A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 17 de Novembro de 2018

05/04/2011 15:42

Após assalto, família recebe ameaças e mantém mercado fechado

Nadyenka Castro e Aline Queiroz

Vítimas ainda não sabem quando voltam à rotina

Sara mostra marca no braço da luta com os bandidos. (Foto: João Garrigó)Sara mostra marca no braço da luta com os bandidos. (Foto: João Garrigó)

Após ficar 45 minutos refém de bandidos, a família vítima de assalto na noite da última sexta-feira (1º), no bairro Nova Lima, em Campo Grande, recebeu ameaças e ainda não voltou à rotina.

A comerciante Sara Cristina Weber da Silva, 27 anos, vítima da violência, conta que ela e o marido foram ameaçados de morte e já repassaram os detalhes à Polícia, que investiga o caso.

Devido às ameaças e o trauma pela violência sofrida, ela e o marido decidiram manter o comércio deles fechado por alguns dias. “Estamos dando um tempo para o psicológico voltar ao normal”, declara. “A gente vai dar a volta por cima”, diz confiante.

Ela explica que vizinhos amigos ajudam nesse “processo de recuperação”. “Eles ligam, dizem o que está acontecendo por lá”, conta Sara. Ela, o marido e as duas filhas estão na casa de parentes.

Sara, o marido e o irmão dela foram rendidos logo após terem fechado o mercado. Ela ainda estava no interior do comércio, no computador, quando foi abordada por um assaltante.

A família reagiu ao roubo. Um dos bandidos, adolescente, foi morto e outro apenas baleado. O marido dela e o irmão ficaram feridos. Eles “partiram para cima” dos autores depois que Sara teve a primeira reação.

A filha mais velha do casal, de seis anos, dormia. A mais nova, de três, ficou escondida no banheiro a mando da mãe.

A delegada Maria de Lourdes Souza Cano, da Deaij (Delegacia de Atendimento à Infância e á Juventude), responsável pelo caso, ouviu nesta terça-feira o infrator baleado.

Segundo ela, ele diz estar arrependido, no entanto ela não acredita que ele está sendo sincero. “Ele é muito frio e não aparenta arrependimento”, declarou.

A delegada explica que normalmente os adolescentes infratores executam os crimes sem planejamento. No entanto, neste, os autores observaram a quantidade de pessoas que entravam no local e calcularam quanto poderia haver de dinheiro.

Eles esperavam R$ 5 mil, mas só havia R$ 1,2 mil e por isso ficaram tanto tempo com as vítimas e exigiam mais dinheiro.

Mesmo baleada, vítima toma revólver e mata garoto durante roubo no Nova Lima
Comparsa foi apreendido pela Polícia MilitarDurante um roubo em conveniência no bairro Nova Lima, o assaltante André Luiz do Espírito Santo, 17 anos...
Blitz da Lei Seca termina com perseguição e 2 presos por embriaguez
Dois homens de 48 e 55 anos foram presos durante blitz da Lei Seca de ontem para hoje (17) em Campo Grande. Além da embriaguez e direção perigosa, o ...


Nossa cidade não e mais a mesma. Acabou nosso sossego. A bandidagem esta tomando conta das ruas de nossa querida cidade. Sou empresário e a nossa empresa foi furtada duas vezes em dezembro, uma em Janeiro e mais duas vezes em marco. Fazer ocorrência? Pra que? Nada acontece, nada se resolve e so perdemos tempo. O que esta acontecendo? Onde vamos parar? Fazer justiça Com as próprias mãos e o que nos resta? Vejam o que esta acontecendo com esta família de trabalhadores....
 
Edson Luiz em 06/04/2011 09:59:01
Eu sei como esta familia deve estar sofrendo, pois trabalham dignimanente e vem estes bandidos,, eles deveriam sim reabrir as portas do comercio e ter constantemente 02 policiais la na porta de escolta pelo menos assim eles podem trabalhar em paz , estes amigos bandido morto ja se intimidam sabendo q tem leis pra bandidos ,
 
rosilene carvalho em 06/04/2011 09:47:39
Pior que tem razão para ter medo. O menor vai continuar aprontando até completar 18 anos, pois até lá é protegido pelo código de proteção ao menor delinquente.
A justiça não vai colocar um policial no estabelecimento. A saída é a própria família contratar um policial por fora, pois se um segurança comum reagir ao menor é possível que tenha problemas com a justiça também.
 
Ronaldo de Jesus Costa em 06/04/2011 08:12:08
Mas é o fim da picada, esses vagabundos vão assaltar,levam a pior e agora , ficam ameaçando essa familia. Essa tranqueira que faz isso é o lixo da humanidade, pau neles...
 
lopes lima em 05/04/2011 10:41:00
É mundo moderno. O cidadão é que tem de se proteger sozinho.
 
JOSÉ PEREIRA FILHO em 05/04/2011 09:42:21
Temos que fazer com esses bandidos igual o Irã e a Arábia Saudita faz: enforcá-los em praça pública. Como disse o Deputado Federal Jair Bolsonaro: "Com a pena de morte, eu nunca vi um bandido voltar e matar alguém". Corretíssimo
 
Victor Lima em 05/04/2011 08:28:00
Não existe "menor infrator". O que existe na realidade são aqueles bandidos que, confiantes na impunidade da menoridade, passam a cometer crimes cada dia mais violentos.
Eis aí o resultado do desarmamento no Brasil, pois o cidadão comum não tem como se defender e os bandidos a cada dia que passa, cometem essas barbaridades e, quando alguém tenta se defender, (como foi o caso dessas pessoas de bem) e mata um bandido, os outros bandidos ainda se acham no direito de fazer ameaças. Acredito que já passou da hora das autoridades pensarem em punições mais severas para estes meliantes mirins. Já viram que em todos os crimes ocorridos ultimamente em nossa capital tem participação de menor? E são crimes graves, como seqüestro, roubo, cárcere privado e aí vai. Não aconselho ninguém reagir, porém o que veremos daqui pra frente vai ser isso. Cidadão fazendo justiça, pois quem tem obrigação e dever de fazer não faz.
 
Carlos Silva Oliveira em 05/04/2011 07:21:29
parabens para essa pessoa que reagiu e nao saiu ferido gravemente, esse vagabundo que sobreviveu tem que apodrecer na cadeia, se menor ja e assim imagina quando ficar de maior, cobraa tem que matar enquanto e nova.
 
joel lara em 05/04/2011 07:15:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions