A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

22/04/2008 17:26

Campo Grande quer recurso para monitorar qualidade do ar

Redação

O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Informações de Campo Grande aprovou hoje projeto que prevê investimento de R$ 600 mil para implantar na cidade sistema de monitoramento do tempo que inclui uma medição inédita, a da qualidade do ar. Hoje, não se conhece os efeitos de poluentes no ar de Campo Grande, como por exemplo das queimadas, que costumam castigar o Estado nas épocas de estiagem, e isso seria garantido com o sistema proposto.

A proposta levada ao Conselho é capitaneada pelo meteorologista Natálio Abraão, da Uniderp (Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região) e professor da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul ) Wildinei Alves Fernandes. A aprovação pelo conselho, formado por representantes de 20 entidades, entre órgãos de pesquisa e representantes do comércio, indústria e da sociedade organizada, é o sinal verde para o apoio da prefeitura à iniciativa.

Agora, como explicou o Secretário de Fomento ao Agronegócio, Indústria, Comércio, Turismo e Ciência e Tecnologia, João Carlos da Costa Sobrinho, a proposta será formatada pela área técnica da secretaria para ser apresentada ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Se aprovada, conforme o secretário, será a vez de gestionar junto à bancada estadual em Brasília para assegurar a liberação dos recursos.

O secretário está otimista. Afirma que a meta é colocar o projeto em prática dentro de um ano. A proposta inicial previa ainda o monitoramento dos córregos da cidade, mas foi redimensionada para que seja mais fácil conseguir os recursos.^

Importância - Segundo a avaliação do secretário, o projeto vai suprir uma lacuna grande na cidade, com a implantação de cinco estações metereológicas. Sobrinho afirma que, com elas, será possível usar informações de satélite para antecipar chuvas e onde elas serão mais fortes.

Com isso, a Defesa Civil teria mais facilidade para ações de prevenção, como orientação de trânsito e também a famílias que vivem em áreas de risco.

O professor Wildinei acrescenta que, em relação à qualidade do ar, que hoje não tem qualquer medição na cidade, a concretização do projeto pode trazer um novo instrumento de saúde pública. Ele explica: sabendo como está a qualidade do ar, por meio de índices que estabelecem se está adequada ao ser humano, a rede pública de saúde pode se organizar para atender casos de pessoas que sejam vítimas dos males ocasionados pela poluição, como por exemplo as doenças respiratórias.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions