A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

19/09/2014 13:45

Tiraram a azeitona da empada

Por Reginaldo Gonçalves*

O baixo crescimento demonstra a fragilidade em que se encontra a economia e expõe as dificuldades enfrentadas pela indústria. O superávit da balança comercial cada vez menor, com possibilidade de entrar no vermelho, prejudica o serviço da dívida externa e os juros muito altos, além de ser remédio já ineficaz contra a inflação, onera o pagamento da dívida interna. O Banco Central fica entre a cruz e a caldeira, numa inglória tentativa de conciliar juros, combate à inflação, crescimento do PIB, câmbio, a geração de superávit primário e a adimplência da União.

Essa situação repete-se durante todo o ano e, infelizmente, algumas ações são urgentes, porém improváveis diante da proximidade das eleições. Os preços administrados, como energia, combustíveis e transportes, já estão no limite, mas o governo insiste em mantê-los represados. Se houver aumento do consumo, certamente a pressão sobre os preços prejudicará o sistema de controle, confirmando o que muitos indicadores já apontam: o estouro da meta inflacionária, fixada em 6,5%.

O excesso de gastos públicos é uma evidência, além do uso político de empresas como a Petrobras. A estatal, que agora se vê envolvida em mais um triste episódio, vem reduzindo de maneira significativa o pagamento dos dividendos aos acionistas em virtude de manobras internas estabelecidas pelo Conselho de Administração.

O País está assistindo a sucessivos escândalos que envolvem a área econômica e delapidação do patrimônio público. Somente o caso da refinaria de Pasadena está gerando prejuízo em torno de US$ 792 milhões. Diante das novas denúncias dos últimos dias, estamos mais uma vez sob a mira de olhos inquisidores. É o que teremos, mais uma vez, de enfrentar: a desconfiança internacional.

Em 2013, ingressaram no Brasil US$ 64 bilhões em investimentos estrangeiros diretos (IED), colocando o país na 5ª posição do ranking divulgado em junho pela Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet), com base nos dados da United Nations Conference on Trade and Development (Unctad). Parece um valor bastante considerável. E é. Preocupante não é o montante em si, mas o movimento de queda de interesse do investidor estrangeiro em relação ao País.

O Brasil perdeu a quarta posição de 2012, viu o valor dos recursos caírem pela primeira vez desde 2009 e foi ultrapassado a toda velocidade pela Rússia, que figurava no oitavo lugar da edição anterior do ranking. O País perdeu sua importância no cenário internacional? Seguramente, não. Tanto que, segundo aponta a própria Unctad, é o 5º principal destino nas intenções de investimentos nos próximos dois anos para 164 companhias globais. Porém, a pouca transparência e as manobras contábeis para manter indicadores positivos, sem falar na ausência de reformas e incentivos à produtividade e inovação, tiram o fôlego de qualquer disputa por recursos.

Em tempos de cenário econômico mundial instável, o dinheiro busca segurança. Agora, como vamos recuperar a azeitona da empada?

(*) Reginaldo Gonçalves é coordenador do curso de graduação em Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina – FASM.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions