ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, DOMINGO  24    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Capital tem 5 projetos de corredor gastronômico, mas só 1 com verba para obras

Primeiro criado, Bom Pastor só deve ser revitalizado em 2022; licitação sai ainda este ano

Por Adriel Mattos e Cristiano Arruda | 19/09/2021 12:21
Rua Barreiras é o mais novo corredor da cidade, mas não tem previsão de ser revitalizado. (Fotos: Marcos Maluf)
Rua Barreiras é o mais novo corredor da cidade, mas não tem previsão de ser revitalizado. (Fotos: Marcos Maluf)

Com a criação do corredor gastronômico da Rua Barreiras, nas Moreninhas, Campo Grande passa a ter cinco espaços desse tipo. O mais antigo da Capital, na Avenida Bom Pastor, nas Vilas Boas, só deve passar por obras em 2022, mas é privilegiado nesse quesito por ser o mais tradicional.

Os outros corredores criados no papel são na Rua da Divisão, no Bairro Parati; na Rua José Antônio, no Centro; e na Avenida Gualter Barbosa, no Bairro Nova Lima. Apenas o da José Antônio já passa por revitalização.

“Será nos mesmos moldes da (Rua) 14 de Julho, menos o embutimento de fios. É um serviço caro e exige uma interferência maior. Está dentro do Reviva (Mais Campo Grande)”, explicou o titular da Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos), Rudi Fiorese.

(Arte: Henrique Lucas/Campo Grande News)
(Arte: Henrique Lucas/Campo Grande News)

Expectativa - Mesmo sem previsão de implantação, moradores das Moreninhas já têm esperanças de que a região se valorize ainda mais. É o caso da comerciante Cristina Rabelo, de 41 anos, que já prevê ampliar o horário de atendimento. “Fiquei sabendo, mas não me apresentaram nenhum projeto. Acho que vai melhorar bastante o comércio da região”, disse.

Mesmo para quem sequer trabalha no ramo da alimentação, a expectativa é alta. Proprietário de uma barbearia, Henrique Oliveira, de 34 anos, soube do projeto durante a campanha eleitoral.

“Fiquei sabendo, mas não recebi nada. Mas quando acontecer, vou ampliar aqui para receber os clientes da melhor maneira possível”, afirmou.

Cristina está reformando seu comércio e já sonha com aumento do movimento.
Cristina está reformando seu comércio e já sonha com aumento do movimento.

Já quem trabalha nas ruas próximas teme perder a clientela, como Aparecida Modesto, de 43 anos, proprietária de uma lanchonete. “Fico preocupada, porque aqui não tem muito movimento. Esse corredor vai movimentar bastante, mas meu comércio pode sofrer com isso, estou pensando até em montar uma barraca lá”, explicou.

Ainda não há previsão de quando o corredor passará por obras, nem se os comerciantes receberão orientação.

Bom Pastor - O corredor da Bom Pastor já tinha essas características quando foi oficialmente criado, em dezembro de 2014. O então prefeito Gilmar Olarte se comprometeu a revitalizar a via, mas com a Operação Coffee Break, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), e a volta de Alcides Bernal (PP) ao Paço Municipal, o projeto foi engavetado.

Em outubro de 2020, o Ministério do Desenvolvimento Regional liberou R$ 22,8 milhões para executar as obras de revitalização. A prefeitura chegou a prever o início das obras no segundo semestre deste ano, mas a pandemia de covid-19 atrapalhou os planos.

“Estamos na fase final do projeto. Ainda não temos um custo estimado, porque veio a pandemia e o custo dos materiais aumentou. Assim que a Caixa (Econômica Federal) aprovar o projeto, já que ela que libera o recurso, abrimos a licitação”, disse Fiorese. A expectativa é que as obras só comecem no primeiro trimestre de 2022.

Outros - O segundo corredor a ser criado foi o da Rua da Divisão, entre a Avenida Guaicurus e a Rua George Chaia, em janeiro de 2017. O terceiro foi o da Avenida Gualter Barbosa, entre as ruas Marquês de Herval e Zulmira Borba, em novembro de 2019.

A pedido dos comerciantes da região, o corredor da Rua José Antônio, entre as ruas Abrão Júlio Rahe e Rodolfo José Pinho, foi criado em maio de 2020. A Câmara ainda analisa se cria o sexto corredor, na Rua Antônio Rahe, no Bairro Mata do Jacinto. Nenhum desses têm previsão de implantação, já que dependem de recursos federais.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário