ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  20    CAMPO GRANDE 21º

Cidades

Secretaria de Saúde lança "Rastrear" na esperança de reduzir contágio em MS

Geraldo Resende fez o lançamento do programa ao vivo em transmissão pela internet e acredita na queda no número de infectados

Por Lucia Morel | 28/09/2020 16:53
Exemplo de relatório do programa que poderá ser gerado com base no rastreio de contatos. (Fonte: Reprodução SES)
Exemplo de relatório do programa que poderá ser gerado com base no rastreio de contatos. (Fonte: Reprodução SES)

O Governo do Estado lançou oficialmente hoje o programa Rastrear, que vai facilitar o monitoramento das pessoas contaminadas pelo novo coronavírus e seus contatos em Mato Grosso do Sul. O sistema pretende reduzir a taxa de contágio da doença, que mede a transmissão de pessoa para pessoa.

Segundo adiantado pelo Campo Grande News aqui, a pretensão da SES (Secretaria de Estado de Saúde) é que em poucas semanas os números de casos confirmados, internados e mortes possam ser reduzidos com a aplicação efetiva da ferramenta.

Segundo o secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, em transmissão ao vivo esta tarde, ao lançar a ferramenta, afirmou que se ela for bem usada, a queda ocorrerá.

“A ferramenta nos dá elementos pra aferir de fato se foi feito rastreamento adequado dos casos positivos. Se isso for bem feito, nos próximos dia se semanas teremos um declínio da doença no nosso Estado”, sustentou.

Todos os 79 municípios de Mato Grosso do Sul deverão fazer o acompanhamento dos casos positivos, e também das pessoas que tiveram contato com eles antes da identificação da doença e posterior isolamento.

Assim, se uma pessoa descobre que está infectada, todas as pessoas que tiveram alguma aproximação com ela antes do resultado positivo e/ou identificação da doença, serão rastreados e então, também monitorados quanto a sintomas da doença. “De manhã, à tarde e à noite”, disse Resende.

O contato com os pacientes monitorados será feito via telefone e os dados, incluídos via software no sistema estadual. Essa cobertura ampliada e acurada deverá aumentar a atenção a possíveis contaminados, e colocá-los em isolamento antes que cheguem a contaminar mais pessoas, e por isso, pode reduzir a transmissão.

Atualmente, a taxa de contágio em Mato Grosso do Sul é de 1,04, o que significa que de cada 100 pessoas infectadas, 104 estarão contaminadas no dia seguinte, 108 no posterior e assim por diante. O ideal é que a taxa fique abaixo de 1.

O programa “Rastrear” foi implantado em parceria com a OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde).

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário