ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Cidades

TSE explica porque mesários pediram digitais para quem não cadastrou biometria

Iniciativa acelerou o cadastro de impressões digitais em todo Brasil

Caroline Maldonado | 07/10/2022 07:38
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Eleitor informa impressão difital a leitor do TSE. (Foto: Abdias Pinheiro/TSE)
Eleitor informa impressão difital a leitor do TSE. (Foto: Abdias Pinheiro/TSE)

Em Mato Grosso do Sul, eleitores que ainda não fizeram o cadastro biométrico ficaram surpresos quando mesários pediram as digitais na votação do primeiro turno, no último domingo (2). A Justiça Eleitoral usou dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) e outros órgãos para identificar esses eleitores e acelerar o cadastro das impressões digitais.

A meta do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é ter 100% do eleitorado identificado pela biometria até 2026. Para identificar eleitores em outros Estados, também foram usados dados do Detran-RJ (Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro) e de Institutos de Identificação do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

A iniciativa foi para economizar custos, em especial para os eleitores. Ao colocar as digitais no leitor, ficou validado o dado biométrico importado para o banco de dados da Justiça Eleitoral.

Esse processo foi idêntico ao experimentado pelas demais pessoas que colheram a biometria diretamente na Justiça Eleitoral, não gerando qualquer aumento no tempo de votação para além daquele normalmente vivenciado pelos demais eleitores e eleitoras com cadastro biométrico.

A importação de dados biométricos de outros órgãos está prevista na resolução do TSE nº 23.669/2021, artigo 246. “Bases externas de biometria oriundas de entidades conveniadas com o TSE poderão ser utilizadas para fins de validação da eleitora ou do eleitor na seção eleitoral”, diz o texto.

Nos siga no Google Notícias