ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 13º

Cidades

Morto em 2021, Jamil Name vence causa milionária e valor deve ir para família

O processo é resultado de empréstimo que não foi pago a Name, apontado como chefe jogo do bicho em MS

Por Danielly Escher | 10/01/2024 11:35
Jamil Name durante audiência enquanto estava preso (Foto: Divulgação)
Jamil Name durante audiência enquanto estava preso (Foto: Divulgação)

O empresário Jamil Name, acusado de chefiar uma facção criminosa ligada ao jogo do bicho em Mato Grosso do Sul, ganhou recentemente uma causa na Justiça no valor aproximado de R$ 3 milhões. Como ele morreu em junho de 2021 de covid-19 enquanto estava preso, o valor deve entrar no espólio, ou seja, para os herdeiros. Ainda cabe recurso.

Em janeiro de 2015, Jamil emprestou R$ 1,8 milhão ao empresário de Cuiabá Velbster Artur Saldanha Birtche e ao amigo dele Valdir Raupp de Matos Filho, empresário e filho do ex-senador e ex-governador de Rondônia.

O valor da dívida foi questionado por Birtche, um tipo de fiador no negócio que acusou Jamil de agiotagem. Segundo a defesa dele, o montante subiu rápido demais, chegando a R$ 2,4 em menos de oito meses. O recurso foi negado pela Justiça.

"Ocorre que, conforme a regra prevista no inciso I do artigo 373 do Código de Processo Civil, o recorrente não logrou êxito em comprovar que o instrumento de confissão de dívida, que instrui o feito executivo, seja fruto de prática de agiotagem e que foi expedida para o pagamento de juros extorsivos", destaca trecho da decisão do desembargador João Maria Lós.

Inicialmente, o caso foi registrado como uma transação na qual Name teria vendido carros aos empresários por meio da Trianon Administração Empreendimentos e Participações Ltda. A discussão sobre o empréstimo foi parar na Justiça por falta de pagamento em 2017.

Segundo os autos, o empresário cuiabano via como grande vantagem para os negócios conectar-se a importantes nomes do cenário político e empresarial das regiões Norte e Centro-Oeste.

Só que o negócio “acabou por tornar um inferno a vida do embargante, pois para o seu desespero o executado Valdir Raupp Filho não cumpriu com o pagamento da quantia emprestada do embargado [Jamil], recaindo sobre o embargante [empresário] o temor de sofrer as consequências de ser um devedor deste último”.

Como parte do negócio ainda aparece um avião de Jamil Name que teria sido entregue à Raupp. Uma forma de materializar o negócio para afastar a condição de agiotagem. A defesa de Velbster Birtche alega nos autos que a aeronave nunca transferida.

A reportagem não conseguiu contato com as defesas dos empresários citados no processo.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias