ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 25º

Cidades

No Pantanal, mais de 2,1 mil famílias têm luz elétrica em casa pela 1ª vez

Ao todo, 2.167 famílias em todo Pantanal conquistam a energia elétrica com o Ilumina Pantanal

Por Lucia Morel | 28/07/2021 15:59
Placas solares instaladas casa a casa no Pantanal. (Foto: Chico Ribeiro - Governo de MS)
Placas solares instaladas casa a casa no Pantanal. (Foto: Chico Ribeiro - Governo de MS)

Aos 59 anos de idade, é a primeira vez que Enaurina da Silva Rodrigues vai ter energia elétrica em casa. Pescadora pantaneira, ela nasceu na região do Paiaguás e desde ontem, ela pôde comemorar a chegada da luz. “As comidas não estragam mais”, se alegra ao contar.

Ela e a família, composta de dois filhos, o genro e três netos, estão entre os 2.167 em todo Pantanal que conquistaram a energia elétrica com o projeto Ilumina Pantanal, que é parceria do Governo de Mato Grosso do Sul, Ministério de Minas e Energia e a concessionária Energisa. O objetivo é atender todo esse público por completo até junho do ano que vem.

“Ganhei uma geladeira da Energisa e agora tenho água gelada para tomar, as comidas não estragam mais, posso assistir a tevê que ganhei do meu sobrinho. Só não preciso mesmo é do ventilador porque sou pantaneira, acostumada com o clima daqui”, ressaltou Enaurina.

O lançamento oficial foi feito hoje no Porto São Pedro, no Pantanal de Corumbá. De todas as famílias, 77 recebem energia elétrica tradicional, com torres e cabos. As demais – 2.090 – energia solar. Para o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, presente no ato, “Mato Grosso do Sul é referência em energia renovável, seja ela da biomassa, seja ela solar”, disse.

Enaurina mostra ao governador e ao ministro, garrafa com gelo que retirou de sua nova geladeira. (Foto: Chico Ribeiro - Governo de MS)
Enaurina mostra ao governador e ao ministro, garrafa com gelo que retirou de sua nova geladeira. (Foto: Chico Ribeiro - Governo de MS)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) destacou que a chegada do insumo energético é “uma dádiva sonhada” e um “ganho para todos nós, para Mato Grosso do Sul e, principalmente, para o homem e a mulher pantaneiros”.

O projeto, com custo de R$ 134 milhões, vai beneficiar habitantes nos municípios de Corumbá, Aquidauana, Coxim, Ladário, Porto Murtinho, Rio Verde e Miranda, numa extensão de 90 mil Km². Os painéis de geração solar são individuais com sistema de baterias, operando off-grid, ou seja, sem conexão com as redes de distribuição. Também é sem custo para fazendeiros e ribeirinhos, com uma tarifa social de R$ 30,00.

Os ribeirinhos representam 45% da população pantaneira nos sete municípios – 3,4 mil moradores. A energia convencional foi implantada, inicialmente, em localidades da Nhecolândia, em Corumbá, com redes de distribuição abrangendo a Estrada-Parque e a fazenda Nhumirim, da Embrapa, e chegando ao centro da subregião por Rio Verde. Não avançou porque a implantação de subestações foi descartada pela extensão do bioma e impactos ambientais.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário