A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 19 de Junho de 2018

01/12/2016 09:43

Tendências e atitudes

Por Walter Roque Gonçalves (*)

Professores e economistas como Simão Davi Silber, Ricardo Amorim, Zeina Latif, entre outros sinalizam melhoras na economia para os próximos anos. Enquanto a expectativa for negativa, aqueles que têm dinheiro guardado ou crédito para tanto, evitam tirar da gaveta projetos que gerariam empregos e renda por receio de iminentes prejuízos. Quando a expectativa é positiva, investidoras empreendem com mais certezas irrigando a economia com recursos.

Especialistas apontam que o impeachment e a tendência de aprovação da Proposta de Ementa Constitucional (PEC) 241/55 aumentaram as expectativas de que venham acontecer outras reformas como da previdência e a trabalhista. Apesar das medidas serem polêmicas e gerarem consequência para a população, o nível de confiança no país subiu!

Conforme dados históricos, as recessões e recuperações econômicas revezam-se religiosamente. E, apontam, em média, para 5% de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) após os ciclos de crises econômicas. Observa-se ainda que, há poucos meses, as previsões de crescimento do PIB em 2017 eram nulas. Hoje, estas mesmas previsões estão em 1,3 % positivos para o próximo ano.

Segundo os especialistas, soma-se a este fato, a possível queda do dólar e da inflação. O mês de setembro último é um exemplo disso, uma vez que, registrou a menor inflação em 18 anos.
Ricardo Amorim, em uma de suas entrevistas, diz que as expectativas estão tão baixas no momento que, mesmo se o crescimento for abaixo da média histórica, quem sair na frente poderá se surpreender.

Esta tendência de crescimento, em 2017, pode levar ao desejado desengavetamento de projetos possibilitando a tão esperada retomada da economia.

Quanto a PEC 241/55, Ricardo Amorim afirma em uma de suas entrevistas que: “discute-se muito sobre as consequências de implementá-la, mas, pouco se fala sobre as consequências de NÃO implementar tais medidas”. Afinal, a PEC aumentará a confiança no país e a falta desta torna a economia instável o que agravará ainda mais a situação. Sem a PEC 241/55 faltarão novos negócios e haverá ainda mais riscos de desemprego, inflação e colapso da dívida, serviços e financiamento público.

Remédio amargo para a população! Contudo, ainda falta ver nos políticos atitudes para se tornarem exemplos daquilo que esperam daqueles que representam. Se há sacrifícios a serem feitos, que a classe política seja a primeira a entregá-los; que combatam rigorosamente a corrupção e reduzam seus altos salários e regalias. Afinal, passar a conta mais uma vez para população é “fácil”. Assim sendo, precisamos de líderes capazes de oferecer atitudes que, pelo menos, sirvam de exemplo para o sacrifício coletivo exigido.

(*) Walter Roque Gonçalves é consultor de empresas, professor executivo/colunista da FGV/ABS (FGV/América Business School) de Presidente Prudente

Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...
O impacto da arte
Campo Grande foi agraciada neste fim de semana com um espetáculo de dança-teatro que, certamente, é digno de ser apresentado nas maiores cidades do m...
Promessas inviáveis
Nos próximos seis meses, assistiremos a três eventos: bons jogos de futebol, repetitivas eleições e promessas inviáveis. Os primeiros, em função da C...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions