ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

PF cumpre mandado no Presídio Federal de MS por morte de Marielle

Operação cumpriu 2 mandados de prisão e PGR denunciou 5 pessoas pela morte de vereadora e motorista

Por Silvia Frias | 09/05/2024 10:01
Major Ronald está detido no Presídio Federal de Campo Grande (Foto/Arquivo pessoal)
Major Ronald está detido no Presídio Federal de Campo Grande (Foto/Arquivo pessoal)

A PF (Polícia Federal) cumpre dois mandados de prisão na investigação da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, um deles, no Presídio Federal de Campo Grande, contra o policial militar Ronald Paulo Alves Pereira, o major Ronald, apontado como ex-chefe da milícia da Muzena, na zona oeste do Rio de Janeiro.

O outro mandado foi cumprido contra Robson Calixto da Fonseca, conhecido como “Peixe”, ex-assessor de conselheiro do TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado), Domingos Brazão. Ele foi preso no Rio de Janeiro e passará por audiência de custódia.

Domingos Brazão e o irmão, o deputado federal Chiquinho Brazão (União Brasil – RJ), já estão presos desde o dia 24 de março, também investigados na participação da morte de Marielle, Anderson e na tentativa de homicídio de Fernanda Chaves, ex-assessora da vereadora.

Em nota, a PF informou que os mandados foram expedidos pelo STF (Supremo Tribunal Federal), após requerimento da Procuradoria-Geral da República.

Segundo informações do G1 RJ, a PGR denunciou cinco pessoas pelas mortes de Marielle e Anderson, ocorridas em fevereiro de 2018. A peça foi entregue ao ministro do STF, Alexandre de Moraes, no dia 7 de maio.

Foram denunciados os irmãos Brazão, o delegado Rivaldo Barbosa, Robson Calixto e o major Ronald.

No documento, a PGR denuncia os irmãos Brazão como mandantes do homicídio e por integrar uma organização criminosa. Já o delegado Rivaldo Barbosa foi denunciado como mandante também do homicídio.

De acordo com a denúncia, a delação do matador-confesso, Ronnie Lessa, faz todo sentido para implicar os irmãos Brazão no mando da morte da Marielle e Anderson.

A PGR entendeu que pelos intermediários que participaram do crime, pelas circunstâncias, mais a narrativa do colaborador, Lessa se encontrou com os irmãos Brazão. O órgão afirma ainda o ex-PM recebeu dos irmãos a promessa de pagamento pelo assassinato da vereadora.

A denúncia da PGR considera provas decorrentes de dados de movimentação de veículos, monitoramento de telefones e triangulação de sinais de telefonia, além de oitivas de dezenas de testemunhas.

Para a PGR, toda esta análise investigativa documental mais o histórico político dos irmãos Brazão confere a convicção para a acusação criminal contra os irmãos Brazão e o delegado Rivaldo.

A denúncia aprofunda os interesses econômicos fundiários dos irmãos, as relações deles com as milícias e os atritos com adversários políticos como a vereadora Marielle e seu partido, o Psol.

O contexto da execução de Marielle estaria, segundo a PGR, 100% inserido na obsessão pela exploração imobiliária em áreas dominadas pela milícia. Áreas nas quais os irmãos Brazão se fizeram e se fortaleceram política e financeiramente, de acordo com a conclusão da PGR.

O major Ronald foi preso em 2019 na Operação Os Intocáveis por suspeita de participação nas mortes de Marielle Franco e de Anderson Gomes. Ele foi condenado por participar do caso que ficou conhecido como Chacina da Via Show. Em 6 de dezembro de 2003, quatro jovens foram brutalmente assassinados na saída de uma festa. Atualmente, está no Presídio Federal de Campo Grande.

Em notas enviadas ao G1, apenas a defesa do major Ronald se manifestou, alegando que foi surpreendida pela denúncia contra ele. “Ressalte-se que, assim que houver maiores informações acerca dos motivos que levaram a tal inusitada situação, posto que esse escritório ainda não teve acesso ao conteúdo do processo, a defesa trará à sociedade as provas que refutam tais infundadas acusações”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias