ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Ameaçado de morte, gato Frajola leva polícia a condomínio no Tiradentes

Moradores ameaçaram jogar água, bomba e até envenenar o bichinho

Por Dayene Paz e Ana Beatriz Rodrigues | 30/09/2021 15:56
Gato está há 4 anos no condomínio. (Foto: Paulo Francis)
Gato está há 4 anos no condomínio. (Foto: Paulo Francis)

Mesmo com decisão judicial que permitiu que o gato Frajola ficasse em condomínio do Bairro Tiradentes, em Campo Grande, o bichinho ainda sofre ameaças de morte de alguns moradores que não concordam com a medida. Diante do fato, a Decat (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista), esteve no local na tarde desta quinta-feira (30) e orientou alguns moradores.

As ameaças iam de jogar água, bomba a até envenenar o felino, que está aproximadamente há quatro anos no condomínio. Diante das graves ameaças, a delegacia especializada se manifestou sobre o caso e esteve no local. "Se algo acontecer com o gato, os autores serão responsabilizados", alertou o delegado Maércio Alves.

No condomínio, o titular da Decat entregou intimações aos autores das ameaças para que compareçam na delegacia, onde serão orientados sobre os direitos dos animais. "Eles serão orientados de que maltratar o animal é crime", destacou.

Polícia esteve no condomínio nesta tarde. (Foto: Paulo Francis)
Polícia esteve no condomínio nesta tarde. (Foto: Paulo Francis)

O caso - O gatinho apareceu no condomínio há cerca de 4 anos, na gestão de outro síndico. “Ele não era filhotinho, já era um gatinho mais crescido”, relembra Brasiluza Gomes de Pinho Neves (62). De acordo com a moradora o gato, de temperamento dócil, mesmo não tendo um dono foi ficando, já que conquistou a simpatia de boa parte dos moradores.

Mas o fato de circular livremente pelo pátio abriu precedentes, não demorando muito para que a frase “se ele pode, o meu também pode”, começasse a ganhar força entre tutores de outros felinos do condomínio.

No residencial, há 80 apartamentos, quase todos ocupados. São 25 moradores com animais, alguns deles começaram a soltar seus gatos na área comum, o que vai contra a convenção dos moradores.

"Se você tem a guarda responsável legal, você não pode deixar solto, tem que circular com o animal na coleira ou guia, então, são pessoas que não quiseram colocar telas nas janelas de suas casas e acabam soltando, deixando assim o dia inteiro, o que gerou reclamação de outros moradores, que começaram a pressionar o síndico para que tomasse uma atitude e tirasse o gato do condomínio”, conta Brasiluza.

Frajola fica - No último dia 10 de agosto, a Justiça decidiu que o gato tem direito de permanecer no local como um animal comunitário. Na decisão, o juiz José Henrique Kaster Franco citou diversas leis e decisões de tribunais superiores, declarando que o abandono do animal pelo condomínio seria crime.

O estudante de Direito que ajuizou a ação, Pablo Chaves, vê a decisão com muita alegria. "Sempre buscamos o melhor para ele, e com essa decisão, a gente pode conviver com o Frajola", comenta.

Estudante de Direito que ajuizou a ação, Pablo Chaves. (Foto: Paulo Francis)
Estudante de Direito que ajuizou a ação, Pablo Chaves. (Foto: Paulo Francis)

Segundo o acadêmico, a causa animal vem ganhando lugar e a cada dia, mais direitos vão sendo conquistados. "Foi uma decisão inédita em nosso Estado, não havia nenhuma referente a animal comunitário no Judiciário Estadual", frisa. Para ele, a decisão abrirá precedentes para casos semelhantes, além de fortalecer os direitos dos animais.

Capacidade processual – Recentemente, uma decisão da 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná reconheceu a capacidade de animais serem parte em processos judiciais. O relator do recurso destacou na decisão que os animais, enquanto sujeitos de direitos subjetivos, são dotados de capacidade de serem parte em juízo.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário