A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

30/04/2016 09:45

Segredo, democracia e mordaça

Tiago Duque

A internet tem sido um mecanismo importante nas sociedades democráticas. Através das redes sociais temos acesso a imagens e decisões políticas que nos deixam bem informados/as e conscientes em relação, por exemplo, à forma como atuam os/as políticos/as no país e em nossa cidade.

Um exemplo disso tem sido o vídeo divulgado sobre a vergonhosa aprovação pela Câmara dos Vereadores/as, em caráter de urgência, do projeto já conhecido como lei da mordaça (Lei 8242/16). A despeito de uma vereadora e um vereador terem alertado para o retrocesso democrático que a lei representa, as justificativas e argumentações a favor da propositura garantiram o convencimento dos/as demais para aprovarem tal lei.

Assistindo ao vídeo de aproximadamente 30 minutos e com mais de 1.600 acessos até a finalização deste texto, é possível fazer vários questionamentos a partir dos equívocos pronunciados pelos políticos que defenderam amordaçar os/as professores/as na sessão do dia 31 de março.

O primeiro diz respeito a uma ideia limitada e ingênua de “proteção da família brasileira” contra alguns materiais do Governo Federal. No debate, parece haver uma compreensão de que esses materiais pregam que todo mundo tem que virar gay e virar lésbicas. Por que os vereadores fazem afirmações genéricas e sem fundamento quando se propõem a defender as suas ideias?

Também não é verdade que as questões de afeto sejam algo restrito ao universo da intimidade ou da família, o que livraria a escola de discutir a sexualidade para além da reprodução biológica, como se afirma nas falas. Prova disso é a Lei Maria da Penha e toda a legislação que protege crianças e adolescentes dos abusos sexuais, construídas a partir do conhecimento científico de várias áreas. Por que os vereadores se sentem capacitados em falar sobre escola e afetividade sem ouvir os/as especialistas?

Outro equívoco é achar que a lei da mordaça irá disciplinar os/as professores/as e os/as alunos/as na escola. Primeiro, porque os/as professores/as e os/as alunos/as não estão fazendo o que querem na escola. Segundo, porque, caso isso aconteça, já existe legislação que disciplina essas ocorrências. Por que os vereadores acham que têm a solução para os problemas da escola sem serem professores/as?

Em outra fala, um deles disse que o lugar de discutir política não é na escola, é na Câmara. Imaginemo-nos que ele esteja certo, que realmente exista uma maior legitimidade pra discutir política na Câmara do que na escola, por que eles não chamaram a população para discutir o projeto em questão?

Outro equívoco é a crítica à criação de um monte de faculdades que formam profissionais da educação desqualificados. Pensemos com consciência: será que os partidos desses vereadores são realmente críticos à expansão do ensino superior privado? Qual o histórico dos seus partidos diante da educação superior pública de qualidade em contraposição à educação como mercadoria?

O mesmo que diz que a escola não deve educar, que quem educa é a família, que o papel da escola é formar o intelecto, que quem educa é ele (enquanto pai), reclama, incoerentemente, que a escola não ensina mais a levantar quando o/a professor/a entra, e nem a ficar em pé quando canta o Hino Nacional. Por que os vereadores acham que são mais inteligentes as crianças que levantam para receber o/a professor/a e cantar o Hino Nacional?

Outro equívoco é pensar que a escola cerceia a família a discutir, por exemplo, questões religiosas com seus/as filhos/as quando cumpre a legislação nacional ensinando sobre esse tema (em disciplinas como história, sociologia, geografia e língua portuguesa). Por que os mesmos vereadores que não querem que a escola discuta religião não defendem que se retirem os símbolos religiosos da escola ou que não se reze o Pai-Nosso no ambiente escolar?
Outro erro é achar que a frágil formação dos/as médicos/as, para discutir sexualidade com seus pacientes, possa servir como referência generalizante para todos os/as demais profissionais, inclusive professores/as. É o que faz outro defensor da lei. Esse, por usa vez, acredita que a família esteja mais preparada pra discutir esse tema, que ela erraria menos do que a escola. Por que alguns vereadores pensam que a família tem formação técnico-pedagógica para discutir sexualidade e outros temas polêmicos com os mais jovens?

O equívoco mais grave vem no final da defesa. Um dos políticos interpreta que os/as vereadores/as da Câmara Municipal representam os 90% da população brasileira que são contra a noção de “identidade de gênero”. É sempre bom lembrar que os vereadores não representam a população brasileira, mas apenas aqueles/as da cidade de Campo Grande. Além disso, as pesquisas científicas mostram outros dados que não esse apontado pelo político. E, por último, democracia não é a ditadura da maioria, é a garantia da participação política e dos direitos do povo, e o povo não é formado só por 90% da população. Por que os vereadores têm dificuldade em entender o conceito de democracia?

Por fim, o alarmante é ouvir no vídeo os defensores da lei da mordaça afirmarem que o que querem não é nada conservador. Não é nada autoritário. E, mais, que na sala de aula é para formarmos homens e mulheres para não ficarmos atrasados para o mundo moderno. Então, no final dessa reflexão, pergunto: seríamos nós os incoerentes, antidemocráticos, desinformados, anticientíficos e ultraconservadores? Seríamos nós os 10% da população que não tem representação na Câmara dos vereadores de Campo Grande, e, por isso, devemos aceitar a ditadura de uma suposta maioria? Estamos fadados/as à vergonha nacional por estarmos prestes a deixar-nos amordaçar? Penso que não. Temos que seguir afirmando o que já está cientificamente comprovado: educar é um ato político e os políticos, em sua maioria, não representam os 90% da população, nem os 10%. Os políticos precisam ser renovados em sua maioria. É, inclusive, pra isso que existe democracia. Essa é a principal lição que querem proibir na escola, e punir os/as professores/as que contem esse “segredo” para nossas crianças e adolescentes. Não à mordaça!

*Tiago Duque é doutor em Ciências Sociais, professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Coordenador do Impróprias – grupo de pesquisa em gênero, sexualidade e diferenças (UFMS/CNPq).

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions