ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  04    CAMPO GRANDE 21º

Capital

"Veio me beijar e eu quis matar", diz garoto que matou estudante

Adolescente que estrangulou universitário ainda afirmou: “Gay para mim é verme”

Por Nadyenka Castro e Mariana Lopes | 11/12/2012 14:47
Adolescente e policiais, na saída da 1ª Delegacia de Polícia. (Foto: Simão Nogueira)
Adolescente e policiais, na saída da 1ª Delegacia de Polícia. (Foto: Simão Nogueira)
Celular e documento do jovem asssassinado foram encontrados com adolescentes.
Celular e documento do jovem asssassinado foram encontrados com adolescentes.

Os adolescentes de 15 anos apreendidos nesta terça-feira pela morte do universitário Lawrence Corrêa Biancão, 20 anos, confessaram o crime e revelaram os motivos: roubo e homofobia. “Ele veio me beijar e eu quis matar”, declarou à imprensa o garoto que atacou o estudante no bando de trás do carro.

Os dois foram apreendidos em casa pela 1ª Delegacia de Polícia Civil. O primeiro, que teria ligado para o acadêmico de publicidade e propaganda para marcar encontro, foi localizado no bairro Vida Nova, e o outro, na rua João Rosa Pires, no Amambaí. O primeiro é a pessoa que os amigos de Lawrence disseram que tinha ligado para ele para marcar o encontro.

De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Wellington Oliveira, os adolescentes contaram em detalhes como conheceram Lawrence, porque marcaram encontro, porque o mataram e porque o deixaram no local.

Conforme as declarações dos meninos, um deles conheceu o universitário duas semanas antes do crime na Orla Morena. Segundo ele contou, passava pelo local e Lawrence ‘mexeu’ com ele. Os dois conversaram e trocaram telefones.

Segundo a Polícia, o adolescente, então, conversou com o amigo e eles combinaram que iriam marcar encontro com Lawrence para matá-lo, roubar o carro e levar o veículo para Minas Gerais.

O encontro foi marcado para a madrugada de domingo, no mesmo local em que tinham se conhecido. Os dois adolescentes entraram no Ford Fiesta de Lawrence, deram uma volta na quadra e pararam. Os três se masturbaram e voltaram ao ponto onde tinha se encontrado, segundo o depoimento.

No local, durante a despedida, o adolescente que estava atrás do banco do estudante – o motorista – deu uma gravata nele. Lawrence desmaiou e foi estrangulado com o cinto de segurança, pelos dois garotos. O assassinato foi por volta das 4h.

Segundo o delegado, os assassinos confessos disseram que tentaram tirar do carro o corpo do acadêmico, mas, desistiram porque acharam pesado e verificaram que ali não seria um bom local para deixar o cadáver.

Eles fugiram levando o celular da vítima, documentos, a chave do carro e ainda o aparelho de som. Os objetos foram encontrados na casa de um dos envolvidos, no bairro Amambaí.

Lawrence, de 20 anos, foi encontrado morto no domingo, dentro do carro, na Orla Morena. (Foto: reprodução Facebook)
Lawrence, de 20 anos, foi encontrado morto no domingo, dentro do carro, na Orla Morena. (Foto: reprodução Facebook)

Homofobia - “Eles são homofóbicos e ficaram com nojo. Trataram a vítima como um verme. Eles saíram para matar, porque homossexuais eles não são”, declarou o delegado, que com as apreensões, dá como encerrada a investigação. “O trabalho da Polícia está feito, agora cabe ao judiciário”.

A Polícia irá verificar se o veículo havia sido encomendado por alguém de Minas Gerais, porém, afirma que o Estado mineiro não é rota de automóveis roubados.

Crime –Lawrence foi encontrado morto no início da tarde desse domingo (9), dentro do carro dele, com o cinto de segurança no pescoço.

Ele havia saído com amigos na noite de sábado. Estes foram os primeiros a serem ouvidos pela Polícia e declaram que o universitário havia dito o nome de um rapaz que tinha ligado para ele e marcado encontro. Esta pessoa é um dos adolescentes apreendidos.