ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Ação que cobra de usinas pagamento de horas “in itinere” tem nova audiência

Fabiano Arruda | 20/07/2011 12:14

Hora "in itinere" é o tempo gasto pelo trabalhador no percurso até o local de trabalho

Nova audiência foi marcada para o dia 12 de agosto. (Foto: Divulgação/MPT)
Nova audiência foi marcada para o dia 12 de agosto. (Foto: Divulgação/MPT)

A primeira audiência sobre ação civil pública proposta pelo MPT (Ministério Público do Trabalho) contra o Sindal-MS (Sindicato da Indústria da Fabricação do Álcool do Estado do Mato Grosso do Sul), realizada ontem, não surtiu acordo sobre o pagamento de horas “in itinere” a trabalhadores do setor e novo encontro foi marcado para o dia 12 de agosto para discutir o assunto.

Hora "in itinere" é o tempo gasto pelo trabalhador no percurso até o local de trabalho; tempo à disposição do empregador e devem ser pagas como hora extra, caso o total da jornada superar o limite de oito horas diárias, em situações em que o local de trabalho é de difícil acesso ou não é servido por transporte público regular, desde que o empregador forneça a condução.

Na reunião realizada ontem, o juiz do Trabalho, Alcyr Kenupp Cunha, apresentou propostas para negociação com o objetivo de alcançar a conciliação entre as partes envolvidas.

A Fetagri (Federação dos Trabalhadores na Agricultura do MS), a FTI-MS (Federação dos Trabalhadores na Indústria do Estado de Mato Grosso do Sul) e o Sindal-MS estiveram no primeiro encontro.

Segundo informações do MPT, a procuradora do Trabalho, Simone Rezende, afirmou que a expectativa a cerca da conciliação é que as horas “in itinere” passem a ser contabilizadas, a fim de que direitos previstos em lei sejam assegurados a esses trabalhadores do setor.

O não pagamento da hora “in itinere” representa aproximadamente R$ 350 milhões anuais em valores que os trabalhadores deveriam receber, conforme cálculos do MPT. O setor sucroalcooleiro aparece como o segundo maior empregador do Estado em número de postos de trabalho. Em 2010, foram mais de 23 mil trabalhadores empregados, segundo dados do Caged/Rais do Ministério do Trabalho e Emprego.

Conforme dados colhidos em vistorias feitas pelo MPT em várias usinas do Estado, o tempo médio de percurso, somada a ida e a volta, corresponde a 2h45min. Neste cálculo, estima-se que o prejuízo dos trabalhadores do setor alcança cerca R$ 27,4 milhões ao mês.

Nos siga no Google Notícias