ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Bope quer aval da Justiça para usar tecnologia apreendida na Omertá

PM informa que bloqueadores de sinal de celular serão úteis em situação de crise

Por Aline dos Santos | 11/12/2019 09:54
Bope pede à Justiça a cedência de dois bloqueadores. (Foto: Henrique Kawaminami)
Bope pede à Justiça a cedência de dois bloqueadores. (Foto: Henrique Kawaminami)

O Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) pede à Justiça a cedência de dois bloqueadores de sinal de celular apreendidos na operação Ormetá, que investiga organização criminosa e grupo de extermínio. Por parte do crime, os dispositivos são utilizados para obstrução de envio de sinais de tornozeleira eletrônica, utilizada no monitoramento dos presos.

Atualmente, o batalhão não conta com bloqueadores. De acordo com o comandante do Bope, tenente-coronel Wilmar Fernandes, os dispositivos serão úteis em situações de crise. No ofício encaminhado ao juiz da 1ª Vara Criminal de Campo Grande, Roberto Ferreira Filho, o comando da PM (Polícia Militar) especifica que o Bope atua no gerenciamento de situações de crise, que exige isolamento de local, inclusive de forma eletrônica.

O documento destaca que artefatos explosivos podem ser deflagrados a distância, de forma remota por meio de celular. Além dos protagonistas de situações de crise, como um sequestrador, que utilizam o aparelho para contato externo.

“Tal equipamento é de suma importância para a gestão das ocorrências críticas já citadas, e pode atuar como elemento facilitador no salvamento de vidas dentro do território sul-mato-grossense”, afirma o comandante da PM, coronel Waldir Ribeiro Acosta, no ofício encaminhado ao juiz.

O bloqueador emite sinais de alta intensidade para “poluir” a frequência de rádio usada pelo celular para receber dados da operadora. Os dispositivos foram apreendidos pelo Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assalto e Sequestros) em 19 de maio, junto com um arsenal escondido num imóvel no Jardim Monte Líbano, em Campo Grande.

O flagrante foi marcado pela prisão do então guarda municipal Marcelo Rios. No mês de setembro, as investigações, já com apoio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), resultaram na operação Omertá, que prendeu os empresários Jamil Name e Jamil Name Filho. Eles são apontados como líderes de organização criminosa, que também envolvia guardas municipais, policiais civis e um agente da PF (Polícia Federal).

Além das armas, que logo chamaram a atenção por incluir fuzil, modelo similar ao usado em execuções na cidade, foram encontrados dois bonés espiões. Por fora, apenas a marca poderia atrair interesse: BMW. Por dentro, dispositivo oculto de gravação de vídeo. 

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário