ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Assetur participa do PAC Mobilidade ou perde concessão, afirma Rudel

Ítalo Milhomem | 01/08/2011 12:12
Nelsinho e Rudel afinam discurso sobre ultimato contra Assetur (Foto: João Garrigó)
Nelsinho e Rudel afinam discurso sobre ultimato contra Assetur (Foto: João Garrigó)
 Assetur participa do PAC Mobilidade ou perde concessão, afirma Rudel

O diretor presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) Rudel Trindade Júnior afirmou que a procuradoria jurídica do município vai dar duas alternativas para Assetur (Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campo Grande).

“Tem dois rumos. O primeiro é de procurar um consenso para trabalhar com esses investimentos e que aconteçam como a prefeitura quer, junto com as propostas da Assetur. Dentro dessas propostas o prefeito exclui o aumento da tarifa e a prorrogação de prazo da concessão. A segunda questão é que a Assetur tem todo o direito de dizer que não quer, não concorda com a proposta. Aí nós vamos buscar uma saída jurídica e até pode ser judicial, que encerre este contrato. Vamos pegar nossos advogados, os advogados deles e acabar com esse contrato”, explica Rudel.

O prefeito Nelsinho Trad (PMDB) também deu declarações na mesma sintonia de Rudel. Ele afirmou nesta segunda-feira (1), que o impasse para implantação dos corredores de ônibus em Campo Grande, orçados em R$ 290 milhões do PAC de Mobilidade Urbana terá um fim ainda está semana.

Com o ultimato do prefeito, a Assetur terá de definir se entra no projeto ou perde a concessão do transporte coletivo da Capital. A empresa teria que investir cerca de R$ 40 milhões em uma nova frota para atender a demanda do projeto.

“Essa semana vai ter uma reunião com Assetur já para eles darem uma resposta definitiva. Mas uma coisa eu te falo e asseguro, nós não vamos abrir mão destes recursos. O que tiver que ser feito, vai ter que ser feito. Eles já sabem disso, eles estão fazendo as contas para saber como vão fazer, descartado o aumento da tarifa, descartado qualquer outra situação que venha impactar no bolso de quem usa. Agora que eles vão ter que fazer parte dele, vão. O município faz quando pega dinheiro e tem que dar contrapartida alta. Ou seja todo mundo faz sua parte. Um recurso desta montada jamais você ter chance de buscar de novo. Eles vão ter que achar a solução e nós testamos desenhando isso junto com eles”, comentou Nelsinho.

O presidente da Assetur, João Rezende, afirma que aguardará a reunião com Nelsinho programa programada para esta semana para definir o assunto, mas disse que as empresas estão dispostas a negociar a melhor forma de continuar com a concessão do transporte coletivo da Capital.

“Estamos aguardando a reunião com a nova manifestação da prefeitura, porque não temos nada de novidade da última tratativa com a prefeitura. Mas temos que ter cautela, porque é um assunto delicado, mas não perdemos a disposição de dialogar com a prefeitura e buscar um acordo. São anos de boa relação com a prefeitura de Campo Grande”.

Nos siga no Google Notícias