ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 16º

Cidades

Estudo revela novo mecanismo de transmissão do vírus da zika e chikungunya

Pesquisa da UFG mostra que mosquito também pode realizar a transmissão dos vírus por meio de fêmeas infectadas

Por Mylena Fraiha | 27/02/2024 17:09
Mosquitos Aedes aegypti observados em microscópio (Foto: Agência Brasil)
Mosquitos Aedes aegypti observados em microscópio (Foto: Agência Brasil)

Novo estudo realizado por nove pesquisadores da UFG (Universidade Federal de Goiás) revelou uma nova forma de transmissão do zika e da chikungunya. A pesquisa aponta que os ovos do mosquito Aedes aegypti podem conter os vírus ZIKV, causador da zika, e CHIKV, da chikungunya, antes mesmo de eclodirem. Trata-se de uma transmissão vertical, de acordo com a pesquisa.

O estudo foi publicado em um artigo da Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical com o título “Detecção de arbovírus em Aedes aegypti por meio de análise transovariana: um estudo em Goiânia, Goiás”.

De acordo com o estudo, isso demonstra a transmissão vertical dos vírus, quando são passados de fêmeas adultas para larvas depositadas por elas. O novo mecanismo de transmissão descoberto para essas duas doenças infecciosas é diferente do modo de transmissão mais conhecido, o horizontal.

Nesse último caso, o mosquito pica um ser humano ou animal infectado, suga e se contamina com esse sangue e, então, o inseto fica apto a contaminar outras pessoas com o chamado repasto sanguíneo do vírus, ou seja, nas picadas.

Segundo os pesquisadores, essa nova forma de transmissão direta aos ovos do Aedes aegypti, classificada como transovariana, sem a necessidade de passar por um hospedeiro intermediário, é um alerta importante para as autoridades de saúde.

"É preocupante para a saúde pública porque descobrimos um novo mecanismo de transmissão. A gente já conhecia a transmissão horizontal. Agora, nesse meio, encontramos a transmissão vertical, com o depósito de ovos contendo o vírus e que transmite esse vírus diretamente. [A fêmea] não precisa primeiro encontrar um hospedeiro, o que pode aumentar essa disseminação", explica o coordenador do estudo, biólogo e doutorando na UFG, Diego Michel Fernandes da Silva, em entrevista à Agência Brasil.

Coordenador da pesquisa Diego Michel Fernandes da Silva (Foto: Reprodução/Agência Brasil)
Coordenador da pesquisa Diego Michel Fernandes da Silva (Foto: Reprodução/Agência Brasil)

Pesquisa - A pesquisa foi conduzida com base na captura de ovos e mosquitos adultos de Aedes aegypti em três grandes regiões de Goiânia - noroeste, sudoeste e norte - pela Vigilância Sanitária do Estado de Goiás, de janeiro a setembro de 2022. Um total de 1.570 fêmeas adultas foram separadas e organizadas em grupos para análise laboratorial, resultando em 157 grupos investigados.

Entre esses grupos, dois (com 20 amostras) apresentaram resultados positivos para o vírus CHIKV, e um grupo (com 10 amostras) teve resultados positivos para o ZIKV. Isso indica que os descendentes estavam infectados e podiam transmitir o vírus após o nascimento.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias