ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Júri de acusado na morte de Eliza Samúdio pode durar até dois dias

Crime aconteceu em 2010, mas só agora, 11 anos depois, que é realizado o julgamento em MG

Nyelder Rodrigues | 25/08/2021 16:16
Ex-policial é acusado de ter sequestrado Eliza e o filho dela, na época, com apenas quatro meses. (Foto: Reprodução)
Ex-policial é acusado de ter sequestrado Eliza e o filho dela, na época, com apenas quatro meses. (Foto: Reprodução)

Começou às 9h - no horário de Mato Grosso do Sul - desta quarta-feira (25), o julgamento do ex-policial José Lauriano de Assis Filho, um dos acusado de ter envolvimento na morte da modelo Eliza Samudio, em 2010. O júri dele acontece em Contagem (MG), e deve durar até dois dias.

Eliza teve um relacionamento e um filho com o ex-goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, que cumpre pena pelo homicídio em regime domiciliar, na Bahia. Já o filho que os dois tiveram, mora com a avó em Campo Grande.

José Laureano, conhecido como Zezé, é acusado pela promotoria de sequestrar Eliza e o filho, na época com quatro meses apenas, com a ajuda de um primo de Bruno. Tudo foi feito sob consentimento do goleiro e de seu amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão. Cinco mulheres e dois homens compõem o conselho de sentença.

O Ministério Público mineiro afirma que em 16 de julho de 2011, um ano após o crime, o ex-policial e Gilson Costa ainda ameaçaram uma testemunha. O fato ocorreu na DHPP (Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa) de Belo Horizonte (MG).

A testemunha no caso é um ex-companheiro de cela de Bola, que durante o convívio ficou sabendo dos detalhes da morte de Eliza. Zezé não chegou a ser preso, ficando foragido, até que em agosto de 2015, recebeu o direito de responder em liberdade. Sua defesa nega qualquer participação e reafirma a inocência dele.

Andamento - Correndo em sigilo, o processo intimou 20 testemunhas para depor no júri, contudo nove delas foram dispensadas. Nessa tarde, serão ouvidos Bruno e Macarrão, por conferência virtual. O trabalho deve durar até à noite e depois dele, provavelmente, amanhã (26), Zezé seja então interrogado.

Logo após o ex-policial ser ouvido, começa o debate entre acusação e defesa, que finaliza as fases que antecedem a reunião fechada entre os membros do conselho de sentença para decidir sobre a inocência ou culpa de Zezé.

Nos siga no Google Notícias