ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Vigilância Sanitária mantém proibição ao cigarro eletrônico

Anvisa manteve decisão de 2009 que proíbe consumo e importação de dispositivos vaporizadores

Por Gustavo Bonotto | 19/04/2024 20:11
Mulher segura cinco tipos diferentes em vaporizador eletrônico. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Mulher segura cinco tipos diferentes em vaporizador eletrônico. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu, nesta sexta-feira (19), manter a proibição aos cigarros eletrônicos no Brasil. Com isso, continua proibida a comercialização, fabricação e importação, transporte, armazenamento e propaganda desses produtos. Os cinco diretores votaram para que a vedação, em vigor desde 2009, continue em âmbito nacional.

Os dispositivos eletrônicos para fumar, conhecidos como cigarros eletrônicos, são chamados também de vape, pod, e-cigarette, e-ciggy, e-pipe, e-cigar e heat not burn (tabaco aquecido).

Com a decisão, a Anvisa informa que qualquer modalidade de importação desses produtos fica proibida, inclusive para uso próprio ou na bagagem de mão do viajante.

A maior parte dos argumentos favoráveis à manutenção da proibição foram relativos aos danos à saúde pública. A OMS (Organização Mundial da Saúde) manifestou preocupação com a saúde pública dos países que liberaram o consumo destes produtos e com o marketing estratégico da indústria do tabaco, especialmente com o aumento do consumo por jovens.

De acordo com a agência, a norma não trata do uso individual, porém, veda o uso dos dispositivos em ambiente coletivo fechado. O não cumprimento é considerado infração sanitária e levará à aplicação de penalidade, como advertência, interdição, recolhimento e multa.

Antonio Barra Torres leu, por cerca de duas horas, pareceres de 32 associações científicas brasileiras, os posicionamentos dos Ministérios da Saúde, da Justiça e Segurança Pública e da Fazenda e citou a consulta pública realizada entre dezembro de 2023 e fevereiro deste ano, mesmo que os argumentos apresentados não tenham alterado as evidências ratificadas pela diretoria em 2022.

Torres mencionou ainda que a agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos aponta que, mesmo com a fiscalização, há comércio ilícito desses produtos.

Receba as principais notícias do Estado no WhatsApp. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nas redes sociais: Facebook, Instagram e TikTok.

Nos siga no Google Notícias