ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 30º

Cidades

Associação médica defende lockdown em regiões com altos índices de covid

81 entidades médicas, incluindo de MS, assinam boletim que defende rígidas medidas de prevenção ao vírus

Por Adriano Fernandes | 23/03/2021 23:55
Avenida da Capital completamente vazia durante o toque de recolher. (Foto: Gabriel Marchesi) 
Avenida da Capital completamente vazia durante o toque de recolher. (Foto: Gabriel Marchesi)

A AMB (Associação Médica Brasileira) defendeu a adoção de lockdown em regiões críticas de contágio pelo novo coronavírus, para tentar conter o crescimento da curva de infecções e mortes na pandemia. No boletim divulgado nesta quinta-feira (24) pela organização com a assinatura de 81 entidades médicas do país - incluindo a AMMS (Associação Médica do Mato Grosso do Sul -, a organização ressaltou  a importância de normativas mais rígidas de isolamento, especialmente por conta da variante P1 do coronavírus.

A nova cepa já circula em grande parte do Brasil e possui capacidade de transmissão consideravelmente maior do que o vírus original, conforme a Associação. “O isolamento social, com a menor circulação possível de pessoas, segue sendo imperioso para conter a propagação viral, hoje agravada pela variante brasileira P1 do coronavírus”, diz um dos pontos do boletim.

A AMB lembrou que todos, sem exceção, devem seguir à risca as medidas de prevenção ao vírus, como o uso correto de máscara, distanciamento social, evitar aglomerações, manter o ambiente bem ventilado e higienizando e higienizar frequentemente as mãos, com água e sabão ou álcool gel a 70%. No documento, a Associação Médica Brasileira também cobra esforços políticos e diplomáticos para solucionar a falta de medicamentos ao atendimento emergencial de pacientes com covid-19 e para a aquisição de vacinas.

“O Brasil deve vacinar com celeridade todos os cidadãos. Vacinação em massa é a medida ideal para controlar a velocidade de propagação do vírus”, pontua. No boletim, a Associação também afirma a ineficácia da hidroxicloroquina entre outras medicamentos do chamado "kit covid", no tratamento da covid-19.

A publicação foi formulado pelo Comitê Extraordinário de Monitoramento Covid-19 da AMB sob o aval de 81 entidades médicas com a intenção de orientar aos pacientes, em particular sobre a importância da prevenção por meio do isolamento, e também promover esclarecimentos sobre condutas aos médicos. Atualmente o Brasil soma 25% das mortes mundiais por covid-19, no período de 15 a 21 de março de 2021. Ainda nessa semana, o país deve chegar a marca 300 mil mortes.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário