A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

01/12/2011 19:11

Beira-Mar movimentou R$ 62 milhões de dentro da cadeia, diz Polícia

Fernando da Mata*

Esquema de lavagem de dinheiro do tráfico foi desarticulado na Operação Scriptus, da Polícia Civil do Rio. Empresa de MS integrava quadrilha

Traficante Fernandinho Beira-Mar (Foto: Marcelo Victor/Arquivo)Traficante Fernandinho Beira-Mar (Foto: Marcelo Victor/Arquivo)

R$ 62 milhões obtidos com o tráfico de drogas. Esse foi o montante movimentado pelo traficante Luiz Fernando da Costa, o ‘Fernandinho Beira-Mar’, de dentro da cadeia no último ano, segundo a Polícia Civil do Rio de Janeiro.

As investigações da Operação Scriptus, deflagrada nesta quinta-feira (1º) em Mato Grosso do Sul e mais quatro estados, apontam que o dinheiro ilegal era ‘lavado’ em cinco empresas, sendo que uma é sediada em Campo Grande. A ação visou desarticular o esquema de lavagem de dinheiro da facção criminosa comandada por Beira-Mar.

De acordo com a Polícia Civil do Rio de Janeiro, o capital era depositado em diversas contas bancárias, em caixas eletrônicos, por pessoas associadas ao grupo criminoso, exercendo o papel de ‘agentes depositantes’.

Operação - Ao todo, 16 mandados de busca a apreensão foram cumpridos nos cinco estados, sendo oito em Campo Grande.

Apesar de terem sido presas 16 pessoas, nenhuma é de Campo Grande, conforme declarou durante a manhã o delegado da Subchefia de Operações da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Fernando Vila Pouca. Todos os presos responderão por tráfico de drogas, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

A ação, desencadeada pelo Núcleo de Combate a Corrupção e Lavagem de Dinheiro (NUCC-LD), contou com cerca de 200 agentes dos cinco estados.

De acordo com o delegado Flávio Porto, coordenador do NUCC-LD, as investigações tiveram início há cerca de um ano, após apreensão de 14 retalhos de papel pautado, com manuscritos do traficante ‘Fernandinho Beira Mar’, encontrados durante a ocupação do Complexo do Alemão, na Penha, Zona Norte do Rio.

A análise do material levou ao traficante e revelou o esquema usado pela quadrilha para adquirir armas e drogas.

Delegado do Rio que comandou operação em Campo Grande (Foto: João Garrigó)Delegado do Rio que comandou operação em Campo Grande (Foto: João Garrigó)

“O que mais nos chamou atenção foram esses 14 pedaços de papel pautado com manuscritos. Na análise deles conseguimos ver que o conteúdo era expressivo e levava à facção criminosa que até então dominava o tráfico de drogas no Complexo do Alemão. Essa suspeita nos levou a confrontar a grafia dos manuscritos com alguns requerimentos administrativos que levavam ao traficante ‘Fernandinho Beira Mar’. Esse confronto deu positivo”, explicou o delegado.

Ainda segundo o coordenador do Núcleo, as investigações, que tiveram apoio da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) e da Coordenadoria de Inteligência e Informação Policial (CINPOL), apontaram para a existência de uma espécie de “terceiro setor”, integrado por pessoas físicas e jurídicas. Os agentes identificaram então as cinco empresas e o montante movimentado por Beira-Mar.

Ao perceber essa movimentação, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), em parceria com a Polícia Civil, possibilitou o bloqueio e sequestro dos saldos das contas bancárias envolvidas no esquema, por onde circulavam mais de R$ 20 milhões.

Durante as investigações foram identificadas 112 pessoas físicas e 70 pessoas jurídicas. “Já conseguimos a prisão temporária do ‘núcleo duro’ das células e o sequestro do saldo bancário e bloqueio das contas. Estamos atingindo as pessoas que tem uma posição funcional na cadeia do tráfico de drogas, de armas e lavagem de dinheiro, mas as investigações vão continuar para que possamos desarticular essa quadrilha”, disse o coordenador.

(*) Com informações da assessoria de comunicação da Polícia Civil do Rio

Operação deflagrada por policiais do RJ já prendeu sete pessoas
Os policiais estiveram em um garagem na avenida Ernesto Geisel, onde apreenderam documentosSete pessoas já foram presas durante a operação “Scriptus...
Policiais do RJ e MS fazem operação na Capital e em mais quatro estados
A operação é realizada também no Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Cerca de 200 agentes estão envolvidos na açãoAgentes da Polícia C...


com certeza parte desses milhoes foi aplicado em gado aqui na regiao de bela vista,todos aqui sabem quem é os "parceiros" do fernandinho beira mar,tem ate um ex-prefeito.....
 
maria eunice em 02/12/2011 10:40:13
Que legal né, o importante nao foi só apreenderem as ideias do Fernandinho desta movimentaçao toda, o importante tambem foi por causa desta movimentaçao toda, terem desmamado um monte de gente que com certeza cobravam muito para deixarem o homem fazer este movimento todo na prisao, agora muita gente deixou de arrecadarem suas propinas. Se fosse voceis deixava o trem comer solto, pelo ao menos.....
 
Gerson Pereira Souza em 02/12/2011 09:27:06
Agora te pergunto:Para que serve cadeia?Bom acho que ja sei,eles devem se reunir ali para trabalhar melhor sobre trafico,discutir o caso fazer reuniões onde irao atuar;na cadeia com certeza pra eles é o melhor lugar pq o rango vem na hora certa,agua gelada,tv,banho sol entre outros e la fora não eles tem que paga empregados p fazer isso agora pra que paga se o governo pode paga p eles.
 
Fernando Barros em 02/12/2011 09:08:31
É uma vergonha !! como Brasileiro fico indignado !! será que não tem como conter isto?a minha certeza é que Deus está vendo, e o resultado virá .
 
Vitor Eduardo Cesar Rojas em 02/12/2011 09:00:15
Que blz..... 62 milhões???
Essa conta eles conseguiram fazer, agora quero ver quem consegue responder quantos desses 62 milhões ficaram retidos na própria penitenciária para deixarem movimentar o resto???
 
Jonny Percebe em 02/12/2011 08:33:50
A Polícia é excelente mais as leis são fracas, ruins beneficente ao tráfico, gerando suspeita de quem faz. Se fosse em País sério, um traficante desse não teria liberade como tem nas prisões federais nossas. Ninguém se preocupa com direitos humanos de vítima do tráfico, mas sim com a do preso bandido. Parece que os doutores que se preocupa, tem culpa no cartório.
 
luiz alves pereira em 02/12/2011 08:29:34
Enquanto não houver uma mudança na lei impedindo aos criminosos visita íntima de família, advogados (ele tem 10), não haverá presídio que resolva. Deveríamos aplicar as leis da Itália que, para isolar os mafiosos, decretaram a incomunicabilidade com família e advogados por 10 anos. Alguém houve falar da máfia italiana hoje? Não culpem os sist. prisionais, estadual e federal, esses executam a lei.
 
franz kafka em 02/12/2011 07:03:54
Acho que esse Beira- Mar deve ter o dossie de muita gente importante. Tem vagabundo importante morto a rolé e não mataram ainda esse marginal. Tem coisa aí.
 
JOSÉ PEREIRA FILHO em 01/12/2011 11:46:05
Enquanto a Justiça Brasileira continuar a dar primazia aos direitos individuais de bandidos, em detrimento dos direitos da sociedade, esse tipo criminoso se perpetuará. Não queremos o Direito Penal do Inimigo. Queremos menos regalia aos malfeitores da sociedade. Endurecer o rigor de cumprimento da pena para evitar a reincidência é o caminho.
 
Sebastiao Pereira dos Santos em 01/12/2011 09:43:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions