A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

16/08/2010 10:05

Aldeia da Capital reúne índios de todo país até 5ª feira

Redação

Índios do Amazonas, Nordeste, Mato Grosso, Rio Grande do Sul e São Paulo se unem a indígenas de Mato Grosso do Sul nos próximos três dias para discutir problemas como demarcações de aldeias, falta de terra, saúde, educação.

A sétima edição do Acampamento Terra Livre, que já foi realizado por seis vezes na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, acontece de hoje até quinta-feira na aldeia urbana Marçal de Souza, em Campo Grande. A expectativa é reunir 1.300 pessoas de diversas etnias, como terenas, pataxós, guarani-caiuás, tuxá e bororos.

De Mato Grosso, os índios bororo trazem denúncias sobre a expansão da PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas) e usinas hidrelétricas, que alteram os cursos dos rios e trazem impactos ambientais paras as reservas indígenas.

"Tem PCHs no rio das Garças, rio das Mortes, Juruena e Tapajós. São as obras do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] nas áreas indígenas", reclama o índio bororó Milton Bokodoregaru, de 24 anos, da aldeia Meruri, em Barra dos Garças. Outros problemas são as invasões de terras indígenas por madeireiros e posseiros.

Com 500 habitantes, a aldeia fica localizada a 46 km da cidade e os índios plantam lavouras para subsistência e comércio, mantêm seis tanques para criação de peixes e comercializam frutas. "Vivemos do modo indígena tradicional", exlpica.

De Dourados, no Sul do Estado, a violência e a situação de confinamento são as maiores dificuldades relatadas por guarani-caiuás. A professora Elaine Cabreira da Silva, de 21 anos, sentiu na pele a violência das ações decorrentes do uso de drogas, que são comercializadas na aldeia Bororo.

"Tinha 16 anos e apanhei quando sai da escola. Três caras drogados me bateram, racharam a minha cabeça e quebraram minha mão", relata. Ela escapou dos agressores porque outras pessoas passavam pelo local. "Desde os 9 anos já começam a usar drogas, álcool. Lá não tá muito bom não", enfatiza.

Freqüentadora da igreja evangélica Deus e Amor, Eliane é representativa dos moradores que escolheram religião diferente da indígena. "Gosto de ser índia e sou índia onde quer que vá", afirma Eliane.

A presença de igrejas, principalmente evangélicas e católica, não é consenso entre os indígenas.

Terra e morte

Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
Autorização para psicólogos aplicarem terapia de reorientação sexual é mantida
O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia pr...
Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions