ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 25º

Cidades

Pedido de vista adia pela 3ª vez julgamento de ação contra juiz

Processo tramita em sigilo absoluto

Adriano Fernandes | 01/09/2021 20:45
Aldo Ferreira da Silva Júnior, juiz afastado acusado de corrupção. (Foto: Arquivo)
Aldo Ferreira da Silva Júnior, juiz afastado acusado de corrupção. (Foto: Arquivo)

O julgamento da ação contra o juiz afastado Aldo Ferreira da Silva Júnior foi adiado pela 3ª vez, nesta quarta-feira (1), devido a um novo pedido de vistas de um dos membros do Órgão Especial do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). O mesmo ocorreu no último dia 18 de agosto.

Como o processo tramita em sigilo absoluto, nem o nome do desembargador que pediu mais prazo para analisar o processo aparece no sistema online de consulta da pauta do Órgão Especial do TJMS. A ação envolvendo o juiz era o primeiro processo pautado para julgamento no Órgão Especial, que se reuniu nesta quarta-feira (1º), a partir das 14h. De 26 ações, os magistrados julgaram 23. A data do novo julgamento ainda não foi definida.

Denunciado por corrupção, Aldo usava laranjas para esconder a receita de suas transações, do controle do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), conforme o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). Das três denúncias levadas pela PGJ (Procuradoria-Geral de Justiça) contra o magistrado, duas foram aceitas pelo Órgão Especial. Desta forma, Aldo Ferreira se tornou réu e vai responder por lavagem de dinheiro (denúncia aceita em 7 de julho), além de peculato (subtração ou desvio de dinheiro público), supressão de documento, falsidade ideológica e corrupção passiva (denúncia sobre precatórios aceita ontem, pelo Judiciário).

Ao todo, a terceira denúncia, ainda pendente de julgamento, tem 16 alvos. Na lista, aparecem o juiz, a esposa Emmanuelle Alves Ferreira da Silva (advogada), Jesus Silva Dias (já réu em outra ação), mais sete advogados, psicóloga e pecuaristas.

Para o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), todos devem responder por corrupção. A denúncia também pede a perda do cargo do juiz Aldo Ferreira da Silva Júnior, perda de R$ 5,4 milhões do produto da corrupção e pagamento de indenização de R$ 24,2 milhões por danos morais à sociedade.

Nos siga no Google Notícias