A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

27/05/2013 15:01

Saúde pública e a valorização da classe médica

Por Ruy Sant’Anna (*)

O ministro Alexandre Padilha no Recife (dia 24/05) disse que “importar” médicos não é tabu em lugar nenhum do mundo e que por isso enfrentará o debate com a categoria dos médicos no país para “quebrar o tabu” em relação à contratação de médicos.

Essa fala do ministro é um exibicionismo e intimidação descabida. Ele sabe que os médicos e o CFM não têm qualquer tabu quanto à falta de médicos no interior brasileiro.

O que existe e tem de ficar bem claro é que no ano passado (2012), 182 profissionais que estudaram em faculdades cubanas se inscreveram para revalidar seus diplomas no Brasil, e apenas 20 foram aprovados. Em 2011, dos 140 inscritos, 15 passaram. O total de médicos com diplomas estrangeiros inscritos para a revalidação em 2012 foi de 884, dos quais 77 foram autorizados a atuar no País. Por isso querem facilitar os exames e estágios aos médicos “importados”. Querem evitar reprovações. E daí, o povo?

Essa é uma das verdades que o governo de Dilma tenta esconder, porque primeiro ele assume compromissos e depois sentindo o tamanho do erro, sai correndo com remendos para tapar buracos. Essa forma de administrar é carimbo da atual administração.

Exemplo bem recente, na MP dos Portos: a presidente e seus palacianos criou uma “solução em 48 horas”. O governo criou o Porto 24 horas para tentar desafogar os portos. A imprensa pressionava o governo com os engarrafamentos de caminhões que não conseguiam descarregar as produções da lavoura nos portos brasileiros. Daí surgiu o Porto 24 horas, no sufoco.

Os governistas esqueceram que os servidores da Receita e da ANVISA, nos Portos, não trabalham de madrugada. O governo não contratou gente para a Receita e a ANVISA.

Resultado desse remendo: “o operador de terminal fica esperando a burocracia acordar", disse Paulo Fleury, diretor do Instituto ILOS quedesenvolve e produz cursos, fóruns, notícias, artigos, indicadores e projetos de consultoria em logística, no Brasil e no exterior.

Como na questão da falta de médicos no interior brasileiro, o governo quer nos fazer crer que ao “importar” médicos os problemas da saúde pública estarão resolvidos. O governo exagerou ao transformar a MP dos Portos na salvação do setor, diz o engenheiro Paulo Resende, professor de logística da Fundação Dom Cabral. A Fundação Dom Cabral é um centro de desenvolvimento de executivos, empresários e gestores público criado há 36 anos. E esta MP, a dos Portos, ainda merece cuidados.

A Lei Orgânica de Saúde, desde 1990 quando regulamentou o SUS possibilitou que os Estados e Municípios pudessem constituir Consórcios Intermunicipais de Saúde.

A finalidade deles (Consórcios) é para através do governo estadual ser reunidos os interesses dos municípios, levantando-lhes as necessidades e disponibilidades, para num esforço de união ser criados tantos Consórcios Intermunicipais de Saúde necessários ou possíveis.

O estado teria ou tem a ação coordenadora e de disponibilidade de recursos, e com o auxílio aglutinador pode encaminhar reivindicações maiores ao governo federal.

Prefeitos de cidades próximas se reúnem para decidir sobre a criação de algum Consórcio. Escolhido o município sede da parceria, define-se também o valor da contribuição de cada cidade. Como nos municípios do Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Pernambuco, por exemplo, estabelece-se um índice de 1% a 3% do Fundo de Participação dos Municípios, como contribuição.

O Estatuto é registrado em Cartório, como sem fins lucrativos e tem de contar com a aprovação da Câmara Municipal. Pois bem, o governador André Puccinelli já estimulou e auxiliou na criação e instalação de, que eu sei, pelo menos um Consórcio Intermunicipal de Saúde, aqui em Mato Grosso do Sul.

Esse é um Projeto que precisa do apoio e presença do governo federal. Mato Grosso do Sul não conseguiu expandir esse sistema de saúde pública. Parece que um dos fortes entraves foi o gosto ruim de desarranjo político e principalmente a falta de verba.

O tema é vasto, mas vi como todos os sul-mato-grossenses com grande satisfação a mobilização da classe médica que em passeata disse um solene não, a qualquer facilidade aos exames e estágios aos médicos “importados”. Acreditando nessa união de forças da sociedade estadual, da classe médica e governamentais dos municípios e estado, que lhes dou bom dia, o meu bom dia pra vocês.

(*) Ruy Sant’Anna é jornalista e advogado.

As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
Biologia do solo e a qualidade do sistema produtivo
Entender o sistema solo como um ambiente extremamente complexo, dinâmico e vivo, é algo que faz a diferença no manejo agrícola. O solo é basicamente ...
A virtude da temperança
Não haverá Paz duradoura enquanto prevalecerem privilégios injustificáveis, que desonram a condição humana, pela ausência de Solidariedade, que deve ...


Na verdade, os médicos estão tentando se aproveitar desta oportunidade de utilização de mão de obra discutível (profissionais estrangeiros) para alardear que é necessário estruturar uma "carreira de estado" de médico, a fim de proporcinar médicos em locais sem boa infra-estrutura. Sabem citar a carreira de juízes e promotores como bons exemplos de carreiras bem estruturadas, bem remuneradas. Pura enganação, eles somente enxergam o que querem. Os promotores e juízes, são agentes políticos, exercem a profissão 24 h por dia, não ganham por plantão e ficam no local de trabalho, muito mais que 8 horas dia. Quero ver um médico ser médico, com um salário apenas, 24h por dia e sem ganhar plantão e receber apenas 1 remuneração como juízes e promotores. Parem de achar que os outros são otários.
 
sergio oliveira souza em 27/05/2013 15:44:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions