A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

24/05/2011 12:57

Aluno de Universidade particular é docente do curso de Direito da UFMS

Paula Vitorino

Acadêmicos da Federal fizeram protesto nesta manhã contra falta de transparência e censura da Universidade

Acadêmicos percorreram Universidade para protestar. (Fotos: Divulgação)Acadêmicos percorreram Universidade para protestar. (Fotos: Divulgação)

Com mordaças, roupas pretas e faixas em mãos os acadêmicos do curso de Direito da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) protestaram contra a censura, nesta manhã. Os estudantes percorreram o corredor central da Universidade até a secretária acadêmica, entoando gritos de censura. Cerca de 150 alunos participaram do manifesto.

Os acadêmicos protestam contra a falta de transparência, a censura e o abuso de autoridade de alguns professores do curso. Outro motivo de indignação dos alunos é o fato de um estudante de Direito de uma Universidade particular do Estado estar como docente do curso.

O suposto professor é apontado por vários alunos como “o melhor professor de Direito” e, muitos, dizem não querer que ele seja retirado. A situação do docente é explicada pelos acadêmicos como “voluntária”, não sendo um professor efetivo do curso.

Ele é responsável por uma disciplina introdutória ao Direito, que é regular na grade do primeiro ano do curso, segundo os estudantes. Ainda de acordo com os alunos, o futuro advogado assumiu a vaga no lugar de outro docente, que foi cedido para ocupar um cargo público.

“Isso é mais uma vergonha para o curso e para os professores”, aponta a estudante do 5° semestre, Marina Amorim Araújo, de 20 anos.

Com mordaças, alunos pediram fim da censura. (Fotos: Divulgação)Com mordaças, alunos pediram fim da censura. (Fotos: Divulgação)

Reivindicações - De acordo com um dos organizadores do protesto, o estudante do 5° semestre de Direito Renan Davalos, de 20 anos, o impasse que resultou na manifestação de hoje começou após o pedido de liberação das atas de reuniões da diretoria ser negado.

“Por três vezes pedimos cópias das atas das reuniões e o pedido foi negado pela diretoria do curso. É um direito nosso, as atas são públicas”, diz Renan, que também é presidente do CAGEF (Centro Acadêmico Jorge Eustácio Frias).

Ele explica que as reuniões acontecem entre os docentes do curso, representantes da Universidade e com a participação de um acadêmico de Direito. Durante os encontros são decididas diretrizes do curso, como também tomadas decisões que envolvem toda a graduação.

Renan conta que assumiu o Centro Acadêmico neste ano e fez o pedido para ter acesso as atas dos anos anteriores, mas elas foram negadas.

“Pediram para procurarmos o representante acadêmico anterior, porque ele teria as cópias, mas não temos mais contanto com ele, que hoje já é formado. Só queremos um direito que é nosso, essas atas são públicas”, afirma.

Por conta do impasse, os estudantes distribuíram cartazes pela Universidade com dizeres contra a censura e a falta de transparência. O presidente CAJED afirma que os cartazes foram retirados pela Direção da Faculdade, que alegou ser necessário analisar o conteúdo para saber se existia algum termo ofensivo, e por um professor.

A atitude foi postada no facebook e gerou manifesto de vários acadêmicos. “O professor sentiu-se ofendido e registrou até boletim de ocorrência. Ele chegou na sala de aula e agrediu verbalmente os membros do Centro Acadêmico e até ameaçou corrigir parcialmente a prova de um deles”, diz Renan.

Com o manifesto desta manhã, os estudantes querem chamar a atenção da Diretoria do curso e exigem que alguma providência seja tomada.

“Nosso protesto seria silencioso, com as mordaças, mas como a diretoria ignorou nossa atitude resolvemos partir para o barulho”, diz Marina.

A UFMS foi procurada por meio da assessoria de imprensa e informou que irá apurar a procedência das denúncias feitas pelos alunos de Direito. A Universidade deve se manifestar durante à tarde.

Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...
Acordo entre poupadores e bancos vai beneficiar 30% dos que entraram na Justiça
Das 10 milhões de pessoas que entraram na Justiça por perdas no rendimento de cadernetas de poupança, apenas cerca de 3 milhões serão beneficiadas, s...


Gostaria apenas de deixar registrado que uma série de acadêmicos, principalmente da pós-graduação, é incentivado a lecionar no Ensino Superior na qualidade de Professor Colaborador (Voluntário). Tal atividade pretende possibilitar uma formação mais abrangente para aqueles que apresentam perfil para a carreira docente no nível superior. Acredito ser necessário respeitar a disposição do supracitado acadêmico da outra Instituição que se dispôs a trabalhar gratuitamente em prol do curso da UFMS. Acho importante que a Instituição tenha um corpo docente altamente qualificado (com Mestres e Doutores), mas não estou certo de que os títulos sejam a garantia de qualidade no desempenho da função docente - os comentários de que o Professor Coleborador tem dado conta das aulas com responsabilidade é sintomático.
Isso, obviamente, não exime a Instituição de trabalhar para que seu corpo docente seja o de maior qualidade possível. Meu comentário vem apenas no sentido de valorizar a formação de professores e o respeito a atividade desempenhada pelo Professor Colaborador, independente da Instituição em que se filia.

Grato.
 
Wellington Furtado Ramos em 26/05/2011 09:03:04
Sou acadêmico da UFMS e agradeço à mídia por cobrir mais uma vez os descalabros da coordenação do nosso curso de Direito.

A verdade é que você estuda bastante para fazer o vestibular e é diariamente desrespeitado pela instituição, seja pela falta de professores, pela falta de qualidade de alguns professores concursados, falta de livros, falta de cortesia e celeridade nas demandas administrativas. Era só o que faltava.

Se tudo acontecer como SEMPRE acontece, daqui a 3 anos vai ter outra manifestação, com novas denúncias feitas a mídia e com a constante inércia da administração da federal.
Orgulho de ser federal é quando você passa no vestibular, depois é só vergonha.
 
Guilherme Burzynski Dienes em 26/05/2011 06:42:45
Como acadêmico do 5º ano da Faculdade de Direito da UFMS, parabenizo a todos os organizadores do protesto. Nós, que estudamos na UFMS sabemos da incipiente realidade diária que a Instituição nos proporciona.

Igualmente, tomo por minhas as palavras do João Elias e acrescento que, ao contrario do que maldosamente escrito aqui por alguns, o móvel do protesto foi sim o fim da censura, do desrespeito, da falta de professores e de muitos outros problemas que existem na UFMS e em quase todas as demais Instituições Públicas de Ensino Superior deste País.

Lembro que, como estudantes de uma Universidade pública, nosso compromisso com o Direito e com a sociedade tem um peso maior, uma vez que quem banca os nossos estudos é o contribuinte. Dessa consciência que nascem protestos como o noticiado que, em síntese, objetivam unicamente um ensino público de qualidade, não apenas para os que estudam na Federal ou que ainda estudarão, mas para a comunidade como um todo.

Destaco, portanto, que o protesto não foi realizado para "livrar" alguns de investigação criminal - que, cumpre destacar, é apenas uma investigação, podendo, ao final do inquérito, ficar comprovada a inexistência de suposto crime. Antes, enfatizo, o protesto foi um meio de manifestação da revolta do corpo acadêmico em relação a uma série de atos tidos por intimidatórios que estavam e estão sendo levados adiante. Aliás, não seria mesmo razoável acreditar que um curso com 600 alunos se manifestasse insatisfeito se realmente não houvessem motivos para tanto. Aos que desconhecem essa realidade, sugiro que se aproximem dela antes de tornarem pública manifestações de mais a mais sem fundamentação.

Ainda, muito me entristece saber que algumas pessoas – talvez acadêmicos de Direito, o que torna a atitude ainda mais amesquinhada – sentiram-se felizes com a notícia de um aluno dando aula na Faculdade de Direito da UFMS. A notícia, ao que parece, deu suposto alento a tais pessoas que, com isso acham-se no direito de afirmarem-se como melhores do que os seus colegas que estudam na Federal.

Digo que isso é triste porque tais pessoas, ao invés de estudarem, de buscarem o seu aperfeiçoamento jurídico bem como o dos seus colegas, futuros profissionais do Direito que servirão a sociedade, antes, parecem querer que alguns tenham problemas e sejam de fato minorados, porque apenas assim conseguirão se destacar.

Obviamente que a fala aqui não é endereçada a muitos mas apenas a algumas poucas manifestações infelizes que, novamente, se forem provenientes de alunos de Direito, certamente, são pseudo-alunos que estariam longe do nível dos professores voluntários da Faculdade de Direito, não por acaso, normalmente os melhores daquela Instituição.
 
Tácio Neves Frota Souza em 25/05/2011 11:10:23
O problema não é quem tá dando aula como voluntário, se da aluno da Faculdade A ou B. Vergonha e que deve ser apurado pelo MPF, TCU, MEC é o fato de ter professor recebendo por Dedicaçao Exclusiva e trabalhando em outros lugares, advogando, trabalhando na Assembléia. O Curso tem bons professores, mas que preferem dar mal exemplo pro seus alunos, pois burlam todos os princípios éticos e morais quando recebem sem trabalhar, dao aulas sem prepara-las, nao orientam projetos de pesquisa, etc. Isso sim eh uma vergonha, o dinheiro publico jogado na lata de lixo e o futuro desses jovens colocado em xeque.
 
Joao de Deus em 25/05/2011 07:54:49
A vergonha desse episódio está no fato de um aluno ainda na graduação estar ministrando aulas numa universidade federal,e o que mais revolta é falta de cursos de mestrados e
especializações, o que poderia amenizar tal situação.Essa Vergonha não é dos estudantes de direito da UFMS é de Todos!!!!!!!!!.
 
marcio da cruz carvalho em 25/05/2011 05:26:56
Antes de mencionar algo, gostaria de parabenizar não só o Campo Grande News por postar à notícia, mas sim TODOS OS ACADÊMICOS DA UFMS pela atitude tomada. Hoje, o ensino não só nas universidades estaduais, federais, mas também em escolas do mesmo âmbito estão na mesma situação, ou seja, uma lástima, porém existe exceções. E, acredito que é de conhecimento de todos o porque dessa situação em que a UFMS se encontra. Existe faculdade melhor que a outra?pode até existir, porém isto é uma questão de mérito. Com todo respeito aos comentários feitos aqui, mas,nós futuros operadores do Direito temos que parar com o infantilismo de dizer que UFMS é melhor que UNIDERP, UNIGRAN, FACSUL, UCDB, ESTÁCIO e outras, e vice versa. Se fosse assim, a UFMS não estaria passando por esse caos todo. Universidade é importante? E como é. Professor é importante? Esse nem se fala, porém os dois depende de alunos para ser o que é,afinal, quem faz os ENADES da vida somo nós, faculdade sem aluno não é faculdade com exceção as de EAD , ou seja, se hoje a UFMS é considerada a melhor Pública do Estado segundo o MEC é graças aos esforços dos acadêmicos de quaisquer curso que mesmo sem professor ou com voluntários busca adquirir conhecimento, avanço. Fiquei triste com o comentário da Paula Caroline, quando ela diz que só os melhores tem acesso a federal? eu pergunto com todo respeito e sem ofender os acadêmicos da UFMS: Paula você me saberia responder se TODOS os acadêmicos da federal são melhores do que de outras faculdades? e os outros que não conseguem acesso a ela, são o que? porque não é isso que muitos acadêmicos da federal pensam do voluntário da UCDB ou de qualquer faculdade que o mesmo seja. Sou acadêmico da UCDB e no meu ponto de vista todos são capazes ao estudo,porém depende de cada um. Se fosse assim, a UCDB foi considerada 3 anos seguidos a melhor particular do Estado pelo MEC e ainda por cima um acadêmico dela dando aula na Federal, ou seja, a intenção aqui não é essa, mas,sim a questão de ajuda, solidariedade, companheirismo com os amigos, colegas e irmãos da UFMS. Afinal, seremos colegas de profissão e acredito, que se no futuro ocorrer o mesmo fato com qualquer outra faculdade nós estaremos lá para fazer o mesmo.
Um grande abraço a todos os acadêmicos da UFMS e parabéns pela reivindicação pertinente.
 
Thiago Mateus em 25/05/2011 05:12:45
Respondendo ao comentário da Loretta, eu, como acadêmico da UFMS que não aprova a situação de um aluno ministrando aulas, já disse no outro comentário que o motivo não tem absolutamente nenhuma ligação com a universidade na qual o tal professor estuda, mas sim o fato dele não ter nem sequer o bacharelado ainda. Como eu também disse, minha turma já teve aula com excelentes professores graduados pela UCDB, Uniderp entre outras, por isso, não confunda as coisas. A indignação seria a mesma se fosse um acadêmico da USP ministrando aulas, por se tratar de um ACADÊMICO, e repito, esta certamente não é uma situação que seria permitida em nenhuma outra instituição de ensino.
E eu não poderia concordar mais com o comentário do Leonardo, considerando a discussão acerca de universidades publicas e particulares uma tolice, pois, como disseram em alguns comentários, não importa ONDE você estuda, e sim COMO você estuda.
 
João Elias Basmage em 25/05/2011 04:59:02
Apoiados;

Fazer Direito na UFMS é uma luta diária: desde acordar cedo e não ter aula à acordar cedo e ter uma aula que te faz pensar ter sido melhor não ter tido.
 
Liana Weber em 25/05/2011 02:25:34
Infelizmente ainda vemos o descaso da UFMS para com o curso de Direito, o qual possui um dos maiores números de alunos de todo o campus.

Quanto aos professores, mesmo alguns que estão lá como efetivos, apenas realizam suas funções por currículo ou pretensões pessoais. A briga de egos é muito grande dentro da FADIR.

A discussão se universidade Federal ou Particular é melhor é uma tolice. Primeiramente a OAB e depois, a vida profissional vão selecionar os profissionais mais competentes. Não importa ONDE você estuda, mas sim COMO você estuda. Dedicação e esforço, sempre!

Apesar de tudo, me orgulho muito em ser formado pela UFMS!
 
Leonardo Chaves em 25/05/2011 02:05:03
só mais uma coisa....
eu tenho absolutaaaa ceeertezaaaa que esse rolo todo é só pq o aluno-professor é acadêmico da UCDB, se fosse um aluno do 5º ano da USP ou da UNICAMP ninguém abriria o bico né!!
 
Loretta Barbosa Figueiredo em 25/05/2011 01:19:04
Caro Dr. Jôni Coutinho, acaso o sr. estaria disposto a "ministrar com competência a matéria" como professor voluntário???
 
Paula Belisa em 24/05/2011 11:21:29
para dar uma explanaçao no caso eu nao entendi se o "correto é CAGEF ou CAJED, penso que nao seja nenhum! os alunos da Universidade Federal, passaram por uma seleçao, com certeza existe uma diferença nisso! nenhum discente pode dar aula, mas a enfase no assunto nao era bem essa , e sim a organizaçao dos alunos em prol dos seus direitos!
 
julia lima em 24/05/2011 09:53:30
Lamentável a situação vivida por esses estudantes. Sou acadêmica de direito da UCDB e colega de pesquisa do PIBIC do Professor voluntário citado na matéria. Independente da competência do colega em questão, a existência de professores voluntários numa Universidade Pública que preze pela qualidade de ensino não se justifica. Afora isso, parabenizo o professor, porque, ao menos, pelos comentários dos seus próprios alunos, suas aulas não deixam a desejar se comparadas com a dos professores "titulares" da "renomada" Universidade. Está mais do que na hora de os alunos lutarem por uma qualidade de ensino e concurso para os professores em todos os cursos. Enquanto essa situação perdurar, o que acontecerá é a evasão de alunos para as universidades particulares. Eu, como acadêmica e professora formada (LETRAS), gostaria de poder estudar na Universidade Pública do meu Estado, mas uma Universidade que oferecesse minimamente não só aulas e professores para todas as disciplinas, mas também pesquisa e extensão, porque até agora, percebo que não se tem o mínimo, quanto mais pesquisa!!!
É preciso readquirir o significado real do papel da Universidade e cobrar dos responsáveis. Espero que a luta continue!!!
 
Rogéria Fonseca em 24/05/2011 08:04:59
Formei na Federal e TODOS os cursos tem problemas, e agente até brincava que essa era mais uma matéria que tinhamos que passar. Infelizmente a má distribuição ou a não distribuição da verba federal sempre dificultou as nossas vidas no campus. MESMO COM TODOS OS PROBLEMAS QUE ENFRENTEI E VCS AMIGOS ACADÊMICOS ENFRENTAM E ENFRENTARAM, NOSSO DIPLOMA É DA FEDERAL KKKKKK chô frustrados e invejosos kkkkkkk
 
cristiana rosa em 24/05/2011 07:49:10
Exatamente como comentei na outra notícia relacionada às
manifestações, agradeço e elogio todos os comentários de apoio a nós,
acadêmicos. Sou acadêmico da UFMS, e me orgulha ver que existem muitos
outros cidadãos que também pensam que a busca por direitos não é uma
questão de rebelião, revolta ou agressão, mas simplesmente uma forma de
exercer a CIDADANIA.
Ao mesmo tempo, me decepciona muito ver pessoas que, sem absolutamente
nenhuma informação acerca do assunto, criticam os alunos, o movimento,
ou sequer o curso em si, seja por pura ignorância, seja por defesa a
algum interesse pessoal ou por ínfima rixa entre universidades.
Me orgulho de participar e de ver tantos colegas participando dessa
manifestação, que tem como único objetivo uma melhora para nosso curso.
Como já disse, sou acadêmico de Direito da UFMS, mas nem por isso
critico absolutamente nenhuma das universidades particulares, pelo
contrário, tenho parentes, amigos e conhecidos acadêmicos ou formados
em tais instituições, e que são excelentes profissionais ou estudantes.
E por isso da mesma forma acho de uma absoluta imaturidade pessoas que,
deixando-se levar por rivalidades infantis entre Universidades, comemoram ou desprezam notícias como essa, sem lembrar que, independentemente de onde estudaram, serão colegas de profissão, compartilhando assim da ânsia de atuar pela melhor prestação da justiça.
Prova da competência de alunos de universidades particulares é justamente este aluno-docente, defendido e elogiado pelos alunos do primeiro ano (como eu já ouvi vários comentários muito bons sobre ele.). E por mais que eu saiba bem como é raro conseguir um docente realmente BOM, e como um professor desses deve ser mantido, eu honestamente acho que é triste a situação, uma vez que, independente da qualidade de aula, uma situação dessas não está CORRETA. Não é uma questão de interesses alheios ou individuais, é uma situação que, querendo ou não, afeta o curso inteiro. De forma alguma acho que a intenção é prejudicar a turma que tem aula com este professor, pelo contrário, pois quanto melhores forem os acadêmicos graduados pela UFMS, melhor será a imagem da Universidade na qual me formarei, logo, peço desculpas à aluna que disse que "Utilizaram da mídia para expor um problema alheio!" mas discordo ao afirmar que não se trata de um problema de um ou de outro, mas sim do curso em geral, logo, problema meu também. Isto posto, me posiciono contrário a situação de um acadêmico ministrando aulas, não por ser acadêmico da UCDB (tive professores exemplares, formados pela UCDB), mas sim por ser algo que não está correta, por se tratar de um indivíduo que não possui nem sequer um bacharelado ainda (o que, novamente friso, não quer dizer que ele é ruim), situação esta que não é tolerada em absolutamente nenhuma outra instituição de ensino, logo, por que deve ser aceita na UFMS? Simplesmente porque "a aula é boa"? Eu particularmente penso que o problema é muito maior do que uma aula boa ou ruim.
E à coordenação da FADIR, que ignorou e mostrou absoluto desinteresse no que está sendo clamado através das manifestações: talvez seja a hora de deixar politicagens e interesses pessoais de lado, e finalmente começar a ouvir o que seus acadêmicos tem para pedir e oferecer, pois nosso objetivo é exatamente o mesmo que o de vocês (ou pelo menos o que deveria ser de vocês), um curso de Direito que faça jus à fama que tem, o de melhor curso de Direito do estado.
 
João Elias Marques Basmage em 24/05/2011 06:37:19
Queria saber a posição da direção da faculdade, pena que a reportagem não publicou o outro lado..... o site do curso é fraquinho, mas até que tem bastante informação, não sei se são o que precisa... mas enfim... em se tratando de universidade pública...rsss
 
Antonio Vieira em 24/05/2011 06:31:38
Estranho essa história de aluno dar aula... Se essa situação existe mesmo, temos que nos perguntar o seguinte: 1- ele estava lá com conhecimento da direção?; 2- Porque esse centro acadêmico não reclamou antes? 3- o centro acadêmico reclamou por escrito? Se fez por escrito porque não foi apurado?... essa história está mal contada!... Com todo o respeito aos alunos, de minha parte não acredito que exista ditadura ali, se existe não estariam protestando... e se um professor de dieito registrou BO contra alguém não acredito que faria isso sem fundamento... ou seria muito burro!.... rsss.... como disse antes tudo está muito mau contado... me ocorreu agora... será que o movimento não é tentativa de alguém para escapar do BO???... vai saber.... rsssss
 
Marco Guimarães em 24/05/2011 06:21:13
O aluno co Curso de Direito não pode opinar, no sentido de enobrecer um professor que é aluno de outra Universidade. Ele não tem conhecimento suficiente para dizer que aquilo que está aprendendo está correto. Eu digo uma coisa... esse professor aluno está ocupando uma vaga que poderia ser minha, ou de outros profissionais do Direito que ministrariam com competência a matéria.
 
Jôni Coutinho em 24/05/2011 05:54:24
Quero dar parabéns a esse professor que com coragem e determinação exibe ótimas aulas! Se não fosse ele os alunos estariam sem aula e sem conteúdo, pois é muito inteligente e dedicado. E garanto que é melhor do que muito professor efetivo da universidade. Só lamento o fato de nenhum aluno que tem aula desse professor ter sido entrevistado, sendo que as opiniões não foram daqueles que são afetados diretamente. Utilizaram da mídia para expor um problema alheio!
 
Camila Souza em 24/05/2011 05:41:26
Num país em que cada um que se preocupa somente com seu nariz, a realidade não poderia ser outra a não ser abuso de poder, direitos desrespeitados... A união dos alunos do curso de direito deveria servir de exemplo para todos os cidadãos.
 
Roberta Ferreira em 24/05/2011 05:18:18
Que ridículo seu comentário "Roger Nascimento"!!!

Quem estuda em faculdade particular é burro se comparado a quem estuda na UFMS? Preste muita atenção no que você está dizendo. Hoje em dia quem faz um bom profissional NÃO É A FACULDADE onde ele estudou e sim A VONTADE DO ACADÊMICO DE ESTUDAR, PESQUISAR.. esforço e dedicação para ser alguém no futuro e no mercado de trabalho.

Não vamos generalizar que só alunos da UFMS "são inteligentes".
Coloque-se no seu lugar e HAJA COMO ALGÚEM QUE TEM INTELIGÊNCIA!!!!
 
Maria Souza em 24/05/2011 05:00:32
Na verdade o vergonhoso não é não ser a melhor faculdade e sim a forma desrespeitosa que nossos alunos e futuros profissionais estão sendo tratados. O escândalo são os inúmeros desvios de verbas que tomamos conhecimento diariamente e a falta de recursos da escola pública. E pior, este dinheiro sai de nossos bolsos com a finalidade de ser aplicado em educação, saúde e segurança pública mas não é isso que vemos acontecer em nosso país. Parabéns alunos da UFMS pela manifestação!
 
Maria Alice Lordêlo em 24/05/2011 04:35:31
Boa tarde, acredito que posso dar uma opnião um pouco mais imparcial do que a dos caros colegas acima, hoje sou academica do 2º Semestre de Direito Noturno da UFMS, entretanto também já fui academica da Universidadde Dom Bosco. A qualidade do curso particular é realmente um fato, porém a faculdade quem faz e sempre fará é o aluno. Tive e tenho contato com pessoas que serão excelentes profissionais e juristas no futuro, não pela Universidade que cursam, mas sim como cursam esta faculdade. Afinal o que está exposto na matéria não é qual Universidade é melhor que a outra ou qual vão possuir os melhores profissionais no futuro. E sim a falta de compromisso com administração da Universidade Federal, que não possui profissionais suficientes, e ainda quando conseguimos os chamados "voluntários", não dão nenhum suporte para estes, assim como fazem com os alunos, a falta de seriedade inclusive na matricula onde nos emitem um papel de 5cm x 20cm com apenas uma assinatura, dizendo que estamos matriculados naquele semestre. Não conseguimos ter acesso a uma lista de chamada e atualizada, demoramos quase um semestre para conseguir o número do nosso RGA. Claro não podemos deixar de falar das melhorias como a compra das carteira novas para as sala de aula do bloco VI, porém também não podemos deixar de lembrar que as carteiras antigas ainda se encontram nos corredores deste mesmo bloco. Quanto ao Universitário que nos deu aula, já o conhecia de outros ares, sim realmente ele é uma pessoa extremamente competente, e acredito que qualquer das áreas do direito que ele quiser seguir, o seu sucesso e prestígio desde já é certo e garantido. A ele só tenho agradecer pois se não fosse sua disponibilidade e dedicação estariamos devendo mais uma matéria no Siscad, a qual deveríamos recuperar até o final do curso para obter nosso diploma, já a professora que assumiu a resposabilidade de nos dar aula, lamento pela sua perda, sei bem como é perder um ente querido. E quanto a administração da Fadir peço que fique mais atenta, dedique-se um pouco mais, una-se aos alunos em vez de se voltarem contra eles, tenho certeza que unidos podemos sim fazer um curso melhor e mais digno de uma Federal.

att,
Bárbara Ávila.
 
Bárbara Ferreira Ávila em 24/05/2011 04:33:55
As Universidades Federais já foram mais sérias. Os grandes nomes do Direito em nosso Pais são provenientes de Universidades Federais. É uma vergonha a situação em que se encontra a UFMS com relação a este fato, mesmo que isolado.
 
Edson Junior em 24/05/2011 04:29:45
Sou estudante da Fadir, tô no ultimo semestre, e posso afirmar uma coisa: se não tivesse professores voluntários para dar aula, o curso seria impossível.
Valeu a ajuda do professor-aluno supra comentado. Parabéns pelo esforço: trabalhar de graça é uma droga.
Outra coisa é verdade: a organização do curso é...
vô nem falar em respeito a comunidade sulmatogrossense.
Só para dar um exemplo, a algum tempo nem havia protocolo...
eu acho que essas atas não foram entregues pq ELAS NEM EXISTEM.
essa é minha tese.
Coisas de Brasil.
 
Johnny Alves de Moura e Silva em 24/05/2011 04:27:22
Quem disse que a maioria dos academicos da UFMS são pessoas humildes e de classe média baixa??? hauhauahua isso é utopia... qts alunos de escola pública fazem medicina, direito, arquitetura ou engenharia na federal??? nossaaaa quanta hipocrisia... Quanto ao fato do acadêmico que ministra aulas na UFMS, este merece elogios, pois se não fosse sua capacidade intelectual, não estaria onde está. Esse negócio de a UFMS ser a melhor já eraa.. e se ainda duvida.. é só dar um mergulho com os morcegos na linda piscina que a FEDERAL disponibiliza para os academicos de educação física. rsrsrs
 
