A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Janeiro de 2018

29/03/2012 06:37

Tratado de bem viver III

Marta Ferreira

Dando sequência a este tema, apresento a seguir uma lista de gestos cotidianos, aparentemente involuntários, que permitem a interpretação de nossas intenções exprimidas em linguagem não-verbal.

O que significam nossos gestos?

• Acariciar o queixo: reflexão antes de uma decisão.

• Cruzar os braços: atitude defensiva.

• Inclinar a cabeça para a frente: interesse pelo que se ouve.

• Entrelaçar os dedos: autoridade, espera por reações.

• Esfregar o olho: dúvida, incredulidade.

• Mexer no cabelo: insegurança ou desejo de seduzir.

• Comprimir os lábios: desconfiança ou desagrado.

• Levar a mão à bochecha: avaliação, reflexão.

• Levar as mãos aos quadris: disposição para fazer ou dizer algo importante, tomar coragem.

• Esfregar as mãos: antecipar algo que está por acontecer.

• Tamborilar os dedos das mãos ou os pés: impaciência, pressa.

• Olhar para o chão: não acreditar totalmente no que está ouvindo.

• Abrir as mãos com as palmas voltadas para cima: sinceridade, inocência.

• Cruzar as pernas, deixando um dos pés em movimento: chateação ou

impaciência.

• Sentar-se na beira da cadeira: vontade de ir embora.

• Sentar-se com as pernas abertas: atitude relaxada.

• Unir os calcanhares: medo, apreensão.

E agora, uma dica para um passeio filosófico: Os grandes pensamentos podem ser concebidos durante uma caminhada:

1. Abra espaço na sua agenda para um encontro consigo mesmo, marcando dia e hora, a fim de que nenhuma obrigação ou compromisso possa interferir nesse propósito.

2. Escolha um lugar inspirador para você, seja por trazer lembranças

especiais ou por produzir a sensação de bem-estar.

3. Escolha o dia e o horário menos frequentados, para evitar distrações durante o passeio.

4. Anote em um caderno as questões que o preocupam, para refletir sobre elas em seu encontro pessoal. Tome nota também das conclusões mais importantes a que chegar.

5. Não determine um horário para o fim do passeio: nunca se sabe aonde a filosofia pode nos levar. Simplesmente retorne quando sentir que o encontro chegou ao fim.

6. Os melhores lugares para um passeio filosófico são aqueles próximos à natureza, museus e mesmo uma parte da cidade que você ainda não conheça.

7. Use roupas confortáveis. A filosofia não exige formalidade, mas faz mover as pernas e as ideias.

(*)Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Do café à soja, uma Nação-moleque?
Em geral não é verdade histórica que os gastos do governo travam a economia no Brasil. Uma série histórica longa, com dados cruzados do desenvolvimen...
Surpresas
Estas primeiras semanas do ano são de sustos. Os primeiros chegam via correio, os carnês, os impostos, as cobranças; mas há os que chegam pela intern...
A hiena Hardy, a Síndrome do Avestruz e o Inovar-Auto
Quem não se lembra da hiena Hardy, o personagem dos quadrinhos Hanna-Barbera que só reclamava da vida, que jamais sorria...? ”Oh céu, oh vida...!”. E...
Missão de mãe
Sem nossas mulheres não seríamos o que somos. A influência da mulher em nossas vidas é fundamental para que possamos realizar o melhor possível. Fala...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions