A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

15/01/2014 10:25

Bernal mantém secretaria da Mulher na gaveta apesar da escalada da violência

Aline dos Santos
Segundo Tai Loschi, defesa dos direitos da mulher independe de bandeira partidária. (Foto: Vanderlei Aparecido/Arquivo)Segundo Tai Loschi, defesa dos direitos da mulher independe de bandeira partidária. (Foto: Vanderlei Aparecido/Arquivo)

Enquanto Campo Grande assiste a escalada da violência, a Secretaria da Mulher não passa de uma carta de boas intenções, engavetada há sete meses. Criada pela Lei 5.193, de 20 de junho de 2013, o braço no Poder Executivo, que deveria realizar ações em defesa do sexo feminino, é moeda política do prefeito Alcides Bernal (PP), que enfrenta processo de cassação na Câmara Municipal.

De acordo com a subsecretária da Mulher e da Promoção da Cidadania do Mato Grosso do Sul, Tai Loschi, a defesa dos direitos da mulher independe de bandeira partidária. “A atuação é em rede. O município trabalha com a capacitação nos postos de saúde, emprego e renda. Eu vejo um trabalho muito devagar”, afirma. Atualmente, as ações para o público feminino é atribuição da SAS (Secretaria de Políticas e Ações Sociais e Cidadania).

Na articulação em rede, o governo estadual mantém a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), o Centro de Atendimento à Mulher Cuña MBarete e a casa abrigo em Campo Grande. No ano passado, o centro, que oferece assistência jurídica e psicológica, fez 4.597 atendimentos. Em 2012, foram 3.955.

A casa abrigo, destinada a receber vítimas que correm risco de morte, atendeu 24 mulheres e 43 crianças em Campo Grande. As crianças em idade escolar mantêm os estudos na casa e têm as faltas abonadas, devido à situação de exceção que estão vivenciando.

Atuando na área de Defesa dos Direitos da Mulher, a defensora pública Edmeiry Silara Broch Festi, relata que teve dificuldades para conseguir auxiliar uma mulher vítima de violência doméstica que precisava de vagas em Ceinf (Centro de Educação Infantil) para cinco filhos. Para ela, uma pasta específica auxiliaria a agilizar os procedimentos.

“A cidade é muito grande para ter uma casa da mulher só. Uma delegacia, isso é pouco”, salienta. A Deam não tem atendimento 24 horas e funciona apenas de segunda a sexta-feira.

A expectativa é que seja inaugurada em 2014, em Campo Grande, a Casa da Mulher Brasileira. Segundo Tai Loschi, o atendimento será 24 horas, com concentração de vários serviços de atendimento às mulheres, como alojamento e atendimento multidisciplinar.

No papel – De acordo com a lei municipal que criou a Secretaria da Mulher, cabe à pasta “elaborar e implementar campanhas educativas e anti-discriminatórias de caráter local; elaborar o planejamento de gênero que contribua na ação do governo municipal e demais esferas de governo, com vistas à promoção da igualdade; articular, promover e executar programas de cooperação com organismos municipais, estaduais e nacionais, públicos e privados, voltados à implementação de políticas para as mulheres”.

Na mesma legislação, foi criada a Secretaria da Juventude. A lei autoriza o Poder Executivo a abrir no orçamento crédito especial, no valor de R$ 1,8 milhão para implantação das secretarias.

Todo dia - No ano passado, 312 homens foram presos em Campo Grande por crimes contra a mulher, como estupro, violência doméstica, lesão corporal e homicídio. Os dados da Deam correspondem a quase uma prisão diária, considerando que um ano tem 365 dias.

No ano passado, a média era de 70 Boletins de Ocorrência por dia. No começo de 2014, a violência contra a mulher aumentou. Agora, a média é de cem registros diários.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Campo Grande para saber quando será efetivada a criação da Secretaria da Mulher, mas não obteve retorno. O prefeito Alcides Bernal tem dito que não tem pressa em nomear a nova titular da pasta. 



Toda a problemática poderia ser aglutinada na Secretaria de Ação Social, porque criar mais um cabide de emprego? Secretaria da Mulher, com aquelas salas cheias de decalques alegres.Somente pra ter nomenclatura bonitas? Casa da Mulher Brasileira, Lar dos Meninos Anjos, Lar Doce Lar do Idoso e por ai vai...Políticos não levam o assunto a sério, quanto mais Bernal, mais preocupado com o arrocho que tá levando. Já tem a defensoria, a delegacia da Mulher, praquê uma secretaria da mulher? Bom, se for assim Bernal deve criar a Secretaria dos Homens, Secretaria GLS, Secretaria dos Negros, Secretaria dos Índios, Secretaria dos Desempregados e pra assentar políticos cassados ou que não foram eleitos a Secretaria do Peróba(óleo).Bernal, tá nem aí,se lasquem!!!
 
samuel gomes - campo grande em 15/01/2014 16:07:02
Mas que notícia mais torta! quem não agiu foi a proteção... o que é que a coordenadoria da mulher ia fazer? campanhas? óbvio que são boas, mas até agora o governo estadual e sua coordenadoria náo tem atuado...
 
Estela Scandola em 15/01/2014 15:59:24
Eu acho tao bonito estes partidarios usarem os meios de comunicação pra levantar bandeiras politicas. Temos ai uma tal Thais Helena ha frente de uma das politicas publicas mais importantes do Estado sem saber nem o que fazer com tudo aquilo. Sem experiencia nenhuma. Tai, compreendo seu lado e reconheço a importancia do papel da secretaria da Mulher. Porem o que a secretária tem feito???? NADA!!!!
 
Daniela Fialho em 15/01/2014 15:17:01
É por isso que o Bernal vai continuar levando tudo. Enquanto a mídia não amenizar e continuar com pendor acusatório, vai dar Bernal sempre e a cidade vai continuar esse lixo. Mudem a tática, que talvez as críticas comecem a surtir efeito. Violência com a mulher não dá para colocar na conta dele. A década de 90 quando tudo que a imprensa colocava o povo seguia se foi e 2012 foi um sinal claro disso, só não enxerga quem não quer.
 
Ademar Siliano Roriz em 15/01/2014 15:14:13
Caro Marco Aurelio, papel de uma secretaria municipal seja ela qual for nao é 'resolver" os problemas sociais, pois isso se faz conjuntamente, com o Estado, a sociedade e cada um de nos cidadaos. O papel da secretaria esta explicito no texto: articular acoes, capacitaçoes, pesquisas e campanhas junto a toda sociedade para que se visibilize e que a sociedade encontre meios de combater a violencia contra a mulher. Ha um longo trabalho feito em Campo Grande de muitos anos para que fosse criada uma coordenadoria da mulher que realizou inumeras acoes. O problema ~e hoje nao haver interesse que ela tenham continuidade. Se o prefeito afirma nao ter pressa pois ve apenas como uma questao de cargo politico e alianças, eu vejo como uma falta de compromisso com a questao e com as mulheres de CG.
 
danieli souza em 15/01/2014 11:48:19
De um lado a Thais Helena querendo indicar seus cabos eleitorais, do outro o Bernal na negociata...é difícil.
 
José de Castro em 15/01/2014 11:38:37
De quem mesmo é responsabilidade da Segurança Pública? Do governo do Estado ou do governo do Município? A violência contra mulher esta descontrolado só em campo Grande ou no estado todo? Existe Secretaria especial da mulher na estrutura do Estado? Cadê a delegacia da mulher 24 horas em todos os dias da semana?
É o governo do Estado de Mato Grosso do Sul que deve explicações as mulheres do estado por não ter qq prioridade nessa política.Chega de faz de conta!
 
NEYLA FERREIRA MENDES em 15/01/2014 11:30:54
Chega a ser ingenuidade acreditar que uma Secretaria Municipal vai resolver este problema, isto chegou a este ponto assim como a criminalidade que assola nosso país devido a falta de punição, e não é uma simples Secretária de município que vai fazer isto.
 
Marco Aurélio em 15/01/2014 10:49:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions