual de 22,77% e os brancos 4,85% com 15,52% do eleitorado tendo optado por anular o voto.

Existe um nítido hiato entre o administrado e seus representantes, um distanciamento que se alarga em progressão geométrica, mesmo em tempos de maior acesso à informação através dos canais de comunicação de cada um dos Poderes, que proporcionam o acompanhamento pontual da atividade parlamentar, por exemplo. Citamos o processo de impeachment, que foi acompanhado de perto e teve a mais alta audiência entre os canais do Legislativo no período.

Certo é que o modelo representativo atual demonstra sinais de últimos suspiros, de clemência por reforma, que um novo modelo que aproxime o cidadão de seu representante e da política, através de mudanças de retomem a baliza democrática hoje tão combalida.

Um dos pontos primordiais é a adoção do voto distrital misto, com a eleição nominal de representantes por distrito e por circunscrição. Isto através de reserva de parte das vagas para distribuição por cada fração regional dos Estados e Municípios e outra parcela mantida para o modelo atual de abrangência em todo o território estadual e municipal.

Através dos representantes eleitos para as vagas distritais traríamos a pauta local e pontual para o debate, ligando mais diretamente a necessidade do jurisdicionado ao seu representante. As vagas de ampla representatividade territorial manteriam o debate sobre as questões de interesse macro dos Estados e Municípios, em cada caso.

A opção por votação nominal é a mais apropriada, justa e democrática, em detrimento dos votos em lista, que conduziriam ao risco de dominação ou mais precisamente apropriação das cadeiras do parlamento pelos “proprietários” das siglas partidárias.

Outra questão insustentável é a política partidária atual, com 35 partidos viventes e outros 29 em processo de criação. Creio, assim como todos, que não tenhamos 35 perfis ideológicos diferentes, muito menos 64!

Inegavelmente a grande maioria das agremiações partidárias não passa de fatiamento de nichos de poder político, de ferramentas eleitoreiras, de armas de guerra, mas nunca instituições político-partidárias com estrutura e pensamento singular, seja político, ideológico ou econômico.

O fator-maior da crise política do Brasil está assentado na multiplicidade partidária, uma vastidão de partidos sem identidades, dominados por poucos, construídos como fração de poder, visando influir no processo eletivo e na governabilidade, que gera uma constante rotatividade mesmo depois de fixada a posição acerca da fidelidade partidária.

Um dos fatores de solução urgente, a ser objeto de uma reforma, seria a fixação de cláusula de barreira, de desempenho, limitando a existência de partidos a um número mínimo de votos no processo eleitoral, com vedação à reeleição imediata da direção partidária, para com isso dar rotatividade no comando da agremiação e extinguir a figura do “dono do partido”.

Enrijecida a política de criação e manutenção de partidos políticos, em poucos anos teríamos um número adequado de siglas e, assim, teríamos uma formação e organização do parlamento conforme a posição ideológica dos candidatos, eleitos com maior identidade com os representados que o elegeriam. Hoje, o eleitorado não consegue acompanhar a carreira partidária de seus candidatos e muitas vezes sequer recordam em quem votaram em poucos meses após as eleições.

O fim das coligações já deveria ter ocorrido, também para findar com as manobras e barganhas de pequenas legendas de aluguel, utilizadas como instrumento momentâneo para candidaturas pontuais.

O fim da reeleição para o executivo é tema quase pacífico na contemporaneidade. Com este mesmo espírito, entendo que também devemos ter uma limitação do quantitativo de mandatos para o parlamento, para um máximo de três mandatos para Senadores, Deputados Federais e Estaduais e igualmente para Vereadores.

O objetivo é proporcionar a rotatividade no Legislativo e envolver o maior número de cidadãos na formação legislativa do Estado, dissolvendo esta nova fórmula de capitanias hereditárias que atualmente assistimos a cada eleição.

Ainda, seria fundamental a exigência de renúncia do mandato pelos parlamentares convidados a assumir cargos no Poder Executivo, evitando-se a barganha de cargos e o jogo de cadeiras em muitas votações mais polêmicas, criando um entrelaçamento e a quebra da autonomia entre os Poderes, além da elevação de um número considerável de suplentes na ocupação as cadeiras de titulares do Legislativo, desfigurando a decisão popular através do voto.

A extinção da figura do suplente de senador, nos moldes atuais, inegavelmente seria uma decisão circunspecta, pondo fim à tomada de cadeiras no senado por pessoas que alcançaram a ‘câmara alta’ sem a chancela cidadã, já que muitas vezes são indicações de familiares, doadores e outros interessados escolhidos pelo candidato/senador.

Observamos que a cada pico de crise política sempre volta à pauta a opção pelo parlamentarismo, como ocorrido no último processo de impeachment. No entanto, com esse cenário político-partidário gestando batches de partidos a cada ano é impossível se ter um sistema assentado no Legislativo, teríamos uma “Torre de Babel”, dada a imaturidade partidária e a falta de identidade ideológica, econômica e política. Resta-nos aguardar a sensatez voluntária ou acossada de nossos representantes na efetivação de uma reforma solida e profunda no derruído modelo atual.

Por fim, temos que aprender com cada eleição, e com esta última aprendemos que o eleitor/cidadão está desinteressado e sem identidade com a classe política, com ar de abandono, estado incompatível com o espírito da democracia, o que exige uma reforma rápida e profunda no sistema político, partidário e eleitoral brasileiro, do contrário nas próximas eleições gerais a frustração será abissal.

(*) Marcones Santos é advogado de Direito Eleitoral.

Um bom texto vai muito além do simples ato de escrever frases
Todos os dias entramos em contato com diferentes textos. Jornais, revistas, poesia, bulas de remédios e propagandas fazem parte da rotina. Nossa escr...
O desafio de ensinar matemática
No mundo atual, com tanta tecnologia e diversão, como fazer um pré-adolescente, de 12 ou 13 anos de idade, acostumado com computadores, celulares e v...
O futuro do 42º porto do mundo
Embora seja o maior da América Latina e o 42º no ranking mundial divulgado há poucos dias pelo Lloyd´s List Maritime Intelligence, de Londres, o port...
O direito a desconexão do trabalho
Trabalho é meio de vida e não meio de morte. Essa afirmação confronta a realidade de milhões de profissionais brasileiros que são obrigados a enfrent...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions