A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

16/12/2010 09:25

Brasileiro consome açúcar demais e frutas e verduras menos que o necessário

Agência Brasil

O brasileiro continua consumindo açúcar em níveis superiores ao considerado aceitável, que é 10% de toda a ingestão calórica em um dia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre os anos de 2003 e 2009, os açúcares se mantiveram em 17% da dieta diária em todo o país e em todas as classes de renda. Além disso, as gorduras, principalmente os ácidos graxos saturados, ganharam mais espaço na mesa do brasileiro. No mesmo período o consumo de lipídios (gorduras) aumentou de 27,8% para 28,7%. Já as frutas e as hortaliças ainda são pouco consumidas e representam 2,01% e 0,80% das calorias ingeridas pelo brasileiro, respectivamente.

A constatação é do suplemento Avaliação Nutricional da Disponibilidade Domiciliar de Alimentos no Brasil, da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009, divulgado hoje (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento avalia a qualidade nutricional dos produtos disponíveis para alimentação no domicílio, em termos de participação no consumo de calorias, carboidratos, proteínas e gorduras.

O estudo também revela que alimentos básicos e tradicionais na dieta do brasileiro, como o arroz, feijão e a farinha de mandioca, vêm perdendo importância, enquanto alimentos processados prontos para consumo ganham cada vez mais espaço na mesa. É o caso de pães, embutidos, biscoitos, refrigerantes e refeições prontas.

Para a publicitária Sibele Villar, que não é muito adepta de frutas e verduras, a correria do dia o dia e a grande oferta de produtos industrializados nas prateleiras dos supermercados abrem caminho para uma alimentação menos saudável.

“Eu já não sou muito fã de frutas, verduras e legumes. E, como a gente acha com facilidade pães, biscoitos e coisinhas prontas bonitinhas e gostosas, além de fáceis de carregar na bolsa, acaba optando por eles. É mais prático e a novidade sempre atrai”, afirma.

De acordo com a nutricionista clínica Vânia Barberan, membro da Associação de Nutrição do Estado do Rio de Janeiro, o problema do consumo excessivo de produtos industrializados está diretamente relacionado à maior ingestão de açúcares e gorduras.

“Para aumentar o tempo de armazenamento e garantir o sabor desses alimentos, eles são ricos em gorduras e açúcares. O problema é que, também por conta da correria cotidiana, o homem de hoje tem uma vida muito sedentária. E essa associação é muito ruim para a saúde porque gera obesidade, aumento das taxas de colesterol e problemas cardiovasculares”, explicou.

A pesquisa chama a atenção, ainda, para uma melhora no padrão de consumo de alimentos observada em todas as regiões e em todas as classes de renda: a adequação sistemática do teor proteico dos alimentos, que passou de 11,6% para 12,1% nesse período, e a elevada participação de proteínas de origem animal, que subiu de 6,1% para 6,7%.

De acordo com o levantamento, em linhas gerais a composição da dieta do brasileiro, com base nos chamados macronutrientes, evidencia uma adequação às recomendações nutricionais. A única exceção fica mesmo por conta do consumo do açúcar. Em 2009, a dieta era composta da seguinte forma: 59% das calorias totais disponíveis para consumo nos domicílios brasileiros eram provenientes de carboidratos, 12% de proteínas e 29% de lipídios. De acordo com a OMS, os carboidratos devem representar entre 55% e 75% das calorias totais; as proteínas, entre 10% e 15%, principalmente de origem animal; e os lipídios ou gorduras, entre 15% e 30%. O documento destaca, no entanto, que este último tende a ultrapassar o recomendado nos próximos anos.

A análise regional e a observação de áreas rurais e urbanas reproduzem esse padrão de adequação do teor proteico e excesso de açúcares. Indicam, ainda, que nas áreas urbanas das regiões economicamente mais desenvolvidas, como o Sul, Sudeste e Centro-Oeste, e, de modo geral, no meio urbano e entre famílias com maior renda, verificou-se consumo elevado de gorduras, em especial as saturadas. No Sul, os lipídios respondem por 31,6% do total de calorias; no Sudeste, por 30,6%; e no Centro-Oeste, por 29,6%.

Autorização para psicólogos aplicarem terapia de reorientação sexual é mantida
O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia pr...
Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...
Acordo entre poupadores e bancos vai beneficiar 30% dos que entraram na Justiça
Das 10 milhões de pessoas que entraram na Justiça por perdas no rendimento de cadernetas de poupança, apenas cerca de 3 milhões serão beneficiadas, s...


Acredito que o consumo de frutas, verduras e legumes não está presente na vida das pessoas, devido ao custo das mesmas, o que ocasiona apenas o consumo das verduras, legumes e frutas da estação, pela facilidade com que é encontrada e pelo preço. Várias pessoas tem vontade de ter variedades de frutas no cardápio diário,mas é dificil administrar dois salários mínimos quando temos que pagar faculdade, água, luz e etc...
 
Marina Martins de Araujo em 16/12/2010 11:14:31
Sabem o motivo real? ... Pesquisem o preço real das frutas e verduras e façam os cálculos de quem ganha um salário mínimo, que é a maioria dos brasileiros. E verifiquem se o brasileiro for consumir tudo de acordo com essas pesquisas, ele não dorme, não se veste, não anda e o pior, não vai ter moradia, vai viver somente para pagar frutas e verduras. ALGUMA DÚVIDA?
 
Marcelo Max em 16/12/2010 11:07:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions