A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

25/09/2015 22:21

Agentes penitenciários adaptam equipamento que ajuda a monitorar presídio

Flávio Paes
Os agentes penitenciários e a engenhoca que desenvolveram para  monitorar visitas ao presídoOs agentes penitenciários e a engenhoca que desenvolveram para monitorar visitas ao presído

Um equipamento adaptado por dois agentes penitenciários que atuam na Penitenciária de  Segurança Máxima da Capital, tem  ajudado a impedir a entrada de materiais proibidos no presídio. A ferramenta consiste na utilização de uma câmera de infravermelho, do sistema de videomonitoramento da unidade prisional, acoplada a uma haste de madeira e conectada a um monitor portátil, que até então era utilizado apenas para testes de funcionamento das câmeras. A estratégia tem facilitado o trabalho de revista em locais de difícil acesso e visualização, como os espaços existentes entre o telhado e a laje.

Segundo o diretor da penitenciária, João Bosco Correia, somente na primeira vistoria com o auxílio da “invenção” foram apreendidos pelos agentes 15 celulares, 65 porções de drogas, sete chips, três roteadores, dois cartões de memória e uma balança de precisão.

O servidor penitenciário que teve a ideia, Dirceu Belmar Monis, explica que já buscava uma maneira de ter uma visualização mais efetiva desses locais, já que o uso de espelho e lanternas, procedimentos de costume, podem não ser tão eficientes.

“Cheguei a comprar, por conta própria, uma câmera e testei, mas não deu muito certo, foi então que eu procurei o agente que é responsável pela manutenção do sistema de videomonitoramento, ele topou o desafio e, após algumas alterações, conseguiu chegar ao que precisávamos”, conta o servidor.

 Há 10 anos na carreira, Belmar revela que sempre está em busca de maneiras de melhorar o sistema de revista. Segundo ele, quando trabalhava no Estabelecimento Penal de Paranaíba idealizou um equipamento que na época batizaram de “pescador”, um tipo de anzol usado para a busca de equipamentos e materiais proibidos escondidos dentro de vasos sanitários das celas. A invenção até hoje é usada na unidade prisional, inclusive auxiliou em uma apreensão de quatro aparelhos celulares, quatro carregadores e três fones de ouvido realizada no presídio do interior no dia 1º deste mês.

Responsável pelo sistema de monitoramento de câmeras, Abraão Rodrigues de Paula, o outro servidor envolvido na invenção utilizada na Máxima de Campo Grande destaca que ainda está buscando aperfeiçoar o equipamento, de forma que se reduza ainda mais o tamanho para ter acesso a locais ainda mais estreitos. “Também estamos buscando uma forma de inserirmos em locais molhados, de forma que não danifique o equipamento’, informa o agente penitenciário da área de Segurança e Custódia, que trabalha na Agepen desde 2005.

Maioria prefere pagar taxa de lixo em fatura separada, aponta enquete
A maioria dos leitores participantes da enquete da semana diz que prefere pagar a taxa do lixo em um boleto separado da fatura de água ou luz. O valo...
Homem é baleado nas costas enquanto caminhava na 14 de Julho
Jovem de 23 anos foi baleado nas costas enquanto caminhava na Rua 14 de Julho, no Bairro Cabreúva, em Campo Grande. Hugo Vinícius Crisanto de Lima fo...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions