A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

11/10/2019 07:21

Iguais em "tamanho", Japorã e Glória de Dourados expõem MS de extremos

Duas cidades no sul do Estado, com a mesma base econômica e que enfrentam desafios no desenvolvimento

Jones Mário e Silvia Frias
Município sonha com pavimentação da MS-386 para atrair desenvolvimento (Foto: Reprodução/Facebook)Município sonha com pavimentação da MS-386 para atrair desenvolvimento (Foto: Reprodução/Facebook)

Áreas e populações quase idênticas, separadas por 200 quilômetros de estrada e um abismo de 0,195 pontos no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). As pequenas Japorã, pior do Estado no indicador, e Glória de Dourados, uma das “top 10”, ilustram um Mato Grosso do Sul de contrastes e de extremos, diferenças que os 42 anos de criação do território ainda não foram capazes de minimizar.

Emancipada de Mundo Novo apenas em 1992, Japorã é a última colocada no ranking de IDH entre os municípios sul-mato-grossenses, com 0,526. O número calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) classifica a cidade como de baixo desenvolvimento humano e pode ser comparado aos indicativos de países como Paquistão (0,538), Mianmar (0,536) e Angola (0,532).

O índice leva em conta critérios de renda, educação e longevidade. Japorã é a pior avaliada do Estado nas duas primeiras colunas.

Glória de Dourados foi elevada a distrito em 1958 e, como município, em 1963, tendo alguns anos de vantagem em relação a Japorã na busca pelo desenvolvimento. O IDH é de 0,721, o melhor resultado entre os municípios com menos de 10 mil habitantes, se for levada em conta a projeção estimada de população para 2019, que é de 9.965 habitantes. Também muito perto da média nacional, que foi de 0,727.

É justamente esse índice populacional o elemento que mais aproxima Glória de Dourados de Japorã, este com perspectiva de chegar a 9.110 habitantes, aproximadamente 1,3 mil a mais pelo último levantamento do IBGE, em 2010. De resto, apesar de contarem com a agropecuária na base econômica, seguem rumos distintos.

O prefeito Vanderlei Bispo (PDT) justifica que Japorã é município “fim de linha”, em alusão à geografia que encurrala seus 419,3 mil km² de área entre Salto Del Guairá, no Paraguai e a divisa com o Paraná, distante cerca de 30 quilômetros.

Dados do IBGE ajudam a explicar a posição extrema do município. A cada 100 habitantes, apenas cinco trabalham de maneira formal nas áreas de indústria, comércio, construção ou serviços - menor resultado de Mato Grosso do Sul.

A divisão do PIB (Produto Interno Bruto) pela população de Japorã acaba em renda per capita de R$ 11.836,64, valor que deixa a cidade no último lugar também deste quesito.

“Esta cidade será a glória, a glória de Dourados”, profetizou o padre José Daniel (Foto/Divulgação)“Esta cidade será a glória, a glória de Dourados”, profetizou o padre José Daniel (Foto/Divulgação)

Em meio ao segundo mandato consecutivo, Bispo reconhece que falta emprego na zona urbana do município. Não existem grandes indústrias. A força de trabalho se concentra na área rural, indígena em sua maioria. Do total, 5,6 mil são índios guarani-nhandeva. O prefeito destaca que a população indígena de Japorã planta 1,5 mil hectares de mandioca.

Cultivada em 339 estabelecimentos agropecuários do município, a raiz soma produção de 12,6 mil toneladas anuais, de acordo com o censo agropecuário de 2017. A mandioca colhida em Japorã gera emprego fora dali, na fecularia de Mundo Novo.

O caso da pecuária na cidade fronteiriça é similar, conforme explica o consultor para planejamento de Japorã e secretário-executivo do Conisul (Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região Sul de Mato Grosso do Sul), Walter J. Silva.

O rebanho bovino na cidade soma 38,8 mil cabeças de gado. Porém, o processo de beneficiamento da carne é feito a 60 quilômetros, em Iguatemi.

O prefeito aposta na pavimentação de trecho entre Japorã e Iguatemi da MS-386 para colocar o local “em contexto socioeconômico diferenciado e numa rota de desenvolvimento”.

A obra na rodovia já foi licitada pelo governo estadual. Se concretizada, a via vai encurtar a viagem de quem vem da região sul-fronteira com destino ao Paraná em pelo menos 50 quilômetros.

