A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Setembro de 2019

20/08/2019 15:06

Justiça aceita denúncia contra ex-diretores de entidades que desviaram milhões

Foram desviados R$ 6,5 milhões; recursos federais eram destinados ao desenvolvimento da agricultura familiar em MS

Maressa Mendonça
Eles começaram a ser investigados pela PF em 2011Eles começaram a ser investigados pela PF em 2011

A denúncia feita pelo MPF (Ministério Público Federal) contra os ex-dirigentes das OSCIPs (Organizações sociais de interesse público), João Aparecido de Almeida e Kelen Ribeiro foi aceita pela Justiça Federal em Mato Grosso do Sul. Eles são acusados de desviar R$ 6,5 milhões em recursos federais que eram destinados ao desenvolvimento da agricultura familiar no Estado.

João Aparecido de Almeida e Kelen Ribeiro dirigiam as OSCIPs Instituto Samaritano de Políticas Públicas Albert Schweitzer (ISPP) e Oikos Cooperativa de Trabalho Socioambiental e foram responsáveis pela aplicação de R$ 6.543.800,00 entre os anos de 2008 e 2010.

Tio e sobrinha, eles foram investigados pelos crimes de peculato, em concurso de pessoas e de falsificação de documentos.

Os recursos desviados foram repassados do Ministério do Desenvolvimento Agrário por meio de quatro contratos formalizados entre dezembro de 2008 e em julho de 2010.

Estes contratos tinham como objeto a promoção do desenvolvimento da agricultura familiar por meio de cursos e workshops de qualificação dos agricultores.

Investigadores da Polícia Federal e da controladoria-Geral da União (CGU) descobriram que os acusados falsificavam listas de presenças e até repetiam fotografias de participantes em eventos diferentes.

Eles também criavam falsas licitações para inventar despesas e desviavam estes recursos para contas de pessoas jurídicas e físicas, falsificando certidões e produzindo notas fiscais para acobertar os desvios.

As investigações apontaram que, para cada contrato de repasse, foram criados vários procedimentos licitatórios falsos, abastecidos com documentação inidônea, para fins de prestação de contas à Caixa Econômica Federal e consequente liberação de parcelas posteriores dos convênios.

Além de João Aparecido e Kelen, o MPF também apresentou denúncia contra Emerson Moreira Batista e Lenira Reinaldo da Silva. Emerson era, à época dos fatos, coordenador técnico municipal da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) em Iguatemi (MS). Empresa registrada no nome do pai de Emerson emitiu notas fiscais “frias” no valor de R$ 120,2 mil para a Oikos, desvio feito em proveito de Emerson, que não prestou os serviços contratados. Já Lenira recebeu recursos da Oikos por emprestar o nome para montagem de documentos falsos. As denúncias contra ambos também foram aceitas pela Justiça.

Durante as investigações, realizadas pela PF e CGU (Controladoria-Geral da União), restou comprovado que os denunciados forjavam documentos comprobatórios dos workshops, seja falsificando listas de presença ou até mesmo repetindo fotografias de participantes em eventos diferentes. Montavam também processos licitatórios, seja para acobertar uma contratação direta irregular ou totalmente simulado para justificar despesas, desviavam recursos transferindo-os para contas de pessoas jurídicas e físicas, falsificavam certidões e produziam notas fiscais para dar aparência de legalidade aos desvios. Para cada contrato de repasse, foram criados vários procedimentos licitatórios falsos, abastecidos com documentação inidônea, para fins de prestação de contas à Caixa Econômica Federal e consequente liberação de parcelas posteriores dos convênios.

Além de João Aparecido e Kelen, o MPF também apresentou denúncia contra Emerson Moreira Batista e Lenira Reinaldo da Silva. Emerson era, à época dos fatos, coordenador técnico municipal da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer) em Iguatemi (MS). Empresa registrada no nome do pai de Emerson emitiu notas fiscais “frias” no valor de R$ 120,2 mil para a Oikos, desvio feito em proveito de Emerson, que não prestou os serviços contratados. Já Lenira recebeu recursos da Oikos por emprestar o nome para montagem de documentos falsos. As denúncias contra ambos também foram aceitas pela Justiça.

Entenda o caso - Em 2011, o MPF recebeu denúncias sobre irregularidades na utilização de recursos públicos relacionados ao PTC (Programa Territórios da Cidadania) em Mato Grosso do Sul. Tais recursos, oriundos do Governo Federal por meio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, haviam sido repassados às OSCIPs ISPP e Oikos a partir do ano de 2008.

João Aparecido era diretor do ISSP e Kelen era presidente da Oikos. Além disso, os dois denunciados eram sócios do escritório de contabilidade Contass, que prestava serviços de contabilidade às duas OSCIPs. Ação de controle realizada em 2012 pela CGU expôs minuciosamente as ilegalidades praticadas na administração das duas instituições. No decorrer das investigações, João Aparecido foi apontado como figura central tanto dos desvios de recursos federais como nas tratativas de fraudar a prestação de contas do ISPP junto à fiscalização da CGU.

De posse dessas informações, a PF e a CGU deflagraram a Operação Dois Denários. Com a quebra de sigilo bancário das duas OSCIPs, além da apreensão de documentos e outros elementos de prova, foi possível elaborar a denúncia que foi recebida pela Justiça. Além da condenação dos denunciados, o MPF requer à Justiça a fixação de mínimo para reparação dos danos causados no valor atualizado de R$ 9,5 milhões.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions