ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 18º

Capital

Barreiras sanitárias pararam 16 mil pessoas e todos os 28 testes deram negativo

Prefeito vai trocar barreira sanitária por "blitze surpresa" nas entradas de Campo Grande

Por Anahi Zurutuza | 28/05/2020 14:13
Os 9 mil veículos parados foram desinfetados (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Os 9 mil veículos parados foram desinfetados (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

As barreiras sanitárias que funcionaram por dois dias nas cinco saídas de Campo Grande abordaram 9.247 veículos e mais de 16 mil pessoas. Segundo o balanço apresentado pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD) na transmissão ao vivo do início da tarde desta quinta-feira (28), somente 28 pessoas, que apresentavam sintomas respiratórios, foram testadas, mas nenhum dos casos deu positivo para o novo coronavírus.

“Um balanço extremamente positivo”, comentou o prefeito. A prefeitura detalhou ainda que os locais mais movimentados foram nas saídas para Terenos e Sidrolândia, por onde passaram 58% das pessoas que entraram na Capital.

A operação foi realizada na terça-feira (26) e ontem (27), contando com integrantes da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Guarda Civil Metropolitana, PRF (Polícia Rodoviária Federal), Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito DE Mato Grosso do Sul), Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, além dos funcionários da saúde.

Mais cedo, Marquinhos já havia dito que vai trocar as barreiras sanitárias fixas nas entradas da cidade por fiscalizações esporádicas, ao estilo das blitze de trânsito. “Sem avisar e nem divulgar os locais, quem estiver chegando vai ser surpreendido por essa blitz”, comentou o prefeito sobre a mudança de estratégia.

Nessas ações, também serão realizadas a aferição de temperatura, verificação de sintomas, além da desinfecção dos veículos. Os viajantes com sintomas passarão por teste rápido, que fica pronto em até 20 minutos.

Pelo que pode ser observado nos dois dias de bloqueio, segundo Marquinhos, motoristas e passageiros “não estão trazendo o vírus para a cidade”.