Suinocultura é uma das principais atividades em Glória de Dourados (Foto/Divulgação)Suinocultura é uma das principais atividades em Glória de Dourados (Foto/Divulgação)

“A cidade-glória” – O nome surgiu a partir do discurso do padre José Daniel, o administrador da colônia federal de Dourados, implantada a partir de 1955. “Esta cidade será a glória, a glória de Dourados”, referindo-se município de conexão administrativa.

Esse loteamento planejado é citado pelo prefeito Aristeu Pereira Nantes (Patriota) como um dos trunfos de Glória de Dourados, com grande incentivo aos produtores. Ao longo dos anos, o município diversificou cultura, despontando em vários setores dentro da agropecuária: tem o 2º maior rebanho de suínos, com 233,6 mil cabeças, o 8º em cabeças de aves, sendo 1 milhão e o 7º em produção leiteira, chegando a 8,6 milhões de litros, segundo dados do IBGE, divulgados este ano.

Essa integração é considerada atrativa: para 2020, está prevista a instalação de laticínio e, em negociação, uma fábrica de ração e loja veterinária.

A exemplo da maioria dos municípios de MS – como Japorã - ainda há dependência de recursos estaduais. Na cidade fronteiriça, esse percentual de receita de fontes externas representa 93,2% do total.

Em Glória de Dourados, até 2015, as receitas de fontes externas representavam 86,7% segundo IBGE. O prefeito diz que existe trabalho de ampliar a arrecadação de recursos próprios sem aumentar os índices cobrados.

Nantes cita como exemplo a cobrança de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) a partir da reavaliação de zoneamento, mapeamento as novas edificações e, principalmente, as melhorias de imóveis. O gerente municipal de Finanças, Diomar Mota dos Santos – cargo similar ao de secretário – explica que a cobrança do imposto teve data alterada, justamente por conta desse estudo. O pagamento parcelado, anteriormente encerrado em abril, continuou em andamento no segundo semestre.

Esse mapeamento refletiu-se na arrecadação: de janeiro a setembro, foram recolhidos R$ 709,461 mil de IPTU, aumento de R$ 121,1 mil em relação a 2018, porém, ainda há parcelamento a receber. Em Japorã, o IPTU recebido é de aproximadamente R$ 75 mil anuais.

Apesar de índices econômicos satisfatórios, com melhor desempenho se comparado a cidades com maior índice populacional, Glória de Dourados ainda patina na divisão da renda: o PIB per capita é de R$ 17.352,40, ocupando a 72ª posição entre os 79 municípios de Mato Grosso do Sul, resultando não muito melhor que Japorã.

Educação – Japorã e Glória de Dourados também estão em extremos neste setor, quando se isola a taxa de escolarização entre a população de 6 a 14 anos, conforme censo do IBGE de 2010.

Em Japorã, a taxa era de 86,1%, o terceiro pior de Mato Grosso do Sul e um dos 100 mais baixos do Brasil. Em Glória de Dourados, o percentual foi o melhor do Estado, 99,8%.

Porém, de 2010 para 2018, Japorã conseguiu salto de 261 para 576 matrículas no Ensino Infantil. O número de professores no nível passou de 13 para 52.

Conforme o prefeito Vanderlei Bispo, 2,5 mil indígenas estão nas escolas de Japorã. Ele ainda destaca a chegada de pólos universitários nas aldeias, com cursos de Pedagogia, Administração e Ciências Sociais.

Juntos ao bom desempenho no Ideb 2017 (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) - Japorã é terceiro do Estado nos anos finais do Ensino Fundamental, com nota 5,4 -, Bispo projeta crescimento no quesito em próxima elaboração do IDH.

Neste comparativo, a situação se inverte: o Ideb 2017 em Glória de Dourados obteve nota 4,9, abaixo de Japorã e na 16ª posição no Estado. A prefeitura, além das medidas de gestão, aposta no aumento no repasse do FPM (Fundo de Participação do Município) a partir do novo censo do IBGE.

Para Walter Silva, o desenvolvimento de Japorã depende de um “olhar diferente” sobre o incentivo à implantação de pequenas e médias indústrias e de geradores de serviços nas cidades de menor porte.

“Hoje, nossa legislação é desigual. O benefício oferecido para se instalar em Três Lagoas é o mesmo para Japorã. Assim não conseguimos competir nem com nossos vizinhos”, diz.

Prefeito Vanderlei Bispo classifica Japorã como município fim de linha (Foto: Reprodução/Facebook)Prefeito Vanderlei Bispo classifica Japorã como município "fim de linha" (Foto: Reprodução/Facebook)
Glória de Dourados tem a 8ª produção de aves do Estado (Foto/Divulgação)Glória de Dourados tem a 8ª produção de aves do Estado (Foto/Divulgação)
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions