ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  20    CAMPO GRANDE 20º

Capital

"Polícia não vê ameaça como crime”, protesta irmão de professora morta

Maxelline era motivo de alegria para a família nesse começo de 2020, ao ser aprovada em concurso público municipal

Ângela Kempfer e Maressa Mendonça | 02/03/2020 10:01
Família e amigos no cortejo para o sepultamento da professora. (Foto: Henrique Kawaminame)
Família e amigos no cortejo para o sepultamento da professora. (Foto: Henrique Kawaminame)

Durante o velório nesta manhã, o irmão mais velho de Maxelline da Silva dos Santos, o repositor Max Sandro, de 32 anos, é um dos poucos da família com condições emocionais de falar sobre o assassinato da professora, morta com tiro na cabeça, na noite de sábado.

Amparada por amigos, a mãe não sai do lado do caixão na filha, assassinada pelo ex-companheiro, aos 28 anos. O irmão caçula não para de chorar e chegou a desmaiar algumas vezes durante o velório, realizado nesta segunda-feira no cemitério Park Monte das Oliveiras, em Campo Grande.

Apesar de solicitar medida protetiva há 12 dias, no sábado, o guarda municipal Valtenir Pereira da Silva, de 35 anos, invadiu um churrasco onde a ex-companheira estava e matou Maxelline e a o proprietário da casa, Steferson Batista de Souza.

Para Max Sandro, a lição de que cão ladra e também morde veio da maneira mais trágica possível. “Não adiantou de nada a medida protetiva. A Polícia não vê ameaça como crime. A partir do momento que um homem ameaça uma mulher, já devia ser preso”, protesta.

Depois da morte, nada parece confortar a família. “Ele agora pode até ser preso, mas minha irmã vai para o caixão”, comenta Max.

Irmão caçula teve de ser amparado por amigos após o sepultamento. (Foto: Henrique Kawaminame)
Irmão caçula teve de ser amparado por amigos após o sepultamento. (Foto: Henrique Kawaminame)

Sonho realizado - Maxelline era motivo de alegria para a família nesse começo de 2020, depois de, finalmente, ser aprovada em concurso público municipal para trabalhar como professora temporária.

No sábado, a violência acabou com o sonho e a paz da família toda. “Estou tentando não chorar, mas por dentro estou despedaçado. Ele destruiu minha família. Ela era maravilhosa como irmã e como amiga”, diz o irmão.

Max conta que a irmã resolveu dar um basta na relação com Valtenir depois de descobrir que o guarda tinha “5 filhos, cada um de uma mulher”. “Ele menntiu e ela quis separar, mas a pessoa não sabe entender o que é não.”

A preocupação com o relacionamento aumentou no dia 17 de fevereiro, quando o guarda invadiu a casa de Maxelline, no Bairro Los Angeles. “Pulou o muro e chegou a apontar arma para ela, mas estava tão bêbado que não conseguiu atirar. Ela saiu de casa, pediu ajuda e registrou B.O”, relata o irmão.

Amiga e vizinha, Josely Peres de Oliveira diz que também percebeu o medo da professora diante do ciúmes doentio de Valtenir. “Eles se conheceram na escolinha que a Max dava aula, há uns 7 meses e desde o começo ela reclamava do ciúme.”

Segundo a vizinha, na semana passada a amiga deixou muito claro o temor de sair de casa após tantas ameaças do ex. “Ela foi ao cabelereiro e disse que só estava lá porque ele estava de plantão”, conta Josely.

Nos siga no Google Notícias