A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

16/04/2013 16:56

"Eu paguei a bala que matou meu filho", diz mãe de Ike, morto por PM

Nadyenka Castro e Viviane Oliveira
Família de Ike levou cartazes à Praça do Rádio Clube. (Foto: Marcos Ermínio)Família de Ike levou cartazes à Praça do Rádio Clube. (Foto: Marcos Ermínio)
Jacira, de óculos, fala dos sentimentos 6 meses após o crime. (Foto: Marcos Ermínio)Jacira, de óculos, fala dos sentimentos 6 meses após o crime. (Foto: Marcos Ermínio)

Ela enterrou o filho, Ike Cézar Gonçalves, no dia que ele completaria 30 anos e agora, quase seis meses após o crime, Jacira do Nascimento, recebe com sentimentos de revolta, medo e de impotência a notícia da soltura do policial militar Bonifácio dos Santos Júnior.

“Eu paguei a bala que matou meu filho”, diz a assistente financeiro, explicando que Bonifácio é servidor público e usava arma do Estado no dia do crime. Além disso, o salário é resultado de impostos pagos por ela, enquanto cidadã.

Jacira reuniu a família na Praça do Rádio Clube para protestar contra a soltura. Eles levaram cartazes e estavam vestidos com camiseta estampada a foto do técnico de enfermagem e comerciante.

Revoltada com a concessão do habeas corpus a Bonifácio, ela diz que ele deveria proteger os cidadãos. “Uma pessoa que está para defender e proteger a sociedade, não pode matar”, fala Jacira.

Ela diz que espera que ele seja condenado pelo que fez e que volte à prisão. Jacira também quer outra reunião com o Comando da PM (Polícia Militar) para ter informações sobre o processo administrativo que pode terminar com a exclusão dele.

Adrian Lucas Rodrigues Gonçalves, 20 anos, estava com o irmão, Ike, na madrugada do dia 28 de outubro do ano passado, quando ele foi morto. Para ele, o fato de Bonifácio ter visto rosto da família e agora estar em liberdade, representa ameaça. “A gente pensa até em medidas protetivas”, diz.

Viúva de Ike, Tatiane Virgínia, 30 anos, lembra que se Bonifácio quisesse realmente acabar com a confusão que acontecia em frente a casa de shows Santa Fé, não atiraria na cabeça do marido dela. O casal tem três filhos: de oito, cinco e quatro anos.

Ike foi morto com um tiro na testa e o amigo teve a perna atingida de raspão, quando tentava separar uma briga na saída da festa. Depois do crime, Bonifácio e o amigo, Osni Ribeiro de Lima, fugiram. Os dois foram presos nas respectivas casas. Osni, acusado de ter dado fuga para o PM, foi solto no fim do ano passado e o policial, nessa segunda-feira. Ambos por habeas corpus.



Os policiais militares estão se doendo com a frase, então exijam da Corregedoria a expulsão do seu colega de trabalho, pois a maça pobre contamina o cesto. E pelo que parece os pm podem matar civis, que fica por isso mesmo, não existe justiça. O policial militar Bonifácio dos Santos fez o que com o treinamento que recebeu, é assim que vocês treinam seus policiais, para que eles hajam como pistoleiros, e exterminem uma pessoa com um tiro na cabeça?????????? NA CABEÇA??????????????
 
Anne Gonçalves em 17/04/2013 13:54:12
Não justifica o assassinato do rapaz, mas dizer que ele era inocente? quem estava lá viu o que aconteceu, sabe que não foi isso, essa família tem histórico por Campo Grande a senhora mãe deles, já apareceu duas ou três vezes por conta de briga dos filhos, e mais, por que um pai de família com 3 filhos, vai separar briga? e porque estaria na balada sem sua esposa? ambos estavam errados, infelizmente veio a acontecer o sinistro, mas não isenta Ike de sua culpa.
 
Paulo Azevedo em 17/04/2013 13:05:06
Carlos moraes.não esta contente com o seu trabalho acha que ta pagando pra trabalhar,pede pra sair .da lugar pra quem realmente tem Competencia para exercer a profição fica a dica.
 
saulo bitencurt em 17/04/2013 09:33:18
Respeito toda a sua dor, sou pai e tbm ja perdi um filho. Agora me deixa indgnado é a senhora falar que "pagou a bala que matou seu filho"! Há mais de ano tive que deixar de dar umdoce a meu filho pra comprar uma bala de munição para minha arma. Lamento a morte de seu filho, imagino seu desespero, não sua dor, afinal ela é singular. Mas não faça sensacionalismo em momento de desespero! Não posso julgar se a conduta do policial foi certa ou errada. Mas posso falar que tinha um certa convivência com o acusado e notar que ele era meio inocente demais pra polícia, até um bobão. Podendos até acusá-lo por sua irresponsabilidade, imprudência e ainda até incapacidade mas não municia-lo pela culpa da morte de seu filho, "acho-o" incapaz de matar alguem por raiva.
 
felipe delcanhe em 17/04/2013 09:16:04
Essa senhora Marcia de Souza Roter generaliza uma ação isolada de um policial de folga!!! Direito dela criticar mas deveria se informar melhor se embasar em estatísticas sobre a polícia militar do MS que apesar de ser um dos piores salários da federação salvo o engano 26° pior salário é uma das menos corruptas e eficientes!!! pagamos sim os salários dos pms como pagamos todos os servidores públicos sejam eles municipais, estaduais e federais!!! então senhora Marcia se tem a critica que seja uma critica construtiva atirar pedra em cachorro morto é fácil quero ver a solução para a segurança pública perfeita como a senhora quer!!!
 
VANDERLEI ARRUA em 17/04/2013 09:13:16
eu nao sei se tenho mais medo de bandido ou de policia. é dificil encontrar um correto
 
julia souza em 17/04/2013 08:35:10
Entendo muito bem sua dor,para nós mães de familia é dificil suportar isso.
Mas um pai de 3 filhos,casado,com a esposa em casa sair para um casa de show e
se envolver numa briga,complicado né...se estivesse em casa cuidado de seus filhos talvez nada disso teria acontecido.
 
Aide Roque em 17/04/2013 08:29:36
Respeito a dor da mãe que perdeu seu filho, não importa em quais circunstâncias os fatos ocorreram.
Mas a frase "eu paguei a bala que matou meu filho", é totalmente descabida. Isso abre pretexto para vários servidores públicos reclamar inclusive do péssimo salário que recebe.
Todos os contribuintes, sem exceção, pagam por todas as despesas do Estado. Se é você quem paga o salário do servidor, seria essa a razão dele ganhar tão pouco?

Ou se confia na Justiça, ou não se confia...
Não importa como os fatos se deram, todos tem direito à defesa. A Justiça é quem decide se é culpado, se é inocente, se vai ficar preso ou se vai ficar em liberdade.
A nós, simples mortais, só nos resta ficar abismados com certas decisões.
 
Jair Pereira Bastos em 17/04/2013 08:20:21
Lamentamos muito o que aconteceu... Mais no fim de tudo nada podera trazer ele de volta. E a dor da familia sempre estará presente.... No minino essa pessoa que fez essa maldade deveria ficar preso...
 
Suelen Barbosa em 17/04/2013 08:19:44
a realidade é que os policiais estão, são poucos preparados p fazer o uso de arma na segurança pública, no geral, pois só visam o lucro profissional, só pensam em greve p aumentar seu ganho, e por outro lado o governo que não dá o preparo ideal para o agente da lei realizar seu trabalho com eficiência a nós cidadãos.
 
marcia de souza roter em 17/04/2013 07:44:45
Lamento muitisssimo a perda do seu filho,mas o que ninguem ve o lado dos policiais,as condiçoes de serviço deles,meu namorado e policial e quando foi entrar teve que pagar por tudo que ele utiliza para proteger a sociedade que se diz que pagou eles tambem pagam seus impostos como todo mundo...e agora pimenta no C e refresco faça mil favores...acho que todos temos que ver o outro lado tabm...
 
Pamella de Paula em 17/04/2013 07:42:29
Então, Sr Carlos Moraes, de onde vem seu salário?
 
LUIZ Santos em 17/04/2013 07:22:47
Respeitamos a dor pela perda de um ente querido, mas vir com esta conversa de paguei a bala. A população tem que parar de achar que paga o salário da PM. Todo policial militar paga seu imposto, cumpre com suas obrigações. Aliás, ta pagando muito mais, pois tem que comprar fardamento, que é obrigação do governo. Vamos acordar e cobrar de nossos políticos, que só lembram da população em época de eleição. Temos que mudar estas leis retrógadas. Uma pessoa ''comum'' pode ter o beneficio da lei, um policial não. Conversa.
 
SANZARTINO FERREIRA BARBOSA em 16/04/2013 22:49:09
Refutável senhor Carlos Moraes? O seu salário e sua bala é pago por nós, ou de onde você acha que o seu salário vem?
 
José Antonio em 16/04/2013 22:34:47
E eu como PM pago a farda, equipamentos e até mesmo munições que uso para proteger uma sociedade que só sabe criticar as ações da minha corporação. Não vejo tanta revolta com atitudes erradas dos políticos, por exemplo, que recebem vencimentos escandalosos para surrupiar o dinheiro que deveria ser aplicado em segurança, saúde e educação. Quantas pessoas estes políticos "matam" diariamente com tais desvios? Além disso, a "bala" não foi paga só pela senhora, foi paga por todos nós, inclusive eu que também sou funcionário público e cidadão. Respeito sua dor, de forma alguma sou conivente com a atitude lamentável deste servidor público, sua atitude não condiz com o que aprendemos e o que juramos fazer, mas este argumento de "sou eu que pago seu salário" é facilmente refutável.
 
carlos moraes em 16/04/2013 21:39:08
Eu respeito seu sentimento e lamento muito a morte do seu filho,porem discordo da frase Eu paguei pela bala que matou meu filho.Pois sou PM e muitas vezes tive que comprar bala do meu próprio salario para defender a sociedade.....
 
edmur Penedo em 16/04/2013 19:30:30
Esse Bonifácio assassino terá que ser expulso e consequentemente preso novamente para ser julgado,,, a justiça agora o soltou por que,,, vai cometer mais assassinatos!!!
 
Valter Vieira Alves em 16/04/2013 19:17:51
A ficha de era limpa ?
 
elias duarte em 16/04/2013 19:10:45
Corretiisima sua atiltulde como mae,,, tem fazer protesto tem lutar pra ver Brasil melhor porque ta Horrivel as Leis e direitos humanos protegem somente quem nao precisa ,,, ta complicado,,,
 
Rosilene carvalho em 16/04/2013 18:55:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions