ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 21º

Cidades

Mesmo com novas regras, revendedores não esperavam aumento na procura por armas

Rosa Weber suspendeu trechos dos decretos de armas de Bolsonaro que entrariam em vigor nesta terça-feira (13)

Por Jhefferson Gamarra | 12/04/2021 20:13
Praticante de tiros em um estande da Capital (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Praticante de tiros em um estande da Capital (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

A ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber suspendeu nesta segunda-feira (12), trechos dos quatro decretos sobre porte e posse de arma editados pelo presidente Jair Bolsonaro, que passariam a valer nesta terça (13) em todo o país.

Foram vetados todos os pontos que permitiam o aumento no limite de armas que cidadãos comuns, policiais, agentes prisionais e CACs (Caçadores, atiradores e colecionadores), dentre outras autoridades, poderiam ter em casa.

Na Capital, donos de empresas especializadas no comércio de armas de fogo e equipamentos bélicos já não esperavam um aumento na venda destes produtos, mesmo que os decretos não fossem reprovados pela ministra. 

“O novo decreto que iria extinguir a autorização de compra, não iria aumentar o número de vendas, seria apenas uma burocracia a menos, até porque é desnecessário pedir autorização para comprar uma arma, para quem já autorizou você a comprar todas as armas”, explica o advogado e instrutor de tiro Bruno Andrade, que há 12 anos administra a loja de armas da família.

Segundo o empresário, a nova regra apenas daria celeridade de uma semana a emissão de registro para caçadores, atiradores e colecionadores. “Todo mundo pra comprar uma arma precisa do certificado de registro e CAC (Caçador Atirador e Colecionador), que é um processo bem detalhado e demorado, na média demora 150 dias para sair. As novas regras só iriam adiantar o processo em apenas uma semana”, detalha.

Nos casos de policiais, juízes, membros do Ministério Público e agentes prisionais, as medidas impostas pelo presidente autorizariam a compra de até 2 armas de uso restrito. Os decretos também aumentariam de 4 para 6 o limite de armas de fogo de uso permitido que um cidadão comum pode adquirir.

Mesmo com o aumento no número de armas permitidas, propostos nos decretos, o instrutor de tiros João Victor Kassar, que há 6 anos trabalha com a revenda de armas e produtos relacionados, não enxergava um impacto positivo nas vendas do setor.

“No caso dos CAC’s, economiza-se apenas a autorização, porque eles são pré autorizados a possuir essa quantidade. Em relação aos cidadãos também não muda muito, pois maioria das pessoas possuem de uma a duas armas”, afirma o empresário.

Além da possibilidade de compra de um número maior de exemplares, os decretos permitiriam que atiradores desportivos, caçadores e colecionadores portem até duas armas municiadas em todo território nacional.

Desde que Jair Bolsonaro (sem partido) assumiu como presidente da república, a pauta armamentista está em alta. Os novos atos determinados pelo Presidente, excluíam itens da lista de produtos que eram controlados pelo Exército, como máquinas e prensas para recarga de munições, carregadores e miras telescópicas.

A flexibilização aumentava o limite de equipamentos e armas compradas por categoria. Atiradores e caçadores registrados poderiam comprar até 60 e 30 armas, respectivamente, sem necessidade de autorização e colecionadores poderão adquirir até 10 exemplares.

Confira, em negrito, quais medidas estavam previstas nos decretos de Bolsonaro e foram suspensas pela ministra Rosa Weber: 

  • fim do controle feito pelo Comando do Exército sobre categorias de munições e acessórios para armas;
  • autorização para a prática de tiro recreativo em entidades e clubes de tiro, independentemente de prévio registro dos praticantes;
  • possibilidade de aquisição de até seis armas de fogo de uso permitido por civis e oito armas por agentes estatais com simples declaração de necessidade, revestida de presunção de veracidade;
  • comprovação pelos CACs da capacidade técnica para o manuseio de armas de fogo por laudo de instrutor de tiro desportivo;
  • dispensa de credenciamento na Polícia Federal para psicólogos darem laudos de comprovação de aptidão psicológica a CACs;
  • dispensa de prévia autorização do Comando do Exército para que os CACs possam adquirir armas de fogo;
  • aumento do limite máximo de munição que pode ser adquiridas, anualmente, pelos CACs;
  • possibilidade de o Comando do Exército autorizar a aquisição pelos CACs de munições em número superior aos limites pré-estabelecidos;
  • aquisição de munições por entidades e escolas de tiro em quantidade ilimitada;
  • prática de tiro desportivo por adolescentes a partir dos 14 anos de idade completos;
  • validade do porte de armas para todo território nacional;
  • porte de trânsito dos CACs para armas de fogo municiadas; e
  • porte simultâneo de até duas armas de fogo por cidadãos.

*Com informações do portal G1


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário