A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

10/08/2011 17:32

Após ser ferido por canivete, menino de 12 anos denuncia sofrer bullyng

Nadyenka Castro e Ana Paula Carvalho

Ele disse que é agredido na sala de aula e na quadra da escola e não contava a ninguém porque tinha medo de morrer

Na mão direita, pontos vermelhos indicam os ferimentos causados pelos golpes de canivete. (Foto: Simão Nogueira)Na mão direita, pontos vermelhos indicam os ferimentos causados pelos golpes de canivete. (Foto: Simão Nogueira)

Após ser ferido por canivete, menino denuncia sofrer bullyng há vários meses

Ele fala que era agredido na sala de aula e na quadra da escola e não contava a ninguém porque tinha medo de morrer

Após ter a mão ferida por golpes de canivete dentro da sala de aula nessa terça-feira, em Campo Grande, um menino de 12 anos denunciou que é vítima de bullyng desde o início do ano letivo. Ele faz tratamento psiquiátrico há dois anos pelo mesmo motivo.

Nas mãos do estudante estão as marcas dos golpes de canivete. Pelo corpo, as da agressão feita com socos e chutes.

“Eles falavam que iam me matar e eu achava que ia morrer”, diz o estudante sobre o porque de não ter contado antes sobre as agressões, que, segundo ele, começaram após ter ‘dedurado’ um dos autores.

A criança conta que um determinado dia, no início do ano, uma professora perguntou aos estudantes da sala, 7º ano, onde estava um colega deles. Ele então respondeu que o mesmo tinha ido para a sala do 8º ano.

Desde então, cinco garotos da sala dele - de 12,13 e 15 anos -, passaram a chama-lo de ‘cagueta’, a agredi-lo e ameaça-lo de morte caso contasse a alguém. Ele então passou a ser alvo de chutes e socos constantemente, sempre na sala de aula e na quadra, longe dos olhares dos professores.

As agressões aconteciam até mesmo durante treinamento do time de futebol em que a vítima é goleiro, quando o responsável não estava na quadra.

A mãe do garoto, a dona de casa Valquíria Andrade Bernardes, 35 anos, só soube da situação nessa terça-feira e disse que o filho já demonstrava sinais de que algo estava errado e ela já tinha sido alertada pelo psiquiatra do menino.

Valquíria conta que o filho pediu para sair da Escola Estadual Padre Mário Blandini e não queria mais frequentar as aulas. Ela então alertou a direção sobre o caso, que prometeu prestar mais atenção ao garoto.

Para não ir à escola, o menino passou a se esconder. Ela subia no muro, telhados, e só voltava para casa no horário em que a aula costuma terminar.

A coordenação da escola percebeu a grande quantidade de faltas e desconfiou que havia algo errado, mas até esta quarta-feira não tinha flagrado nenhuma situação irregular.

Porém, hoje, o menino foi agredido novamente por socos e chutes e contou à direção, as agressões e ainda os ferimentos causados pelos golpes de canivete. Um dos agressores foi chamado e denunciou os demais.

Valquíria foi chamada pela escola, assim como os pais dos autores. Foi assinado um termo de compromisso entre eles e a família da vítima vai denunciar o caso também à Polícia Civil.

Em tratamento- Esta não é a primeira vez que o menino é vítima de bullyng. “É que toda escola que eu vou eu sempre sou o melhor aluno da sala. Acho que ficam com inveja de mim”, justifica.

Há dois anos ele foi vítima em outra escola. Por causa disso, faz tratamento psiquiátrico contra depressão e toma remédios controlados.

De família de escritores, médico lança amanhã livro com poemas
O renomado psiquiatra Marcos Estevão lança nesta quinta-feira (14) em Campo Grande o livro de poesias "Pedaços de Mim", que é um compilado de poemas....
Renegociação de dívidas com a Águas Guariroba segue sendo realizada
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Com inspiração japonesa, luzes vão iluminar compras no Centro
Iluminação especial passa a ser adotada, nesta quarta-feira (13), na região central de Campo Grande. Dezesseis estruturas de alumínio, com lâmpadas d...


Muitos responsabilizam somente os pais nesse caso, mas aonde estava os inspetores, a coordenacão e orientacão da escola que por sua vez ''nunca via nada'' a vitima escondia de seus pais por medo e se as agressões eram feitas ate na quadra nas aulas de Ed. Fisica onde estava o professor, que seja feita a justiça e que esses adolescentes infratores, irresponsaveis, vandalos dentro de uma escola que e um lugar para se aprender, relamente aprendam a se relacionar como tal. Com certeza se nao houver justiça dos homens havera a de Deus que nunca falha.
 
Julia Oliveira em 13/08/2011 01:45:33
E aonde está o cuidado dessa mãe para com seu filho? Se percebeu, por que não agiu, deixando chegar a esse ponto, ficando a criança a deriva? Pais tem que ser amigos, filhos precisam sentir que tem quem os protejam em quaisquer circunstância, e nada escinderão de seus pais.
 
marcia maria em 11/08/2011 10:55:25
No Brasil os menores são julgados pela idade em outros países pelo crime, quando houver uma Lei que diga que para tal crime é um número de anos a ser cumprido, sem nenhum direito, benefício ou redução as coisas mudam, quando menores ou maiores perceberem que só saírão daqui a 10, 20 ou 50 anos as coisas mudam, se o sistema penal está lotado, que se faça mais cadeias e não precisamos ter pena também se há superlotação, afinal o que eles estão fazendo lá, porque estão lá, a polícia tem feito até o seu dever de casa, mais não há Lei, então o que não tem remédio, remédiado está.
 
Nery P. Ribeiro em 11/08/2011 08:54:39
A impunidade total aos atos de "adolescentes" não pode mais ser tolerada, já passou há muito a hora de nossas autoridades tomarem providências sérias, o bullyng é uma agressão impiedosa ao caráter das pessoas, uma humilhação muito grande, responsabilizar apenas aos pais não resolve, pois na maioria dos casos estes já não possuem mais o controle sobre os filhos.
 
Cláudio Guilherme em 10/08/2011 08:39:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions