A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

06/11/2011 08:05

Turismo interno: Hora da grande largada

Por Julio Serson*

O setor de turismo no Brasil deixa para trás o amadorismo e a improvisação. Vem se profissionalizando, graças à visão empreendedora de grupos empresariais que enxergam oportunidades e buscam transformá-las em resultados, com geração de renda, empregos, tributos, movimentando a economia e contribuindo para o progresso.

A diversidade da natureza e da cultura neste vasto território motivou um impulso preferencial ao turismo de lazer. Mas há outra vertente que se consolida aos poucos. Trata-se do turismo de eventos, com suas feiras, exposições, convenções, seminários, leilões, festivais, grandes espetáculos. O Brasil situa-se, hoje, entre os dez países que mais recebem encontros internacionais, e há um imenso potencial de crescimento.

São Paulo concentra metade do total de feiras de negócios de todo o País, girando R$ 13,6 bilhões por ano somente no aluguel de centros de eventos. Mas a maior cidade brasileira já bateu no seu limite, sufocada por gargalos, sendo o principal deles a falta de espaços. O Pavilhão do Anhembi não tem mais reservas até 2016. A propósito: hospedagem não é problema, porque mais de 400 hotéis oferecem cerca de 41 mil quartos, quantidade suficiente para a demanda.

É preciso inovação, criatividade, investimento público e privado, num processo de avaliação e decisão que não pode ficar, porém, balizado apenas pela Copa 2014 e pelas Olimpíadas 2016. São duas super-competições esportivas com forte atração de público, mas com período limitado.

Em Brasília, por exemplo, discute-se a implantação de um complexo hoteleiro-turístico num terreno de 80 mil metros quadros, hoje vago, junto ao Setor Hoteleiro Norte. Ele abrigaria hotéis, centro de convenção, parques, áreas de lazer e entretenimento, dentro de uma visão de longo prazo, de que a capital do País tem condições de se expandir como pólo econômico, de eventos no turismo de negócios, cultura etc

Este é um nicho para se aproveitar melhor. No Exterior, organizações e entidades empresariais, profissionais, acadêmicas, setoriais e religiosas certamente vão olhar com mais atenção para o nosso país, caso identifiquem por aqui a existência de condições apropriadas.

Apenas 23,3% dos turistas estrangeiros entram no Brasil a negócios ou eventos, enquanto 46,1% (praticamente o dobro) são atraídos por programações de lazer. Quem vem a negócios ou eventos gasta mais: US$ 119,38 ao dia, ante US$ 70,53 no turismo de lazer, conforme pesquisa feita pela Fipe-USP, sob encomenda do Ministério do Turismo e da Embratur, e divulgada no início de outubro. O número de estrangeiros que atribuíram ao turismo no Brasil o nível máximo de excelência cresceu de 26,6% em 2009 para 31,5% em 2010. E o índice dos que pretendem retornar ao País chegou a 96%.

Na avaliação por itens, os melhores foram hospitalidade (98%), gastronomia (96%) e hotéis (94%). Guias de turismo, táxis e diversão também obtiveram boas notas. As piores avaliações ficaram para preços (60%), rodovias (66%), telefonia e internet (73%) e sinalização (76%).

A balança comercial no setor permanece desequilibrada. Em 2010, o déficit foi de US$ 10 bilhões (US$ 6 bilhões de entradas, US$ 16 bilhões de saídas). Este ano, se for mantida a média registrada até agora, o saldo negativo deverá situar-se em torno de US$ 14 bilhões. Temos de agir, logo.

O turismo de negócios e eventos precisa ser estimulado, e esse impulso não pode prescindir de uma participação ativa, firme e direta da Embratur, não apenas em suas frentes de divulgação no Exterior, como ocorre desde 2003 após a criação do Ministério do Turismo, mas também no âmbito interno.

Com larga experiência acumulada ao longo de 45 anos, que completa agora em 18 de novembro, a Embratur deveria ser reincorporada ao planejamento, definição de diretrizes e de linhas de ação, além da execução de programas destinados a incrementar o turismo nacional, com especial destaque para a atração de visitantes estrangeiros, notadamente em programações de negócios e eventos.

A Empresa faz parte da história do turismo brasileiro. Não deve ficar à margem do processo de fomento do turismo interno. Resgatar seu papel e recolocá-la no centro das decisões certamente renderá frutos positivos para o país.

(*) Julio Serson é presidente do Grupo Serson, vice-presidente de Relações Institucionais do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB) e ex-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de São Paulo (ABIH-SP).

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions