ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  23    CAMPO GRANDE 33º

Cidades

Além de cocaína, Garras apreendeu celular de policial da fronteira preso

Ricardo Grandini Salles foi enquadrado, em flagrante, no artigo 33 da Lei Antidrogas

Por Marta Ferreira | 22/11/2019 17:31
Porção de cocaína encontrada em república onde vivem policiais civis, em Ponta Porã. (Foto: Direto das Ruas)
Porção de cocaína encontrada em república onde vivem policiais civis, em Ponta Porã. (Foto: Direto das Ruas)

Pesou 45 gramas e não meio quilo, como informado inicialmente, a droga apreendida em república onde vivem policiais civis em Ponta Porã, a 323 quilômetros de Campo Grande. O escrivão lotado na 1ª Delegacia de Polícia da cidade Rafael Grandini Salles, 35 anos, foi preso, em Terenos, apontado como o dono do entorpecente. Além da droga, foi apreendido o celular de Rafael, que é considerado importante para as investigações, parte da Operação Omertà, contra milícia armada identificada em Mato Grosso do Sul.

Levantamento feito pela reportagem indica que, embora a quantidade seja relativamente baixa, configura o artigo 33 da Lei Antidrogas, que considera crime “importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar”. A pena vai de 5 a 15 anos.

O escrivão foi preso em flagrante por equipe do Garras Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros), em Terenos, vizinha a Campo Grande, cidade onde mora.

O entorpecente estava em alojamento compartilhado por policiais que são de fora e trabalham na cidade fronteiriça. Entre eles estão os policiais civis Elvis Elir Camargo de Lima e Frederico Maldonado Arruda, presos desde o fim de setembro.

Conforme apurado, o flagrante ocorreu durante ação da Operação Omertá, responsável pela prisão, no dia 27 de setembro, dos empresários Jamil Name e Jamil Name Filho. Eles são apontados como chefe de grupo de extermínio.

As reportagens anteriores que informavam a quantidade de meio quilo foram alteradas, de acordo com a informação correta apurada. 

 

 

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário