A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

22/12/2016 09:58

Segurança de trânsito, férias e repetição

Por Paulo Linck (*)

Chega o fim do ano, vem o período de Festas e, para muitos, as viagens de férias e de visitas a amigos e parentes. Muitas dessas viagens vão acontecer por rodovias. E voltaremos a nos deparar com as mesmas mensagens de segurança de trânsito.

É cansativa essa repetição. Mas ela é fundamental. Porque estamos tratando de convencer as pessoas a respeitarem o bom senso e as leis de trânsito. Por incrível que pareça, a maioria não respeita.

Muitas vidas poderiam ser salvas se as regras básicas de segurança fossem respeitadas. Mas nem todos levarão a sério as recomendações. E até final de janeiro milhares de acidentes evitáveis poderão acontecer em todo o Brasil. E centenas de pessoas morrerão.

Repetir as mensagens educativas de trânsito é importante, sim. Mas só isso não resolve o problema. Precisamos encontrar caminhos alternativos para conscientizar motoristas e passageiros. Prevenção é o melhor caminho.

Não basta saber que o uso do cinto de segurança salva vidas. É preciso levar isso a sério. Porque há casos em que o pai motorista usa o cinto, mas cede ao filho manhoso que não quer usar o cinto. Ou a mãe que coloca a criança no banco da frente porque só vai ali, no supermercado.

Todos sabem que o excesso de velocidade mata. Mas muitos trafegam muito acima do limite permitido em uma rua, avenida ou estrada porque a pista está livre ou para fazer uma ultrapassagem arriscada.

O motociclista pode ser bem comportado, afivela o capacete adequadamente, mas desrespeita o sinal vermelho do semáforo porque o sol está forte ou porque está com pressa naquele momento.

Os acidentes se chamam assim porque se referem ao inesperado, ao casual, ao fortuito. Não sabemos quando vão acontecer, mas sabemos como podem acontecer. E costumam acontecer quando menos se espera.

Por isso, não há desculpa. Como dizia a vovó, prevenir acidentes é dever de todos. E o melhor caminho é seguir algumas regrinhas básicas.

Antes de viajar, revise seu veículo. Palhetas do limpador de para-brisa e os pneus precisam estar em excelentes condições (incluindo a calibragem dos pneus e a água para o limpador).

A parte elétrica do veículo é essencial par a segurança da sua viagem. Por isso, lanternas frontais e traseiras, faróis e pisca-piscas precisam estar funcionando corretamente.

Os níveis de óleo de freio, do motor e do combustível devem atender às especificações do veículo e da viagem. Pane seca (falta de combustível) não é apenas um transtorno. Pode provocar acidentes porque o veículo pode parar em qualquer lugar.

Os cintos de segurança devem estar em perfeito funcionamento e utilizados de forma correta, pois conforme estudo da ABRAMET o cinto pode reduzir em 45% o risco de morte no banco traseiro e 75% no banco dianteiro. Não se esqueça da cadeirinha ou do assento de elevação para crianças, dependendo da idade. Seja firme com os passageiros. Todos devem usar cinto, sempre. Se estiverem em ônibus também.

E aqui vamos às repetições de todo ano:

· se beber, não dirija;

· respeite os limites de velocidade;

· mantenha distância segura do veículo que segue à frente;

· todos no veículo precisam usar cinto de segurança (inclusive em ônibus rodoviários), crianças só podem viajar no banco traseiro;

· só ultrapasse pela esquerda e em locais permitidos por Lei, sempre usando o bom senso (em caso de dúvida, não ultrapasse);

· não ultrapasse pelo acostamento;

· use farol baixo aceso mesmo durante o dia;

· sob chuva ou neblina, reduza a velocidade;

· não use o celular ao dirigir;

· verifique o nível do combustível e abasteça antes de viajar e

· não jogue resíduos na rodovia.

(*) Paulo Roberto Linck é tecnólogo em logística empresarial e graduando em transportes terrestres.

A pior reforma
A comissão da Câmara dos Deputados que reforma a lei que rege os planos de saúde vota nesta quarta-feira (29), sob infundado regime de urgência, o su...
A resistência negra brasileira também é mulher negra camponesa
Ao pensarmos na constituição da classe trabalhadora brasileira devemos considerar a combinação da relação entre patriarcado e racismo no capitalismo,...
Agrotóxicos como arma química: a permanente guerra agrária no Brasil
Os conflitos no campo brasileiro se assemelham à guerra. Guerra agrária que sempre foi latente e cuja base é calcada na formação socioeconômica depen...
O embate entre o conhecimento e a ignorância
O matemático e filósofo britânico Bertand Russell, um dos mais influentes pensadores do século XX, dizia que o maior problema do mundo moderno é que ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions