A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

24/05/2012 07:39

Mães e filhas se reencontram, após vários anos sem contato

Nyelder Rodrigues e Viviane Oliveira
Sandra conseguiu encontrar a mãe, Roseli, após 23 anos, e ainda pode conhecer a irmã, Suelen, que agora tem 21 anos (Foto: Pedro Peralta)Sandra conseguiu encontrar a mãe, Roseli, após 23 anos, e ainda pode conhecer a irmã, Suelen, que agora tem 21 anos (Foto: Pedro Peralta)

Filhas e mães que não se viam há anos se reencontraram nesta quarta-feira (23), em Campo Grande, na 5ª Delegacia de Polícia do bairro Piratininga. O reencontro aconteceu após trabalho de busca de familiares feito pela investigadora da Polícia Civil, Maria Campos.

Uma das famílias que voltou a se reunir foi a de Roseli Rita Vieira, de 41 anos, ajudante de produção em Sidrolândia. Há cerca de 23 anos, em Miranda, ela se separou do marido por conta de violência doméstica, e foi obrigada por ele, sob ameaças, a deixar a filha.

Junto com Roseli, a espera de conhecer a irmã, estava Suelen Vieira Colman, de 21 anos, também ajudante de produção, e que já vinha tentando várias vezes encontrar a irmã na internet, mas sem sucesso.

Reencontro - Após ver a participação de Maria Campos no programa Domingão do Faustão na ajuda a reencontrar parentes que há muito não se encontram, Sandra Coutinho, de 24 anos, procurou a investigadora em Campo Grande para procurar a mãe, Roseli.

Hoje casada e com quatro filhos, com nove, cinco, três e um ano de idade, Sandra continua morando em Miranda e há cerca de uma semana procurou a Maria Campos para encontrar a mãe.

“Não achava que seria tão rápido. Todos os dias eu ficava imaginando como seria o jeitinho dela”, conta Sandra, emocionada com o reencontro. “Eu ganhei na loteria. Sempre soube que eu tinha uma mãe”, desabafa.

A emoção contagiava irmã, mãe e filha. Quando Roseli foi embora de Miranda, o marido não sabia que ela estava grávida, e assim Sandra não sabia que tinha uma irmã, descobrindo isso somente no reencontro. “Esse encontro foi o melhor presente que eu ganhei de Deus”, diz a alegre Suelen.

Roseli diz que nos primeiros anos, ela ainda tinha esperança de logo reencontrar a filha, mas medo em reencontrar o marido e voltar a ser violentada afastou de vez ela da filha.

Antes dessa quarta-feira (23), a última noticia que ela teve sobre Sandra foi quando ela tinha ainda cinco anos. “Meu maior medo era que ela pensasse que tinha sido abandonada”, comenta a mãe.

Rosemar e a mãe, Iraci, se reencontraram após sete anos. Iraci viu pela primeira vez a neta, hoje com dois anos (Foto: Pedro Peralta)Rosemar e a mãe, Iraci, se reencontraram após sete anos. Iraci viu pela primeira vez a neta, hoje com dois anos (Foto: Pedro Peralta)

Outro reencontro - Apesar de morarem na mesma cidade, sete anos separaram Iraci, de 44 anos, da filha Rosemar a Silva Santana, de 26 anos. Assim como no primeiro caso, foi a filha quem procurou Maria Campos para buscar reencontrar a mãe.

Acompanhada com a filha Mariana, de dois anos, e com o marido Humberto Ramos Junior, de 31 anos, Rosemar foi até a delegacia com a família rever a mãe, que também é mãe de um casal de adolescentes, um com 13 e outro com 15 anos. “Vamos conversar e nunca mais perder o contato”, afirma Rosemar, que pode apresentar pela primeira vez a neta para a avó.

O reencontro impressionou Humberto, que não conhecia a sogra. “Elas se parecem muito. Tanto na fisionomia quanto no comportamento”, conta.

Procura - A investigadora Maria Campos conta que, após ter participado do Domingão do Faustão, o quadro de pessoas solicitanto ajuda para reencontrar familiares cresceu.

Maria Campos realiza esse trabalho desde 1993, e atualmente conta com seis voluntários, além de um banco com 31 mil pessoas cadastradas. Segundo Campos, os casos em que as pessoas continuam no Mato Grosso do Sul são mais fáceis de serem resolvidos.

“A pessoa nunca deve desistir. Estamos prontos para ajudar”, declara Maria Campos, que também diz que os interessados em procurar alguém podem procurar à Depac Piratininga ou entrar em contato pelo telefone (67) 9989-0778 e pelo e-mail pcmariacampos@gmail.com.



Boa tarde gostaria de parabenizar o trabalho da senhora maria campos pela esta busca por pessoas desaparecidas,e saber como faço para entrar em contato com a mesma para ajudar minha tia a reecontrar sua filha que foi doada na cidade de corumbá,na maternidade santa casa de corumbá,fico no aguardo de um contato.
Telefones:9232-2998 raquel
9255-5255 falar com maria arlita(mineira)
Obrigada
 
raquel da rocha em 05/05/2013 14:56:37
maria campos muinto obrigado por cuidar do meu filho Rafael; mas estou muinto triste. por saber que o namorado da Fernanda nao gosta do meu filho gostaria cuidase um pouco mas dele. beijossssssssss e abraco/////////////////
ass Maria
 
jose aparecido ponciano em 13/09/2012 09:23:15
Oi Maria Campos peço encarecidamente noticias da minha avó que se chama Nilza Garcia da Silva A mãe dela se Chama Marilza Garcia da Silva também procura saber noticia dela se puder nos ajudar agradecemos desde já.
 
Same de Oliveira Lopes em 30/07/2012 11:56:23
Oi Maria Campos!venho por meio desta te pedir um grande favor,tenho um primo que se chama Luis Augusto Pereira sua mãe se chama Maria Eunice Pereira e seu pai se chama Antonio Elias Pereira,vc já esteve investigando este caso inclusive para quem eu tinha pedido foi para o "CHICÃO"aquele radialista.
 
Everson Basualdo em 04/06/2012 01:02:51
Quero parabenizar o trabalho desta excelente profissional que é a Maria Campos. Já acompanhei muitos casos resolvidos por ela. `e bem brasileira, pois não desisti nunca de reaproximar as familias. Que DEUS continue ilumindo seus passos para q cada dia mais vc possa fazer muitas familias felizes. Um grande abraço desta sua admiradora.
 
Magali Santana em 24/05/2012 12:54:30
olha proximo de mim tem uma moçâ que quer localizar sua irmã pois as duas forão separada na infancia, eu a cadastrei no sat de pessoas desaparecidas e eles me enviaro cpf,rg, numero do cartâo do sus e a cidade que esta pessoa morra mas o esposo de minha amiga ja é de idade e nao permite que ela vá la,minha amiga chama ROSENI PEDRO DA SILVA ela tem 29 ano e foi criada neste mundao de Deus, quando ela descobril onde a mae morrava ja tinha 1 ano que tinha falecido,e ela tem medo de nao ter contado com a unica pessoa de sua familia olha os dados da pessoa que procuramos é.
Geni Pedro Da Silva
Cidade BARRA DO BUGRE
MATO GROSSO
Pai Manuel Pedro da Silva
mâe Elzita Alves de Melo
espero que voces possa nos ajudar a fazer este encontro ,quanto a
ROSENI foi doada ela tinha 6 mes e sua irma é um ano mas velha,ja
tentei contado com radio,assistente social da cidade mas nao obitive
retorno.
meu numero é 92641164 desde ja agradeço ANA CLAUDIA REIS DA PAIXAO MOURAO
 
Ana Claudia Reis Da Paixao Mourao em 24/05/2012 12:19:00
Lindo ! Trabalho parabéns .
 
Dilma melo em 24/05/2012 09:56:01
Parabéns, esse eh um talento e uma dedicação ao próximo, digno de Louvor.
 
Noelina Marques Dias em 24/05/2012 08:22:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions