A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Setembro de 2017

15/09/2017 11:56

"Sempre aconselhava a não reagir", diz amigo de coronel morto no Acre

Coronel aposentado da Polícia Militar, Manoel Pedro Neto foi morto ao reagir a uma tentativa de assalto

Richelieu de Carlo e Mirian Machado
Coronel Manoel Pedro Neto, 60 anos (Foto: Arquivo Pessoal/ Facebook)Coronel Manoel Pedro Neto, 60 anos (Foto: Arquivo Pessoal/ Facebook)

Um amigo do coronel aposentado da Polícia Militar, Manoel Pedro Neto, 60 anos, assassinado ao reagir a um assalto em um município no interior do Acre, diz que não entende como isso foi acontecer, já que o policial sempre dava orientação para que nunca se reagisse em uma abordagem de assaltantes.

Fernando Souza, 48 anos, aluga um Lava Javo cujo dono é o coronel Manoel Pedro, que morava ao lado da empresa, na Rua Presidente Café Filho, no Bairro Coophatrabalho. 

“A gente sempre conversava, a última vez foi na sexta-feira passada. Ele era uma pessoa muito forte, apesar da idade. Tinha um jeito marrento, acho que pela profissão, mas muito calmo”, relatou Fernando na manhã desta sexta-feira (15). "Vou sentir falta, o conhecia há 15 anos".

Manoel Pedro Neto foi morto a noite desta quinta-feira (14), depois de reagir a um assalto, no bairro Pista, região do município de Sena Madureira, interior do Acre. A vítima morava havia 10 anos em Campo Grande e visitava familiares na região Norte, onde também tinha negócios, como fazendas produtores de farinha.

Fernando Souza, 48 anos, diz que o coronel da PM sempre falava para não reagir a assalto. (Foto: Mirian Machado)Fernando Souza, 48 anos, diz que o coronel da PM sempre falava para não reagir a assalto. (Foto: Mirian Machado)

Conforme a polícia, dois homens armados chegaram e anunciaram o assalto. O coronel tentou reagir, mas foi atingido com dois tiros. A intenção dos bandidos era roubar uma corrente de ouro, que o coronel carregava no pescoço.

A forma como aconteceu a morte surpreendeu Fernando Souza, já que era aconselhado a não agir da forma como o coronel da PM fez. “Ele me dava conselhos de segurança e sempre falava para nunca reagir, não sei como ele reagiu”.

A violência no município acreano preocupava o coronel Manoel Pedro, segundo Fernando. “Ele dizia que lá estava muito perigoso e que já tinha sido vítima de tentativa de assalto. Estou triste por não poder participar do velório e do enterro dele”, lamenta Fernando.

As últimas homenagens ao coronel da PM e empresário Manoel Pedro Neto acontecem no Acre, aonde sua esposa Francisca se encaminha neste momento. O corpo do coronel será sepultado por volta das 10h30 de sábado (16), no cemitério São João Batista, em Rio Branco.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions