ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 16º

Cidades

Para dominar jogo do bicho, quadrilha planejava 4 assassinatos, afirma Gaeco

Bilhete aprendido na casa do ex-assessor do deputado Roberto Razuk Filho indicava nomes que deveriam "pular"

Por Lucia Morel | 27/02/2024 18:22
Máquinas de jogo do bicho apreendidas pelo Garras em outubro do ano passado. (Foto: Reprodução)
Máquinas de jogo do bicho apreendidas pelo Garras em outubro do ano passado. (Foto: Reprodução)

Investigados por exploração do jogo do bicho e alvos da Operação Successione, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado) têm tido os pedidos de liberdade reiteradamente negados pela Justiça, conforme as divulgações do Diário Oficial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Uma das razões é a garantia da ordem pública. O Gaeco teme que para controlar o jogo do bicho em Campo Grande, a organização criminosa avance para atos de homicídio.

Pelo menos foi essa uma das razões pelas quais o grupo pediu a preventiva dos investigados e já réus da operação, deflagrada em dezembro do ano passado. Durante a primeira fase da ação, em 4 de dezembro de 2023, foi aprendido bilhete na casa do ex-assessor do deputado Roberto Razuk Filho e major reformado da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, Gilberto Luiz dos Santos, com anotações com três nomes que deveriam “pular”.

Conforme o Gaeco, a expressão “pular” é “comumente utilizada no meio policial para referir-se a execuções, tal qual ocorre com “empurrar”, tanto que no escrito está acompanhada de parênteses”. O documento não fala na razão da necessidade de tais assassinatos, cujos alvos foram denominados pelo major como “Betinho”, “Joel” e “Déa”. Nenhum foi identificado pelo Gaeco até o momento.

“Há de se reconhecer o cenário de guerra entre organizações criminosas causado pelas ações dos investigados, sendo esperado que, se mantidos em liberdade, as ações se intensifiquem e terminem em assassinatos”, cita documento do grupo em 28 de dezembro do ano passado, dias antes da deflagração da terceira fase da Successione, em 2 de janeiro deste ano.

O mesmo pedido de prisão e busca apreensão cita diversas vezes Razuk como líder da organização que “tem apostado na prática de roubos para cooptar “recolhes” do jogo do bicho vinculadas a outros grupos criminosos, não podendo ser descartada a possibilidade de escalada dessas ações para homicídios na hipótese de ineficiência dessas medidas”.

A descoberta do esquema para monopolizar o jogo do bicho em Campo Grande e no restante de MS,  começou com três roubos de malotes de motociclistas que faziam o recolhimento das apostas feitas nas bancas da Capital, dominada pelo grupo do Rio de Janeiro, MTS. As vítimas, depois identificadas como falsas vítimas, uma  vez que os assaltos teriam sido forjados, teriam aceitado a “encenação” para forçar a própria saída do MTS por insegurança e então migrarem para a organização de Razuk.

Lista apreendida em casa de ex-assessor de Neno Razuk. (Foto: Reprodução)
Lista apreendida em casa de ex-assessor de Neno Razuk. (Foto: Reprodução)

Enfatiza ainda o Gaeco no documento que, diante disso, “o comportamento inspira respostas violentas por parte de outros grupos criminosos, prenunciando riscos concretos à segurança pública da sociedade sul-mato-grossense”.

Mais um alvo – o quarto alvo de possível assassinato não executado era “Macaule”, também não identificado oficialmente na investigação. Neste caso, a morte dele era esperada para que houvesse a ampliação dos pontos de jogo do bicho em Campo Grande. Isso, mesmo depois da apreensão pelo Garras (Delegacia Especializada em Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros) de 700 máquinas do jogo em casa no bairro Monte Castelo, em outubro do ano passado.

“Consta dos diálogos dos denunciados Diogo Francisco (“Barone”) e Mateus Júnior Aquino que, ao menos até a data da conversa (dia 23.11.2023), era aguardada notícia do denunciado José Eduardo Abdulahad (“Zeizo”, “Zenzo” e/ou “Z”) acerca do assassinato de “Macaule” (não identificado), pessoa até então caçada pela organização criminosa”, cita o Gaeco.

Transcrição de áudio sobre "morte" de Macaule. (Foto: Reprodução)
Transcrição de áudio sobre "morte" de Macaule. (Foto: Reprodução)

A transcrição mostra Mateus dizendo a Diogo que “Z” “deve estar resolvendo alguma coisa importante né?”, desejando que tal “coisa” poderia ser “pegar esse tal de Macaule, e sumir com ele”. O mesmo Mateus afirma que isso seria uma coisa “maravilhosa, a notícia do ano, a hora que ele der essa notícia aí, eu vou soltar fogos”.

Conforme as interceptações do Gaeco, a ampliação dos pontos “estava condicionada à prática de outra ação violenta pela organização criminosa” e revela, em seguida, o desejo que o tal Macaule fosse assassinado.

A expectativa era que os novos pontos passassem a funcionar entre 24 e 25 de novembro. A apreensão do Garras aconteceu em 16 de outubro do ano passado. Haviam estocadas cerca de 800 máquinas de jogo do bicho com o grupo, fora as 700 apreendidas em outubro. As 800 também serviriam para ampliar os pontos em cidades da região sul do Estado.

Também investigado pelo Gaeco, o deputado Neno Razuk nega qualquer envolvimento com o jogo do bicho.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também