Loretta Barbosa Figueiredo em 24/05/2011 04:06:33
Melhor mesmo professor voluntário que tem o dom de ensinar, do que um concursado que só quer usar o status de professor universitário para fazer politicalha partidária, por isto que o ensino no País está esta porcaria...Universitários reajam, façam greve, acordem esses amorfas.
 
douglas lincoln em 24/05/2011 03:58:35
Sou formada em Direito pela UFMS e eu sim posso falar com conhecimento de causa! As federais, têm sim muitas dificuldades, mas continuam sendo as melhores! Isso porque a qualidade está nos acadêmicos, a seleção é a mais difícil e isso garante que somente os melhores passem por ela! Quem não reconhece isso é porque no fundo queria estar lá e não pode! E a diferença vc vê na hora de arrumar um estágio ou emprego, eu achava que não existia, até na hora que eu mesmo me vi numa entrevista em que fui selecionada por causa do "F" no nome da minha instituição de ensino!
Agora, dificuldades sempre vão existir e lutar pelo fim delas faz parte da educação do acadêmico de uma federal. Acho que por isso damos mais valor e nos esforçamos em sermos reconhecidos! Tenho orgulho da minha formação e enquanto estive lá, lutamos por outras causas, agora é a vez deles, e assim, todos esperamos que um dia a luta seja somente por um lugar nas cadeiras da federal!
 
Paula Caroline em 24/05/2011 03:15:20
Censura e abuso de poder é o que mais tem nos cursos da UFMS. Tem professor lá, que é também coordenador do curso, e não sabe nem falar o português corretamente.
 
Ana Paula em 24/05/2011 03:09:16
Obrigada Campo Grande News por dar atenção ao nosso movimento estudantil, isso é de grande valia para todos nós!
 
Tainara Rodrigues em 24/05/2011 03:06:57
Melhor um estudante auxiliando outros a se desenvolverem, do que pseudo-professores que só sabem reclamar, reclamar e reclamar além de se envolverem em politicagens eleitoreiras dentro da própria universidade.
Esqueceram que o professor é um motivador para o desenvolvimento? Ele não é e nunca será o salvador da pátria. Professor universitário é motivador, salvador da pátria tentam ser reitores.
 
Orlando Lero em 24/05/2011 02:41:12
Lendo esta notícia, me vi nos tempos aureos da faculdade de direito. Onde para tudo havia mobilização, protesto. Uma beleza, ai está a forma da democracia. Parabéns. Quanto ao professor, mesmo que precoce talvez seja um gênio, talento não tem idade.
 
Pontes de Miranda em 24/05/2011 02:36:10
Acadêmico da UCDB dando aula na UFMS. Dá pra concluir que ou a UCDB é a melhor do Estado ( assim eles colocam em outdoors espalhados pela cidade toda ), ou a UFMS está em decadência. Futuros profissionais do Direito. Que azar de quem estuda lá hein!
 
Danieli Lopes em 24/05/2011 02:25:49
E depois dizem que federal é melhor..
Em universidade particular temos PROFESSORES E AULAS NORMAIS!!
 
Maria Souza em 24/05/2011 01:55:09
O mais lamentável não é somente a falta de professores, mas a desorganização do curso, hora vista que o academico é obrigado a se adequar aos horários malucos desta universidade, hora o academico tem aulas de manha, hora tem aulas a tarde, ou seja, pergunte se, como na maioria dos casos os academicos, que sao de familias humildes ou classe média baixa! Como estes poderão trabalhar, buscar empregos ou até estágios para ajudar suas respectivas familias e viver com um pouco de dignidade????
 
Gustavo Cesar C. Gonçalves em 24/05/2011 01:33:34
kakakaka... o cara estuda em uma Universidade Particular e dá aula na Universidade Federal!!!
É mais ou menos como pegar o atacante do Oeste de São Paulo (time da Série D do Campeonato Brasileiro) para ensinar o Neymar, o Ganso, o Elano e o Zé Eduardo do Santos a fazer gols!
"Meu"... este cara é bom em alguma coisa, não é possível.
Ele tinha que ser promovida a Reitor da Universidade onde ele estuda!
kakakakaakak
 
Roger Nascimento em 24/05/2011 01:31:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions