ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Advogado diz que PM matou empresário por ter se sentido “desrespeitado”

Segundo a defesa do policial, apesar dos problemas psicológicos, ele tinha o porte funcional e andava armado

Ana Paula Chuva e Ana Beatriz Rodrigues | 16/02/2023 15:15
José da Rosa falou com a imprensa em seu escritório na tarde desta quinta-feira. (Foto: Kisiê Ainoã)
José da Rosa falou com a imprensa em seu escritório na tarde desta quinta-feira. (Foto: Kisiê Ainoã)

O advogado José Roberto da Rosa, que atua na defesa do policial militar reformado que matou o empresário Antônio Caetano de Carvalho durante uma audiência de conciliação, alegou que o autor agiu mediante violenta emoção por ter sido “desmerecido, desrespeitado” pela vítima. A declaração foi dada durante coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (16).

Conforme a defesa, o militar contou que ano passado ele procurou a empresa de Caetano para fazer a substituição do motor de sua camionete, o valor ficou em R$ 30 mil. O pagamento foi feito através de Pix e outra parte com cartão de crédito. No entanto, após a entrega do veículo ele passou a apresentar problemas e os dois tiveram diversos desentendimentos por conta disso.

“Eles tiveram [desentendimentos] em algumas discussões acerca dos problemas que apareceram no veículo e no fato de que o autor teria que levar o veículo para os reparos e a vítima teria cobrado por cada ida e esses valores deveriam estar inseridos por conta da garantia. O José Roberto ainda sim pagou mais R$ 3 mil a título de compensação desses outros serviços”, disse o advogado.

Por conta das cobranças, o militar decidiu abrir uma reclamação no Procon e após isso, foi designada a audiência para o dia 10 de fevereiro. Nessa conciliação, Caetano teria apresentado uma nota fiscal de R$ 22 mil, mas o valor pago por José teria sido de R$ 33 mil e isso gerou um desconforto entre os dois.

“O José Roberto cobrou que ele queria a nota fiscal relativa aos R$ 33 mil que ele tinha pago e se fosse o caso discriminando as vezes em que voltou à loja para fazer os reparos no motor. O Caetano disse que não tinha essa nota ali e que na segunda-feira entregaria no Procon a nota. Meu cliente concordou em ir até o órgão retirar essa nota”, alegou.

Ainda de acordo com a defesa, o militar alegou que já havia sido desrespeitado pelo Caetano que chegou a dizer “como ele tinha uma SW4 se ele era um policinha preto”, motivo pelo qual a fatalidade poderia ter acontecido em outro momento, mas tudo foi superado e eles se encontraram na nova audiência.

“Nesse momento, segundo o José Roberto, foi apresentada uma outra nova para que ele pagasse R$ 630 relativa a uma troca de óleo na camionete por conta do problema que o motor tinha apresentado, ou seja, além da nota fiscal de R$ 22 mil ao invés de R$ 30 mil e dos R$ 3 mil gastos com consertos, a vítima levou essa nova nota. Ali começou uma nova discussão, Caetano ainda debochou dizendo que o valor poderia ser parcelado em dez vezes”, afirmou José.

“No momento em que a vítima se levantou, se dirigindo a ele em um tom áspero de voz, ele sacou a arma e desferiu três tiros em direção a Caetano. Ele alegou que não mirou em nenhum lugar do corpo, mas que os dois estavam muito próximos. Imediatamente virou, saiu da sala e fugiu”, relatou José Rosa.

Durante a coletiva de imprensa, o advogado chegou a afirmar que José Roberto alegou ainda que praticou o crime por conta de se sentir desmerecido e desrespeitado pelo empresário. O militar tinha o hábito de andar armado.

“Mas isso vai ser objeto de grande debate ainda porque não tive acesso ao restante do processo. Me parece que ele tem um transtorno grave, ninguém é reformado com tão pouco tempo de serviço policial e com os proventos quase integrais por problemas de saúde, então presumo que o problema dele seja grave”, finalizou.

José da Rosa afirmou ainda que o militar tem o porte funcional da arma e ao sair do Procon teria ido até a região da Lagoa Itatiaia, onde escondeu a arma e o celular embaixo de um dos bancos de concreto do local. Ela é a mesma que está com registro vencido. Em seguida, procurou o advogado. A pistola não foi encontrada.

Nos siga no Google Notícias