A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

25/10/2011 07:05

Volante, álcool, crime e cidadania

Por Dirceu Cardoso Gonçalves

Os acidentes provocados por motorista bêbados vêm ocupando espaço cada dia maior na mídia e nas nossas ruas e estradas. Paradoxalmente, depois que a “lei seca” passou a perseguir aqueles que misturam álcool e volante, o número de ocorrências e mortes dessa natureza vem crescendo a olhos vistos. Fica claro que, mesmo levando para a cadeia os motoristas embriagados, o bafômetro, da forma que está em uso, ainda não é instrumento eficiente para coibir a atitude criminosa.

Motoristas de todas as classes sociais e profissões arriscam-se depois da balada ou do simples “happy-hour” quando, já que beberam, deveriam utilizar táxi, ônibus ou, pelo menos, um motorista que não tenha bebido. Fazem isso num flagrante desrespeito à vida – própria e de terceiros – e na crença de que não serão pegos pela lei ou, se o forem, não ficarão presos porque podem pagar a fiança. É um quadro desolador que tem de mudar. O trânsito torna-se, diariamente, mais perigoso porque as vias públicas não se ampliam na mesma proporção que o número de veículos. Isso exige mais concentração e perícia dos que dirigem, qualidades que o álcool inibe.

Há décadas, o automóvel é usado indevidamente. Mesmo o tendo como meio de transporte, muitos o utilizam esportivamente na realização de “rachas” e outras formas de exibicionismo que afrontam as leis e periclitam a vida. A legislação que regula o setor é permissiva e sua prática ineficiente. Tanto que só ultimamente, quando a situação se agravou, é que motoristas alcoolizados, drogados ou imperitos passaram a ser recolhidos à cadeia. A prática tradicional é que, depois de provocar a tragédia, ele volte para sua casa e seja processado, sendo muitas vezes absolvido ou condenado a prestar serviços comunitários ou pagar cestas básicas.

A gravidade dos acidentes provocados pela bebedeira, droga e imperícia é um fantasma cujo tamanho aumenta permanentemente. Precisam os legisladores, estudiosos e autoridades realizar um grande esforço para domar esse entre nefasto. Chegará um dia em que a população não conseguirá mais viver com a sua presença e, aí, o caos estará definitivamente instalado.

Os recursos de fiscalização, hoje aplicados a infrações simples, deveriam ser carreados para coibir o grande fantasma do motorista desconforme. Crime cometido ao volante tem de receber punição severa e ser de difícil fiança. Temos de chegar a um dia em que o próprio motorista seja o seu fiscal e evite cometer infrações e crimes de trânsito na certeza de que, se o fizer, será punido.

Paralelamente ao endurecimento no trato ao condutor mal educado de hoje, há que se promover um amplo trabalho de educação de trânsito e cidadania junto às crianças e jovens. Com isso, no futuro, quando estiverem dirigindo, eles poderão ter vergonha de o fazer depois de ter ingerido alcoólicos, de cometer pequenas infrações de trânsito ou até mesmo de jogar um papel no chão. Essa é a sociedade que devemos às futuras gerações.

(*) Dirceu Cardoso Gonçalves é tenente da Polícia Militar, dirigente da ASPOMIL (Associação de Assisttência Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions