ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Acusado de matar cuidador de idosos irá responder por homicídio simples

Luana Rodrigues | 30/06/2015 09:44
No dia da morte, Gabriel chegou a confessar o crime, mas depois negou a autoria (Foto: Marcos Ermínio)
No dia da morte, Gabriel chegou a confessar o crime, mas depois negou a autoria (Foto: Marcos Ermínio)

O juiz Aluizio Pereira Dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, aceitou a denúncia do MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) contra Gabriel Gonçalves Barros de Araújo, 20 anos, que foi preso em flagrante por ser o possível o autor da morte do cuidador de idosos Roberto Carlos Duarte Estigarribia, 49 anos, ferido com dois golpes de faca no pescoço antes de morrer carbonizado. O crime ocorreu no dia 4 deste mês, na Rua Brigadeiro Tobias, na Vila Taquarussu, em Campo Grande.

De acordo com a denúncia, aceita no dia 26, Gabriel vai responder por homicídio simples. Roberto foi encontrado morto com duas perfurações no pescoço e carbonizado da cintura para baixo. Dois adolescentes, 15 e 16 anos, suspeitos de dar cobertura para Gabriel foram detidos, ouvidos pela polícia civil e liberados.

No imóvel foram encontradas duas facas, uma com marcas de sangue e a outra tinha sido lavada, além de um bilhete onde a vítima narrou uma briga que teve com Gabriel. Ele deixou escrito que foi ameaçado de morte e colocou o nome de duas testemunhas no papel, que foram localizadas pela polícia.

A dona de casa Tereza dos Santos Pompeo, mãe de Gabriel, contou que o filho vinha se desentendo com a vítima a algum tempo por causa de um hidrômetro, que fica próximo a casa de Rodrigo. Segundo a polícia, Gabriel vendia droga na região e usava o hidrômetro para esconder o entorpecente.

No dia em que foi preso, Gabriel chegou a confessar o crime ao delegado plantonista da Depa(Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga, Reginaldo Salomão, mas depois voltou atrás e negou.

Nos siga no Google Notícias