ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 18º

Cidades

Defesa de Fahd Jamil tenta, de novo, converter prisão em regime domiciliar

Advogados alegam "questões humanitárias" por conta da debilidade física de Fahd Jamil, hoje, foragido

Por Silvia Frias | 04/12/2020 10:23
Garras foi até a mansão de Fahd Jamil, em junho deste ano, durante Operação Omertà (Foto: Direto das Ruas)
Garras foi até a mansão de Fahd Jamil, em junho deste ano, durante Operação Omertà (Foto: Direto das Ruas)

A defesa de Fahd Jamil tenta, de novo, reverter a prisão preventiva do empresário para o regime domiciliar, ainda que seja com monitoramento por tornozeleira eletrônica e mediante pagamento de fiança. Ele teve a prisão determina pela Justiça no dia 15 de junho, em decorrência da 3ª fase da Operação Omertà e está foragido.

O pedido formulado pelo advogado Gustavo Henrique Righi Badaró e assinado com mais três colegas.

No dia 9 de julho foi requerida a substituição da prisão preventiva, “ante a avançada idade e gravidade do estado de saúde”. Naquele período, o pedido foi negado pela Justiça de Campo Grande, seguindo o parecer do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul).

Agora, a defesa pede a reconsideração do pedido, sob as mesma alegação: “questão humanitária”, por conta da fragilidade do estado de saúde de Fahd Jamil. Segundo relatórios médicos, ele é acometido por “doença pulmoar obstutriva crônica severa com predomínio de enfisema pulmonar difuso”, e que a recomendação é tratamento com oxigenoterapia domiciliar.

No documento enviado à 1ª Vara Criminal de Campo Grande, a defesa de Fahd Jamil disse que o cliente tem interesse em colaborador com a Justiça e não se opõe ao uso de tornozeleira.

A reversão de preventiva para domiciliar também é embasada pelos advogados do empresário com a resposta dada pela Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário). Questionada pela defesa de Fahd Jamil, o órgão informou que não teria “nenhuma unidade prisional no Estado que possa atender as especificidades apresentadas”.

O pedido de prisão domiciliar já havia sido negado também em recursos protocolados no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e no STF (Supermo Tribunal Federal).

A investigação da Omertà que levou à frustrada tentativa de prisão de Fahd Jamil apontou à Justiça que a cidade de Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai, é base de organização criminosa que conta com milícia armada de assassinos profissionais. Em Campo Grande, o grupo é comandado por Jamil Name e Jamil Name Filho, conforme denúncia.

O grupo com base em Ponta Porã teria ordenado a execução de Alberto Aparecido Roberto Nogueira (Betão) e do policial militar reformado Ilson Martins de Figueiredo. Ambos estariam envolvidos no desaparecimento de Daniel Alvarez Georges em 2011, filho de Fahd Jamil.

#matéria atualizada às 10h43 para correção de informações.

Nos siga no Google Notícias